Entrevista

Hétero, Gustavo Lira fala sobre filmes pornôs gays e explica por que parou

Galã revela como foi catapultado para os filmes adultos e diz que filho o motivou a parar

O modelo, gogodance e assistente de palco Gustavo Lira, de 33 anos, é o responsável por atrair inúmeras visitas e render vários comentários diariamente ao NLucon. E isso há mais de dois anos. O motivo? Além de atrair os mais variados olhares por sua beleza, estar em evidência como o assistente de palco mascarado do Programa Raul Gil, do SBT, foi na entrevista exclusiva feita pelo Neto Lucon que ele falou pela primeira vez sobre os filmes adultos gays e héteros que estrelou no passado.

A entrevista foi dividida em duas partes e conta com ensaio exclusivo do fotógrafo parceiro Giancarlo Azzi. Uma, para a página Virgula, em que o galã comentou sobre o sucesso no SBT. Outra, para o NLucon, em que ele falou sobre os bastidores e os motivos que o levaram a desistir da carreira pornô. Na época, a segunda parte também foi publicada no Virgula, logo após um grande portal soltar uma nota tendenciosa sobre as produções. 

Entrevista foi destaque principal do UOL
Com muito respeito recíproco e sem deixar nenhuma pergunta no ar, Gustavo esclareceu, falou abertamente sobre os filmes e sobre sua sexualidade. Após a [desnecessária] polêmica, o SBT se pronunciou dizendo que não interfere na vida pessoal dos funcionários. As entrevistas foram home do UOL e são as mais lidas da história desta página. 

Vale lembrar que, hoje, o galã continua arrancando suspiros e fazendo shows em casas noturnas voltadas para o público GLS e também em clubes femininos [atualizado: 15/06/2014].  Abaixo, releia e relembre alguns mistérios do muso da telinha e do galã absoluto do NLucon, Gustavo Lira:

- Você enlouquece o público do Programa Raul Gil. Como surgiu o convite para participar do programa?

Confesso que nunca esperei ser um assistente palco e tudo foi muito rápido. A produção me convidou em um dia e no outro eu já estava gravando. Fui apreensivo, nervoso por se tratar de um programa de auditório, mas acredito que já estava preparado. Sou modelo há cinco anos, também danço em casas noturnas, sempre gostei de cuidar do corpo, treinei, me cuido. Na gravação, é engraçado lidar com aquela loucura da mulherada, mas eu gosto. Me faz bem mexer com a libido do público.

- A Suzana Alves declarou que inicialmente usou a máscara para viver a Tiazinha, no extinto programa H, porque sentia vergonha. Por qual motivo você se tornou um assistente de palco mascarado?

Foi decidido pela produção que eu seria um personagem, um assistente diferente das outras atrações. Acredito que O Mascarado desperta mistério e ao mesmo tempo traz algum fetiche para os telespectadores. Muita gente fala: “É mascarado, será que é bonito?”, pede para eu tirar, mostrar o rosto. O fato de as pessoas não me verem totalmente, instiga a querer saber o que tem por trás da máscara. Até hoje me perguntam quando vou finalmente revelar o mistério.

- Você tirou a máscara para este ensaio. Não acha que pode estragar a surpresa?

Ainda existirá o mistério para quem acompanha apenas pela televisão, mas acredito que não sou um rosto tão desconhecido assim. Anteriormente, fui conhecido como o garoto propaganda de um produto eletrônico [o Total-Shape], já posei nu, então muita gente que me vê na rua já me reconhece. Além disso, as minhas tatuagens me entregam. Muita gente já me adiciona nas redes sociais sabendo quem eu sou.

"Falam que eu sou bonito, gostoso, apareço na televisão e ponto. Mas não é ponto, é vírgula"
Gustavo foi conhecido como o garoto Total-Shape e também estrelou a Gmagazine

- Raul Gil nos bastidores é diferente daquele que vemos na TV?

O Raul é homem muito reservado, simples e brincalhão. Pelo que eu vejo, ele conversa com todo mundo nos corredores, da empregada até o dono da emissora. Virei fã dele depois que comecei a trabalhar ao seu lado. Ele é um monstro sagrado da televisão brasileira. Ele e o Silvio Santos são sucesso, e sempre vão ser.

