LifeStyle

"Felicidade não vem com milagre”, diz padre Fábio de Melo


Por Neto Lucon (Yahoo!)

O padre é pop. E a popularidade surpreendeu no final da tarde de segunda-feira, 3. Em uma fila gigantesca, mais de 200 pessoas (senhoras, homens e crianças) queriam ver, abraçar e receber um autógrafo do padre cantor Fábio de Melo, que lançava o livro “Tempo de Esperas” (Editora Planeta) na “Livraria Cultura”, em São Paulo.

“Estou cansada. Cheguei aqui às 9h da manhã só para vê-lo”, desabafou a primeira mulher da fila, que aguardava há mais de 8h, segurando quatro livros. Outra senhora, que precisou de uma cadeira para aguentar “o tempo de espera”, se empolgou ao ver o padre. Ela agarrou, apertou e tentou beijá-lo, sendo retirada pela assessora de imprensa. Paciente, Fábio conversava, brincava e prestava atenção nas histórias levadas pelos fiéis.

Aos 40 anos, ele faz jus à fama que conquistou. Soma 14 CDs (que venderam mais de 2 milhões de cópias), dois DVDs, nove livros e apresenta o programa “Direção Espiritual” (TV Canção Nova). E está incomodando. Tanto que padre Marcelo, um dos primeiros a se popularizar pela música, o criticou, dizendo que não gostava de ver Fábio sem batina, fazendo piadas e cobrando cachê para os shows.

Em entrevista exclusiva, Fábio fala sobre o livro, felicidade, inveja e contou como é ser um padre popular.
Assim como na divulgação do livro “Tempo de Espera”, que diz “A Felicidade demora?”, a felicidade é um tema universal. Para você, o que é felicidade?
Gosto de traduzir felicidade como realização humana. Eu acho que a realização humana, que é essa satisfação de ser quem a gente é, se estabelece quando fazemos de tudo para ser e estar no lugar certo. Acho que todo sofrimento é suportável quando nós sabemos que estamos passando por ele para construir um amanhã melhor; uma situação que a gente espera e que hoje a gente trabalha por ela.

E você se sente uma pessoa feliz?
Eu me sinto muito feliz, muito realizado e estou muito disposto a ser feliz todos os dias. Para isso, tenho as minhas lições, os meus trabalhos diários comigo mesmo, porque felicidade não é um milagre, é uma luta constante. É uma graça de Deus na nossa vida, mas todo ser humano deve se empenhar para ela acontecer.

Ser feliz e se declarar feliz não desencadeia um sentimento de inveja nas outras pessoas? Você sente isso?
O sentimento de inveja está presente em todos nós. É natural que a gente olhe para o quintal do vizinho e ache que o jardim dele é mais bonito. Só que também é uma ilusão, porque a gente não sabe a luta que aquele vizinho tem para manter o jardim daquele jeito. O segredo é a gente focar naquilo que Deus espera de nós e lutar para realizar isso.
Entrevista foi home do Yahoo!

O padre Marcelo fez inúmeras críticas ao seu trabalho. Entre elas, a que você cobra cachê para os shows, ao contrário dele. Chegou a ver essas declarações?
Eu li o que ele falou, sim. Sobre o cachê, é importante dizer que quando trabalho como padre, celebro missas, não há cachê. Mas quando é um trabalho artístico – um show, por exemplo - existem dezenas de pessoas envolvidas, que precisam sustentar suas casas, e uma estrutura por trás, então é necessário. Gosto bastante do padre Marcelo, tenho um carinho muito grande por ele e o considero um grande comunicador.

Assim como ele, qual é a sensação de ser um padre pop? Você se considera um?
Eu sou uma pessoa conhecida e eu faço dessa popularidade o meu instrumento de trabalho. A partir do momento em que as pessoas me conhecem e estão dispostas a ouvir o que eu estou dizendo ou ler o que eu estou escrevendo, eu tenho uma responsabilidade muito grande.
Para mim, popularidade é sinônimo de responsabilidade.

O que pode falar do livro “Tempo de Esperas”?
O livro “Tempo de Esperas” é uma troca de correspondência entre um professor de filosofia e um jovem estudante. Entre eles, surge uma situação interessante porque o professor decide abandonar tudo aquilo que o aluno espera alcançar na vida, que é o reconhecimento acadêmico e a oportunidade de ser um grande intelectual. E a partir desta questão, desdobram-se muitas outras questões humanas, que eles refletem por meio de cartas. É ficcional, mas o tempo todo esbarra nas questões humanas, que são próprias de todos nós.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

2 comentários:

Lah Domiciano dos Santos disse...

Eu gosto das músicas do Pe. Fábio de Melo admiro o trabalho dele, pois ele parece ser alguém muito bom e muito humilde!

Marculino disse...

Gente do céu... BBB cobra cachê e não acrescenta nada na vida das pessoas... ele está certíssimo, ninguém leva seu trabalho para TV, estádios, rádios sem um grande suporte de bastidores... acho justo que ele cobre.

Tecnologia do Blogger.