Pop & Art

Em novo documentário, quatro casais LGBT provam que família é uma questão de amor

Arte foi feita por Zeca Bral
“Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer distinção de raça, nacionalidade ou religião, tem o direito de contrair matrimônio e fundar uma família”. Foi com base na declaração universal dos direitos humanos que o jornalista Alberto Pereira Jr. dirigiu o documentário “Eu vos Declaro...” (Lourival Filmes), que traz histórias de quatro casais da comunidade LGBT. 

O filme, que conta com o apoio do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria da Cultura – Programa de Ação Cultural, apresenta de maneira sensível e delicada o cotidiano, lutas e reflexões dos casais Adriana e Munira (unidas há 4 anos), Luís e Nilton (há 13 anos), Marco e Will (5 anos), e de Léo, transhomem que foi casado com uma travesti.

É um mergulho profundo nos relacionamentos duradouros homoafeativos, que apesar de ainda sofrerem estigmas e preconceitos, não são nada diferentes dos relacionamentos héteros na vida prática. Isso é retratado nas cenas em que elas cuidam dos filhos, nos desencontros e incertezas dos primeiros contatos, na alegria de cantar em um videokê e ser aplaudido pelo parceiro, no sonho de se casar em uma igreja e... Na realização de ser mãe.

Destas famílias, o casal lésbico relembra a peleja de Adriana Maciel para vivenciar a maternidade. Infértil, ela recebeu os óvulos da parceira Munira Khalil em seu útero, que foi fecundado com o auxílio de um doador anônimo de banco de esperma. Após o nascimento das crianças – os gêmeos Eduardo e Ana Luiza, de 1 ano e 9 meses – outra luta surgiu na vida do casal: registrar os filhos nos nomes das duas mães.

Após uma dura e longa batalha judicial, elas venceram, conquistaram o direito e entraram para a história.

Momentos de Munira e Adriana

O transhomem Léo Moreira Sá foi mais longe ao se relacionar com a travesti Gabriela Bionda. Com sexos biológicos diferentes, eles conseguiram se casar no civil e também tentaram subir ao altar da tradicionalíssima igreja Nossa Senhora do Brasil. “Mas houve uma reunião e eles pediram um adiamento por dois anos para que nós nos readequássemos ao ‘verdadeiro’ papel de homem e mulher”, diz Léo que viveu com Gabi por 10 anos.

Cada casal dá a sua reflexão sobre o que é família e a importância das leis. Enquanto Munira define família como sendo todos aqueles que quer bem a ela, sua esposa e filhos, Will diz que família é "voltar para casa". Ao comentar as dificuldades das leis em reconhecer casais LGBTs, Léo afirma que qualquer tipo de relação que se constitui uma família deve ser amparada pela lei do seu país. 

"Eu sou o menor de nove filhos, então todos os meus irmão já estão casados, estão com seus filhos. Já tive as minhas famílias também e, ao meu ver, constituímos uma quando temos laços em comum, emocionais, também econômicos... Não sei muito mais o que dizer porque os meus irmãos, minha atual família, não me aceitam. Mas busco não julgá-los. Tenho que compreender que eles têm as limitações deles, assim como eu tive as minhas limitações de me compreender". 

Casal trans: Léo e Gabriela viveram por 10 anos

O documentário termina com o casamento comunitário de Luís e Nilton, que após 13 anos se preparam para subir ao altar em uma igreja inclusiva. A realização dos dois e o friozinho na barriga de Nilton na resposta de Luís emocionam e humanizam. “Vos declaro” retrata famílias unidas e apaixonadas que existiam antes mesmo do TSF reconhecer a união estável homoafetiva em maio de 2011. Afinal, de acordo com Alberto, o idealizador do projeto, “Família é uma questão de amor”. 

Alguém duvida?

Nilton e Luís: 13 anos de união

   TRAILER   

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

4 comentários:

Alberto Pereira Jr. disse...

lindo texto, Neto!
Obrigado

Neto Lucon disse...

Lindo documentário, Alberto.
Parabéns!

Cesar disse...

Nossa!!! Adoro documentários, esse então, deve ser mto bom!!! Quero ver!!!

Neto Lucon disse...

Logo logo você verá o documentário sendo exibido (e ganhando) festivais!
Abraço!

Tecnologia do Blogger.