- Como lida com o assédio? Alguém já cometeu uma loucura?

Estou calejado, tiro de letra quando abusam. Mas acho que a educação deve vir acima de tudo. Existem pessoas que não têm limites, invadem a sua privacidade, não sabem diferenciar um trabalho. Elas querem pegar, cheirar, morder, puxar minha cabeça para dar um beijo. Isso é uma loucura, nossa. Recebo muitas propostas [indecentes], mas a maioria é de homens. Esse contato do público GLS é constante também. Você acaba virando um material de desejo, uma carne.

- Como se sente sendo um pedaço de carne?

Nossa Senhora! Como vou responder isso? Nem sempre é muito bom, não. Embora seja bacana para o ego ser desejado pela aparência, fico chateado quando acham que eu sou só isso, um corpo. Falam que eu sou bonito, gostoso, apareço na televisão e ponto. Mas não é ponto, é vírgula. Já estudei, sou formado em massoterapia, nas horas vagas eu danço, já morei no exterior... Mas isso não parece que vale para as pessoas. É só corpo, barriga, peitoral, braço...

- Com tanta gente elogiando o seu corpo, uma hora o ego deve inflar. Como dosar para não se tornar um fortão convencido?

Acho que a palavra é humildade. Os elogios nunca subiram à cabeça, pois sempre estou dosando aquilo que vale a pena de verdade. Como sou espírita, procuro ler Allan Kardec, Chico Xavier, leituras que me fazem um ser humano melhor. Para os momentos de empolgação, os amigos de verdade e a família estão ali para te dar uma direção.

- Na televisão já surgiram outros assistentes de palco – paquitos, Homem Bambú, Tiozinho - mas comparado às mulheres esse número é bem inferior. Cogita algum motivo?

Acho que está faltando espaço para os homens. Mas culturalmente as mulheres são mais “valorizadas” no quesito beleza, recebem close, ganham mais espaço, estão em maior quantidade. Você pode ver: enquanto uma mulher posa nua para uma revista e ganha milhões, os homens posam e o cachê é bem inferior. Talvez o telespectador masculino esteja mais acostumado a explorar corpos femininos, a própria sexualidade, enquanto as mulheres ainda sintam um pouco inibidas. Mas isso está mudando...


"Faço de tudo: cozinho, lavo, passo e ainda boto para dormir [risos]"

- Quem é o Gustavo Lira sem as máscaras?

Ah, sou um homem simples, calmo, feliz. Faço de tudo: cozinho, lavo, passo e ainda boto para dormir [risos]. E, assim como tenho muitas qualidades, também possuo muitos defeitos. Sou muito ansioso para namorar, para o trabalho, para jogar uma bola, estudar, para ir ao teatro. Também sou tímido. Sei que não parece, mas é algo que eu estou trabalhando até hoje. Sou um bicho do mato.

- Você se considera tímido? Não dá para acreditar...


Quando me arrumo, boto a máscara, surge outro Gustavo. Parece que incorporo um espírito e vai. Às vezes, eu assisto e penso: “Eu não fiz isso, como fiz isso?”. Na paquera, sou tímido também. Penso: “Não vou fazer desse jeito, afinal o que a pessoa pode achar?” Lembro que o meu pai me apresentava para as meninas e eu me escondia atrás dele... Hoje em dia é mais fácil porque elas chegam [risos].

- Como você se vê daqui a 30 anos, quando estiver com 61?

Vejo minha vida estabilizada, com minha casinha na praia ou no campo. Espero que esteja colhendo frutos do sucesso do meu trabalho, não da fama. Afinal, qualquer pessoa pode ter os seus 15 minutos de fama e ela acaba. Quanto ao meu corpo, acredito que estarei em forma. Tenho alimentação regrada, faço exercícios e conheço bem como meu corpo funciona. No fundo, o que a gente leva mesmo é o aprendizado.

