Entrevista

Com 22 anos de carreira, Márcia Pantera faz fortes revelações sobre a vida e trabalho de drag queen

Em entrevista exclusiva, Marcia Pantera diz que artistas atuais apostam mais em produção que em talento

"Não adianta se cobrir de strass,
de brilho, falar mal da outra, se
você não souber segurar no palco"
O fenômeno drag queen explodiu nos anos 90. Um ano antes, em 1989, uma representante da categoria já dava os primeiros passos no palco da Nostro Mondo e adiantava o que seria uma febre no universo LGBT. Márcia Pantera, negra, alta e de corpo atlético, desenhado pelas partidas de vôlei.

Inspirada na moda, performances e dublagens, a drag-felina, hoje com 41 anos, tornou-se musa de Alexandre Herchcovitch e alcançou a passarela ao lado de ícones da moda como Claudia Liz, protagonizando números memoráveis. E mais, garante ter sido a primeira drag queen a bater cabelo no Brasil.
.
Neste ano, Marcia comemora mais um ano de carreira, data bastante significativa em um mercado pra lá de rotatório e descartável. Em entrevista, revela detalhes de sua carreira e vida pessoal, bem como rivalidade entre artistas, vida amorosa, acidentes de trabalho, drags novatas, problemas com drogas e superação. "Hoje estou muito mais madura, feliz, nas nuvens."

Masculino e atleta na vida pessoal, quando pensou pela primeira vez em se montar?
Foi quando entrei na Nostro Mondo e vi uma apresentação da Marcinha, uma travesti da Corintho [casa noturna da empresária Elisa Mascaro, conhecida pelos espetáculos bem elaborados]. Linda, baixinha, cabelão comprido até a cintura. Assisti ao espetáculo e me vi nela. Disse: "quero fazer isso!"

Em 1989, não existiam referências de drags e a Marcinha já era travesti. Em algum momento pensou em ser trans?
Você tem que ter uma estrutura muito boa para ser travesti. Eu não tenho essa estrutura. Prefiro me montar, viver nessa transformação. Aliás, amo a transformação do Marcio para a Márcia. É o que amo fazer.
.
E a primeira vez que se montou profissionalmente? 
Também na Nostro, em um concurso de novos talentos. Arrumei tudo e fiz um samba da Simone. Um sambão! Já tinha a Marcinha, que era uma negona, e apareceu eu. Na época, era mais malhada, jogava vôlei, tinha um corpão, e a reação foi maravilhosa. Foi uma delícia sentir a reação das pessoas, aqueles aplausos me pegaram. Falei: gosto disso.
.
"As pessoas achavam que eu e o Alexandre
 Herchovitch éramos namorados"
A rivalidade entre drags é muito grande?
Muitas vezes a rivalidade não existe entre os artistas, é o povo que faz. É um que chega e fala "tal pessoa falou isso de você", outra que chega e fala outra coisa. Mas é verdade que existe muita falsidade, uma querendo ser melhor que a outra, falando mal de outra no camarim. Mas acima de qualquer coisa é preciso ter talento. Não adianta você se cobrir de strass, se cobrir de brilho, investir em uma produção, falar mal da outra, se você não sabe segurar tudo isso no palco. É ter talento, carisma e simplicidade.
..
Em um mercado tão rotativo, qual é o segredo para se manter?
É amar o que se faz. Não faço uma apresentação apenas para mim, para as minhas amigas do camarim, nem para o dono da casa, faço para o público que está na casa. É pensar com carinho no público.

No começo, você usava as roupas do Alexandre Herchcovitch... 
Ainda uso, ele é meu irmão.

Como surgiu essa amizade?
No começo, as pessoas achavam que a gente era namorado, caso. Mas somos amigos, irmãos, nunca tivemos nada. A gente se conheceu na porta da Nostro Mondo e ele disse que fui meio antipática (risos). Acho que estava correndo com alguma coisa e ele tentou falar comigo. Na minha vida apareceram mil pessoas querendo me vestir, mas ninguém foi como ele. Chegou e falou: "quero fazer uma roupa para você", marcou comigo, fui na casa dele e ele fez mesmo. Tenho um guarda-roupa histórico.

Da onde surgiu o Pantera?
Surgiu da época em que trabalhei com moda. Estava com a Claudia Liz, e conheci o irmão da Monique Evans, o Marcos Pantera, que era um modelo internacional. Era apaixonada por ele, fui ao camarim e disse: "Ai, eu adoro você, acho você lindo, sou fã" e perguntei se poderia pegar o Pantera do sobrenome dele. E ele falou: "fique à vontade."

