Entrevista

Núbia Óliiver relembra Casa dos Artistas e diz: "Serei sempre a vilã dos reality shows"

"Tem gente que diz que as máscaras
caem, mas é mentira, não caem
não. Quem é boa atriz, consegue
manter o personagem. É só
se focar no prêmio final"
Por Neto Lucon (Virgula)
.
Gretchen, Viviane Araújo e Nicole Bahls já estão confinados na quinta edição de A Fazenda (Rede Record). Para quem não sabe, o confinamento e o voyerismo envolvendo celebridades (ou sub-celebridades) comemoram 11 anos na televisão brasileira, desde que Silvio Santos, em 2001, resolveu trazer o formato para a Casa dos Artistas (SBT).

No primeiro reality show com famosos, SuplaBarbara PazMari Alexandre, Núbia Óliiver,Patrícia Coelho e Alexandre Frota roubaram a cena, a audiência do Fantástico (Globo) e estamparam várias capas de revistas. A influência é tanta que o diretor da Casa dos Artistas,Rodrigo Carelli, é o mesmo que dirige A Fazenda.

Destaque no programa, a modelo e fazendeira (na vida real) Núbia Óliiver contou sobre as principais mudanças que ocorreram nos reality shows em uma década. Aos 37 anos e em excelente forma, Núbia diz que ficou mais fácil participar de realities e que a imagem de vilã – motivada pela manobra de eliminação do casal Supla e Barbara – continua até hoje. “Serei sempre a vilã da Casa dos Artistas”, diverte-se.

Virgula - Faz 11 anos desde o final da primeira “Casa dos Artistas”. Você nota diferença entre a edição de que participou para os atuais realities envolvendo famosos?
Núbia Óliiver - Mudou tudo! Entramos em um projeto sobre o qual não sabíamos nada, o que era ou como seria. Quando o Silvio chamou, só perguntou se poderíamos ficar três meses sem falar com a mãe, o pai e o namorado. Mais nada. Também não sabíamos sobre o que seria exibido, sobre a edição. Hoje é diferente, as informações vazam, já temos uma lista com os nomes dos participantes, os artistas já vão pré-moldados, com a personalidade que mais ou menos vão seguir. É mais fácil. Tem gente que diz que as máscaras caem, mas é mentira, não caem não. Quem é boa atriz, consegue manter o mesmo personagem. É só se focar no prêmio final.

Em algum momento se arrependeu de ter participado da “Casa dos Artistas”?
Não, de forma alguma. Foi um marco na televisão brasileira e um divisor de águas na minha vida. Deixei de ser Núbia Oliveira para ser Núbia Óliiver (ela mudou o nome por causa da numerologia). De 250 artistas que estavam na lista, somente 12 foram escolhidos. E eu estava lá, no primeiro programa, fazendo aquele sucesso. Então é um privilégio, uma grande honra e só tenho a agradecer. Sou lembrada até hoje pelo programa.

Você foi considerada a primeira vilã, mas, ao contrário de outros ex-participantes, conseguiu se livrar das vaias. O que aconteceu?
Acho que foi a maneira como rebati as críticas: “É um jogo, então sou uma jogadora”. Se estiver em um jogo com minha família, então vai ter uma hora em que vou tentar passar a perna neles (risos). Por mais que tenha sido massacrada durante a participação, souberam entender que aquilo era uma estratégia. Eu não era apaixonada por ninguém, não era melhor amiga de ninguém, estava ali para jogar.

Mari, Núbia, Supla, Bárbara Paz, Alexandre Frota,
Matheus Carrieri, Taiguara, Patrícia Coelho e Nana Gouvêa. 

Mas não ficou a imagem de vilã?
Ficou sim. Uma vilã nunca morre. Serei sempre a vilã da Casa dos Artistas, dos reality shows, e acho isso ótimo. Gosto e gostaria sempre de ser lembrada. Tanto que, se aparecer um papel para eu interpretar, gostaria que fosse de vilã (risos).

O que mudou da Núbia Óliiver da "Casa dos Artistas” para agora?
Como eu disse, a “Casa” foi um divisor de águas. Antes como Núbia Oliveira, agora como Núbia Óliiver. As pessoas me conheciam pelas capas de revistas masculinas, depois passaram a me ver como sou, em um lugar em que antes não tinha visibilidade (em um programa para a família). Eu casei, fui mãe, me separei e agora prezo muito mais a minha liberdade.

Por ter participado do primeiro reality, você costuma acompanhar outros?
Justamente por ter participado do primeiro não consigo acompanhar outros, não tenho tanto interesse. Acompanhei o primeiro “BBB” (Rede Globo) e o primeiro “A Fazenda”, justamente porque eram os primeiros. Tenho que definir muito bem o meu tempo, já que tenho filha, tenho a minha fazenda, então dedico uma horinha por dia à televisão. Às vezes assisto a uma novela, filme, jornal... Nesta quarta, vou acompanhar “A Fazenda”, porque uma grande amiga, uma grande irmã, vai estar lá. Não falo o nome porque pode atrapalhar, tem que manter segredo. Vou até parar de assistir à novela (risos).

Ficou amizade com algum ex-participante da Casa?
Encontro sempre o Alexandre (Frota), que faz parte do mesmo escritório de advocacia que o meu. Converso com o (Marcos) Mastronelli, que chegou agora de Los Angeles. A Nana (Gouvêa), vejo em eventos. A (Alessandra) Scatena, em festas infantis. A Mari (que chorou quando Núbia foi eliminada, na época) nunca mais vi. Essa eu perdi totalmente contato, mesmo (risos). Sei que ela casou, teve filho, mas as notícias que eu tenho são as que você deve ter.

Você tem mais contato com o Frota? Mas não foi ele quem estragou seus planos na “Casa” e causou sua eliminação?
Foi, foi (risos). Mas eu não tinha e nem tenho motivo para odiar o Alexandre. Aquilo lá é um jogo de um só vencedor. Então, caso eu e ele fôssemos finalistas, haveria uma hora em que a gente teria que inevitavelmente se eliminar. Ele quis me eliminar porque me achou forte, tinha uma boa estratégia. Além disso, nos respeitamos muito, a gente já tinha ficado junto há bastante tempo, isso todo mundo sabe...

Em nossa última conversa, há quatro anos, você disse que não posaria nua. Mas agora, em 2011, você tirou a roupa para a “Sexy”. O que mudou?
Caiu na testa, né? (risos). Decidi depois de 10 anos, depois de muitos pedidos, reuniões, receber uma proposta legalzinha... Com esse ensaio, entrei para o “Guinness Brasil” (a modelo com mais capas de revista, foram 15). Também foi um ensaio diferente dos outros, foi feito com três pessoas, de maneira sutil. Posso dizer que foi mais um caso de “nunca diga nunca” (risos). Agora, continuo no ramo de fazenda, sempre investi em gado, em imóveis. Também continuo desfilando, modelando. Ah! E apresento um programa erótico chamado “Sexy Daily”, na TVA.

Caso participasse de “A Fazenda”, continuaria com a mesma estratégia da “Casa”?
Com certeza, continuaria sendo a vilã (risos). Mas não tenho mais vontade de estar em um projeto assim. Tenho a minha filha, meus afazeres, também já tive o gostinho de saber como é. Hoje, o preço da minha liberdade é muito mais caro!

VEJA VÍDEO ESPECIAL SOBRE A CASA DOS ARTISTAS

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.