- Antes do Programa Raul Gil, você já posou nu e fez filmes eróticos. Para você, existe algum problema em falar sobre isso?
Não vejo problema e também nunca tive que esconder nada sobre minha vida. Não foi algo que menti para ninguém, só não falo em todos os lugares que vou. Mas, já que querem falar sobre o assunto, digo que não me arrependo desses trabalhos voltados ao erotismo. Tudo foi uma experiência. Calculei, pensei e fiz. Foi por dinheiro, claro. Admito que fico um pouco constrangido com algumas cenas, não precisava me expor tanto, não precisava me entregar tanto, mas não me arrependo. Foi uma experiência que tive e ela foi válida.

- Como surgiram os convites?

Ah, não foi logo de cara. Comecei trabalhando como modelo, fiz figuração em novela da Globo, mas nada de boom, de mídia e tal. Quando comecei a fazer merchandising [ele foi conhecido como Garoto Total-Shape, aparelho eletrônico que promete enrijecer os músculos], estive em quatro emissoras diferentes. Por conta do abdômen definido, do assédio, elogios, fui convidado para fazer a G Magazine. E garanto: só descobri que tinha sexy appeal por conta das propagandas.


"Tatuagens ajudam as pessoas a me reconhecerem"

- Aceitou logo de cara posar nu?

Imagina... Rejeitei porque não queria misturar uma coisa na outra. Mas o contrato com o merchandising acabou, a G me chamou de novo, negociamos valores e eu aceitei. Foi a edição da revista do Kleber Bambam [o vencedor do Big Brother Brasil 1], que rendeu muitos exemplares, boatos... Foi uma experiência que eu não tinha passado, porque, para mim, é até tranquilo tirar a roupa, o grande problema é ficar ereto. Luz , todo mundo e tal... Tive que tomar champanhe, me soltar, pensar na menina que segurava o roupão, na minha ex-namorada. Consegui tirar as fotos, mas o resultado não ficou exatamente como eu esperava. Vi fotos que estavam mais bonitas.

- Vivemos em um país moralista e de certa forma hipócrita, já que ele consome muita pornografia. Não pensou que o filme pudesse atrapalhar sua carreira?
Antigamente, eu pensava: “Pagando bem, que mal tem? Já estou no barco, vamos remar...” Mas essa negociação não foi rápida, demorei para aceitar, pensei bastante. O que foi determinante é que eles valorizaram o cachê. Fiz pelo dinheiro, somente pelo dinheiro. Cheguei a fazer 4, 5 filmes héteros, com mulheres bastantes conhecidas do meio pornô. E conheci muita gente bacana, foi um sucesso. E, logo na sequência, eu recebi proposta para fazer filme gay.

- Você, que afirma ser hétero, se assustou com a proposta de um filme gay?

Claro, pensei que já estavam confundindo as coisas. Afinal, eu não tenho nada contra, mas não sou (gay). Muita gente fica falando, mas o que as pessoas têm que entender é que a orientação sexual é minha, eu escolho o que quero fazer ou não. Então, as pessoas deveriam se incomodar mais com o que elas fazem entre quatro paredes, com as atitudes que elas tomam, não com as minhas. Na época da proposta, eu já dançava como gogo boy e fazia o stripper pauzão [quando o homem tira a roupa, sai de cena e volta com o pênis ereto]. Era sucesso: o Gustavo Lira arrasa! E eles vieram com uma proposta muito boa...

- Mas quanto ganha um ator pornô?

Não é coisa de 10, 20 mil, é bem abaixo. Eu aceitei porque, comparando o cachê a esse mercado, a proposta que me ofereceram foi muito boa. Eu deixei claro para eles que, primeiro, eu não sou gay. Segundo, não sei se iria conseguir fazer. Mas eles falaram: “É bacana porque todo mundo sabe que você é hétero, sabe que está sendo profissional e está fazendo por dinheiro”. E é verdade, tudo o que fiz foi pelo dinheiro, não foi porque tenho desejo por homem. Tanto que tive que tomar um remedinho para conseguir fazer a cena, senão não ia rolar.


"Me tornei pai há três anos e, desde então, dei um tempo em tudo isso".
"Tudo o que fiz foi pelo dinheiro"

- Foi difícil gravar a cena?