Toda performática, você já teve alguns acidentes durante as apresentações. Teve algum que tenha marcado? 
O acidente mais grave foi o da Blue Space. Foi em um domingo que implorei para o Victor (dono da casa) fazer o show, pois o público estava uma delícia. O equipamento começou a girar, pegou meus dedos, enrolou nos meus braços, fiquei lá em cima, gritando. É claro que poderia ter ganhado muito dinheiro, mas assim que o Vitor veio falar comigo, já disse: "não vou processar". Quando tive problemas com drogas, foi ele que me pagou clínica, tudo. O mais importante é que estou com saúde, estou bem, sem sequelas, com meu público e pessoas que me amam. O acidente foi um acidente, deixa pra lá.
.
Marcia e o proprietário da Blue Space, Vitor
Você disse que começou fazendo samba. Atualmente procura reciclar o repertório ou procura trazer um pouco das músicas antigas para os dias atuais?
Até posso trazer música antiga, pois muita gente não conhece. Mas noto que o público deu uma mudada, quer uma música mais louca e tal, e eu entrei nessa. Eu tô ali e estou junto para o que eles quiserem.

Quando você começou, não existia essa coisa de bate-cabelo...
Fui eu quem começou com o bate-cabelo, não existia. Sabe aquele giro do Michael Jackson? Estava com um cabelão longo e não estava de salto, e fiz um giro mais rápido e o cabelo abriu. Daí comecei a bater o cabelo, as bichas começaram a gritar, e foi uma loucura. Mas nem catei que aquilo fosse ser uma confusão. Hoje existe rainha do bate-cabelo, princesa, maior bate-cabelo, mas quem escolheu isso? Acho que só ajudei a abrir esse campo. Sei que fui a primeira drag a bater cabelo no Brasil, que sou a primeira do Brasil, isso tenho certeza.

Converso com artistas veteranos que trabalharam com noite e eles dizem que existe uma certa desvalorização no mercado, que falta trabalho. Você também nota isso?
Isso vem dos donos das boates. Existem algumas artistas antigas que estão sumidas porque as portas foram fechadas para elas. Mas será que o povo não gostaria também de ver isso na noite? Coloca bate-cabelo, mas também coloca algo com glamour, uma vedete, uma mistura. Qual é o problema de ter isso? Hoje infelizmente estão vendo mais produção que talento.

O que diria para quem quer começar a carreira de drag hoje?
Nunca desista dos seus sonhos, mas tem que correr atrás, sempre com prazer, nunca de qualquer jeito. Em 10 shows que você vê hoje, vai ver a drag entrar, tirar a roupa, tirar toquinha e bater cabelo. Não adianta comprar uma peruquinha e bater cabelo no palco. É o que todas fazem hoje.

Já pensou em desistir?
Claro. Passei por uma fase que não tinha condições nenhuma, mas, ao mesmo tempo em que falava que não queria mais, isso era a minha vida. Se a Márcia tivesse saído da minha vida, eu tinha morrido, o Marcio já era. Acho que sempre tive essa força porque pensava: "A Márcia não pode acabar assim, o Márcio não vai deixar a Márcia acabar assim."
.
Ainda existe aquela coisa: 'transo com negão, mas não
caso com ele', "amo a drag, mas não quero sair com ela
desmontada", "amo o Márcio, mas não quero a Márcia"
O Marcio é muito diferente da Marcia?
A Márcia é glamour, é celebridade. O Marcio é básico. Pode perguntar para todo mundo do meu bairro, se tiver muito calor eu não vou nem de camiseta. De personalidade, o Marcio já foi muito tímido, hoje não é mais. Mas a Márcia é mais tímida que o Márcio, apesar de ser todo esse vulcão. A Márcia não fica beijando um cara na boate, perto de um monte de gente me olhando.

Teve gente que se apaixonou pela Márcia? Ou então que se apaixonou pelo Marcio mas não aceitou a Márcia? 
Isso acontece ainda. Porque nosso mundo gay é muito preconceituoso. Ainda existe aquela coisa de "transo com negão, mas não caso com ele", "amo uma drag queen, mas não quero sair com ela desmontada, só montada", "amo o Marcio, mas não quero sair com a Márcia". Tem gente que acha que o Marcio é aquilo que a Marcia é, feminina. E não tem isso, né? Sou masculino desmontado. Eu tô viva hoje porque tenho muita força. Uma vez quase morri por amor. Fechei os olhos e dei com a moto em um paredão, vi a morte por causa de um cara que fui apaixonada há anos. E depois desse acidente eu falei: não vale à pena, porque ele até me ligou para saber como eu estava, mas ficou com outro.

