Entrevista

Entrevista com a sexóloga Laura Muller

"A gente tem preconceito com a terceira
idade. Acha que vovô e vovó não
fazem sexo"

“A palavra base para a vida sexual é respeito”
..
Por Neto Lucon (Yahoo!)
.
Psicóloga clínica, educadora sexual, comunicadora social e jornalista. Ponto alto no programa “Altas Horas” (Rede Globo), exibido nas madrugadas de sábado, Laura Muller fala sobre sexo aos jovens de maneira natural, educativa e sem moralismos.
.
Na noite de segunda-feira, 3, ela participou do debate “Relações afetivas na juventude”, na Livraria Cultura, em São Paulo, e concedeu uma entrevista exclusiva ao Yahoo!. Aqui, Laura fala sobre os bastidores do programa, vida pessoal e dá dicas de como ter uma vida sexual saudável. Veja:
..
Yahoo!: Há cinco anos respondendo perguntas dos jovens no “Altas Horas”, existem questões muito cabeludas que não vão ao ar?
Laura Muller - Funciona assim: não combinamos nada e o que a plateia quiser perguntar, pergunta. Em geral vai tudo, do jeito que veio. É uma maneira de conseguir um raio-x das necessidades e dúvidas da população jovem. Vai tudo, até porque o Serginho gosta das saias-justas. Ele adora principalmente quando surge alguma pergunta que eu mesma ache engraçada. O programa é um espaço bacana para a educação sexual.
.
Yahoo!: Quais são as dúvidas mais frequentes dos jovens?
Laura Muller - Observo que os meninos estão muito preocupados com o pênis, tamanho, como funciona a ereção, a ejaculação, o esperma. Entre eles, tem uma dúvida clássica que é “beber esperma engrossa a voz?” (risos). Eles viajam um pouco nessa área... As meninas estão mais preocupadas com orgasmo, gravidez, como evitar, a pílula do dia seguinte e doenças sexualmente transmissíveis. O jovem está bem antenado e aposta em quatro áreas que a gente trabalha: afetividade, gravidez fora de hora, doenças sexualmente transmissíveis e limites.
.
Yahoo!: Alguma pergunta cabeluda te deixou envergonhada de responder?  
Laura Muller - Quando as perguntas se direcionam à minha sexualidade tenho ainda mais cuidado para falar. Tenho que explicar, de um jeito que não fique chato, que a minha vida não vem ao caso. O auditório diz “ahhhh”. Mas respondo que estou ali como uma especialista falando de uma ciência que é a educação sexual. Então, independentemente se eu faço sexo ou como eu faço, isso não é o importante.  
.
Yahoo!: As pessoas confundem o seu trabalho com a vida particular? 
Laura Muller - Até confundem, mas faz parte. Às vezes estou no restaurante e vem alguém fazer uma perguntinha: “Já terminou de comer a pizza? Posso fazer uma perguntinha sobre sexo? (risos). Às vezes no banheiro, na rua. Mas é bacana, é uma amostra de que estamos fazendo um bom trabalho. No fundo eu acho legal.
.
Entrevista foi destaque no site "Yahoo!"
Yahoo!: E você está namorando?
Laura Muller - Eu sou divorciada. Mas se estou com alguém, isso vai ficar no segredo (risos).
.
Yahoo!: Posaria nua?
Laura Muller - Ah, não cabe na minha profissão. De forma alguma. Nada contra quem faça, pois às vezes o ensaio faz parte da profissão de alguém. Mas na minha profissão não tem cabimento. Já cogitaram lá no passado, mas agora estou mais velhinha (risos).
.
Yahoo!: Com tanto apelo erótico divulgado, quando o sexo é tabu?
Laura Muller - O sexo é tabu na nossa cultura. É tabu no jovem, no adulto e na terceira idade. É tabu para conversar entre casal, para falar na escola, falar em casa, em um bate-papo entre pais e filhos. A gente também tem preconceito com a terceira idade: acha que vovô e vovó não fazem sexo. Então espaços como debates, palestras ou uma entrevista como esta, acaba ajudando a quebrar ou diminuir este tabu. 
.
Yahoo!: A atual geração passa horas visitando conteúdos eróticos na internet. O que pensa sobre este produto virtual na educação sexual do jovem? 
Laura Muller - Temos muita porcaria na internet, conteúdo ruim, conteúdo que remete à pedofilia. E pedofilia não pode, é crime. Nosso trabalho, tanto como educador, mídia, formador de opinião, é passar um olhar crítico. Afinal a internet também tem muita coisa boa. Há sites bacanas, eu mesma faço um site de sexualidade. O jovem precisa aprender onde vai se informar e lidar com a sexualidade. Porque se ele vai se meter em uma coisa de gente grande – afinal sexo é uma coisa de gente grande - então ele tem que ter atitude de gente grande. 
.
Yahoo!: Muitos artistas adentraram a indústria de filmes eróticos e muitos jovens se inspiram nessa carreira. O que poderia dizer a eles?
Laura Muller - É uma área que carrega muito preconceito. Quem quer entrar, tem que pesar os prós e contras, pois não é tão simples assim. A gente vive em uma sociedade conservadora, preconceituosa, em que sexo é assunto tabu. Agora, cada um que guie a sua vida, as suas escolhas... Para quem assiste, pode ser um ingrediente a mais. 
.
Yahoo!: O que diria para as pessoas que desejam ter uma vida sexual saudável?
Laura Muller - Eu diria que a palavra base da vida sexual é “respeito”. Seja para o jovem, para o empresário, na terceira idade. Respeito como? A si mesmo, aos seus limites, aos seus desejos, às suas possibilidades. E respeito com a pessoa que está ao lado, até onde ir com essa pessoa, os limites e os desejos dela. Respeito também com a sua vida e a vida do outro, usando preservativo. Sem dúvidas, a palavra chave do nosso tempo é “respeito”. 
.
Yahoo!: Quais são seus novos projetos?
Laura Muller - Neste semestre vou lançar um livro sobre “Sexualidade no Mundo Empresarial”. Vai falar sobre as relações que se estabelecem dentro desse mundo: a possibilidade de manter contato sexual com colega de trabalho, de limites, assédio moral... E fala também do seu potencial de sedução – não necessariamente voltado às questões sexuais - e que isso é uma competência importante no mundo profissional. Aguardem... Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

1 comentários:

Lah Domiciano dos Santos disse...

Ameiii *-* Acho sexóloga uma profissão incrível, pois quem não gostar de saber e falar de sexo, é super interessante as pessoas te perguntarem e tudo mais... e Laura Muller é realmente ótima no que faz!

Tecnologia do Blogger.