Foi difícil demais. Mas o dinheiro mexe com a gente. É dinheiro, vou tentar, vai que eu consigo. Fui por etapas... Primeiro, fiz um solo [em que o ator aparece sozinho em cena], depois escolhi um garoto entre 30. Conversamos e tal, e fizemos uma cena de sexo oral. Não foi muito tranquilo, mas me concentrei no dinheiro e saiu. Depois, tive que tomar Viagra para acelerar, terminar a cena logo e ir embora rápido. Fiz uns três filmes voltados ao conteúdo gay para fora do Brasil, mas a internet é aquela coisa, as pessoas compartilham, todo mundo sabe...

- Muita gente veio avisar, tentar “queimar” a sua imagem por conta dessas produções. Isso te incomoda?

Muito. Tem tanta coisa boa para as pessoas irem atrás, não entendo porque perdem tanto tempo sendo tão maldosas. Muita gente tem inveja, mau olhado, desejo... Muita gente pensa: Já que eu não posso ter ele, então vou ter fotos deles, vou mostrar para a galera. Tem gente que fala: “Gustavo Lira? Ah, eu já saí com ele, ele é gay, já fizemos loucuras, ele cobra tanto”, mas são pessoas que eu nunca vi na vida, nem conheço. É tudo mentira. Eu assumo aquilo que fiz, mas acho triste aquilo que sai da imaginação das pessoas. Querendo ou não, não é nada bom saber que querem te prejudicar, querem dizer o que você é... Cada um sabe si, cada um cuida da sua vida. As coisas não são nada fáceis para ninguém e eu sou apenas uma pessoa que corre atrás. Sou o mais velho de casa de quatro irmãos...

- Você parou com os filmes há bastante tempo. Qual foi a razão?

Me tornei pai há três anos. E, desde então, dei um tempo em tudo isso. Meu filho nasceu e fez acontecer a mudança, me trouxe a resposta. Sou uma pessoa mais centrada, estou ainda mais responsável. Se não fosse meu filho, talvez eu estivesse em outro mundo, voltado a pornografia. Quando ele nasceu, eu parei e me questionei: “Será que é isso que eu quero de verdade para minha vida? Vamos pensar e mudar tudo”. Deixei de lado, pois estou em outro estágio. Estou trabalhando mais o lado artístico, tanto que o ensaio que fizemos ficou bem bonito, nada apelativo. Acho que tudo é fase. E digo que meu filho abriu caminhos, meios, mente, corpo e alma.


- Qual seu objetivo profissional? Ser assistente de palco te satisfaz?

Não me satisfaz [risos], mas estou curtindo muito. Gosto do programa e do quadro que auxilio. Mas ainda pretendo fazer teatro, novela, filmes, inclusive fora do Brasil. Vou começar a estudar e alcançar muito mais. Podem esperar!


Bastidores da entrevista: 


Vídeos:




About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

20 comentários:

belle.presley disse...

falar... nunca fui "GAY" é facil, quero ver um hetero (legitimo sem ter seu lado bi aguçado)trepar com um homem por dinheiro...excitar com pessoa do mesmo sexo... ou ter seu lado bi ou por gosta mesmo, eu jamais sairia com mulher por dinheiro...mentir pra si mesmo e sempre a maior mentira (renato russo)

Gestalt-Terapia disse...

foda-se o que ele é, afinal, isso só diz respeito a ele.

Anônimo disse...

^ nervousar.. é gente como vc q paga pau pra esses viadinhos encubados do porno gay metidos a hetero q alimentam mais ainda o preconceito q eles mesmo tem de voce. Hetero preconceituoso já é ruim, agora um gay com preconceito dele mesmo, é de dar nojo

Anônimo disse...

A primeira coisa que eu falei para os produtores é "eu não sou gay". É GAY, SIM, MAS O PROBLEMA NÃO É ESSE. O PROBLEMA É QUE VC É RIDÍCULO! SÓ UM RIDÍCULO FAZ O QUE VC FEZ E FICA SE ËXPLICANDO. O PROBLEMA NÃO SER GAY, O PROBLEMA É QUE VC NÃO É HOMEM!