Chegou cogitar matar a Márcia por conta de um amor? 
Não bee, não vale à pena fazer isso. Um cara ficou comigo e falou assustado: "meu, você é a Márcia Pantera!". E eu respondi: "e tem algum problema?" "Claro que tem, você é uma drag queen. O que vão falar meus amigos?" E eu: "ah, está preocupado com seus amigos? Então foda-se você e seus amigos". Eu quero ser feliz. Se quiser ficar comigo de Márcia, fica. Se quer ficar comigo de Marcio, fica. Hoje estou mais assediado como Marcio.

O Marcio faz mais sucesso?
Estou mais malhado, me cuidando mais. Vou até colocar prótese masculina. Vou para Portugal agora e, quando voltar, vou investir no Marcio. Afinal a Márcia já é celebridade. E, deixando o Marcio lindo, a Márcia também fica linda.

Está namorando alguém?
Amo há seis anos uma pessoa, que é o Kenedy. A gente teve uma separação por causa de drogas, quando eu fiquei uó. Ele foi para uma cidade, ficou quatro anos e agora voltou. A gente está namorando de novo, e eu estou amando de novo.
.
Entrevista foi feita no camarim da Nostro Mondo, em 2011
Você teve problema com drogas. Como foi essa experiência?
Fiquei no mundo das drogas mais ou menos uns 10 anos. Perdi 10 anos da minha vida. Começou com uma brincadeira, na casa de um amigo: Toma aí, eu peguei, fiz, gostei. Acho que naquele tempo foi uma válvula de escape, porque eu não sabia nem o que era. Desses 10 anos, perdi muito mais que dinheiro. Perdi minha avó, que faleceu, mas como eu estava drogado, não percebi. Perdi minha mãe, e não percebi. Perdi meu irmão há um ano e estava meio perturbado e não percebi. O que mais me faz falta são as pessoas que me amavam e queriam me ver bem. Acho importante falar porque a gente acaba ajudando outras pessoas.

Como conseguiu sair dessa fase?
As pessoas não podem esquecer que a vontade vem, mas ela vai embora. E são esses minutinhos que exigem a sua força maior. Eu acredito em Deus. Teve um dia que pedi para Deus: se você existir de verdade, vou acordar sem vontade de usar nada. E eu acordei sem vontade. Então aprendi que a força era minha, que a briga era comigo mesmo. Hoje eu estou bem porque acredito Nele e tive uma força imensa dos meus amigos. Vou falar que hoje não tenho vontade? É mentira, eu tenho vontade de usar, mas não posso. Não vou deixar isso acabar com minha vida. Quero estar bem, quero comprar minhas coisas, quero viajar, quero estar com as pessoas que eu gosto. Quero viver, tenho essa gana de viver, e meu vício é trabalho, é trabalhar. Chegar em casa cansado, tombado, nem aguentando andar, mas foi de trabalho, uma delícia. Se você não conhece, e sabe como seus amigos ficam uó, porque vai entrar nessa? Por que enfiar o pé no buraco se você já sabe onde está o buraco?

Hoje, o que te dá mais prazer na carreira de drag? 
É o final do show, o povo vibrando, aqueles olhares. Há 23 anos nunca fui vaiada. Hoje também não tem aquela coisa de vaia, mas se o público não gostar, ele não aplaude. E eu sempre recebi carinho. Vou embora dentro do carro falando para mim mesma: "nossa, foi uma delícia o show hoje, adorei." Hoje sinto mais prazer que antes, porque estou vendo tudo, mais maduro, não estou tão cego. Estou com 41 anos e, na minha cabeça, tenho mais 5 ou 6 anos de carreira. Não sei se a Márcia vai aguentar pular e tudo. Mas estou malhando, me mantendo.

A partir de agora, o que as pessoas podem esperar de você?
Só confusão (risos). Estou cada vez mais forte, vendo tudo, mais maduro. Hoje aprendi a dizer não até para coisas que quero. Estou em pé, viva, com saúde. Podem esperar até um pouco mais do que sempre esperaram: essa vitalidade e energia no palco.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.