Miron Fahiel disse...

Ele é um fino Filho de uma Merda nem de uma puta é pois tem puta que se dar valor,o cara chupa rolas e cús de outros homens, depois chega e diz; Não...eu não sou gay não. UHSHUAHSUAHSUSHA

Anônimo disse...

Qual o problema em ser bissexual gente, a mulher poder ser bi que é bonito e excitante, agora homem não pode ser que já é rotulado de gay enrustido, foda-se os rótulos, odeio hipocrisia, ele não é o primeiro nem o último hétero á trepar com um gay, só acho que ele deveria parar de falar que foi uma tortura fazer os filmes gays, não é isso que ele passa nas cenas, pois se ele não gostou realmente, a globo deveria contratá-lo porque ele é um ótimo ator.

Anônimo disse...

Com certeza é hétero. Nunca vi um ator pornô transando com tanto desinteresse com outro homem.

Anônimo disse...

Parem de besteira.
Eu me considero gay, apesar de ter tesão (vulgarmente "subir o pau") por mulheres hahahaha
Esses discursos de "ai, não pode chamar isso de aquilo porque transgride o direito da identidade" já estão enchendo o saco. Vão viver ¬¬

Anônimo disse...

E todos dizem isso "gay for pay" mas hetero de verdade nao se enrosca com outro homem.Rompe esse gesso
Só pq descobriram se nao tava se agarrando com homem ate hoje

Anônimo disse...

um bando de nojento vao queimar no inferno

Anônimo disse...

A orientação sexual dele não muda o gênero dele, heterossexual, bi, ou gay não importa ele continua sendo homem. Afinal porque a sexualidade dele é tão importante pra vc, isso vai mudar seu estrato bancário, a casa aonde vc vive, sua sexualidade, sua educação. Não né?! Então porque ele seria um merda? Merda é vc por ficar julgando os outros por ter a coragem de fazer algo tão condenado por essa "sociedade" escrota que agente vive, esse lugar que tem "pessoas" como vc.

Anônimo disse...

um homem que dá o cu num filme pornô é hetero?. Hetero que é hetero não fica com outro homem.

Anônimo disse...

Aaaf povo vao dormir seus infelizes podres vao queimar no inferno.
Seus merda deixa o cara viver a vida dele. Vcs n tem vida p cuidar n? Eu por exemplo n so gay mas n tenho nd contra.
Vcs jugam a sociedade sem saber vao queimar nos raio qus o parta

Anônimo disse...

um homem que dá o cu pro cara , chupa o cu, come o outro num filme pornô gay é hetero?. Hetero que é hetero não fica com outro homem. vamos assumir gente.. kkkkkkk

Anônimo disse...

Kkkkkkkk ai crlh faço e rir dessa ridicularidade hetero e meu pau, Como outros ja Falaram quem é hetero não vai chupar um cu de um homem faça me favor ne, Se ele tinha nojo porque não foi fazer um video pornô com mulher,

jessika becker disse...

ele gay simmmmmmm conheço de baladas e ja vi ele se beijando com outraos cara e garanto não era nada profissional!

jessika becker disse...

e fala q é por dinheiro sim , pode ate ser mas é tb pq ele gosta... ja vi varias cenas dele em baladas nos aftes de sp, loucão de tudo com outros cara se pegando...

Rui disse...

Ele pelo menos recebeu dinheiro pra transar com outro homem, pior são esses que se dizem gays (homossexuais) e transam com mulheres de graça, igual o outro que comentou acima que diz ficar de pau duro por causa de mulher.Por que é tao difícil pra esse pessoal aceitar que são bissexuais? Desde quando gay fica de pau duro por causa de mulher, e ainda por cima de graça? Ah vao dormir!!!!!!!!!!

Luis Pacheco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis Pacheco disse...

já ouviram falar de bissexualidade ou são de fanáticos que acreditam que ser gay ou hetro são os deuses que dizem toda a verdade para os vossos corações de pedra onde se enclausuram e pensam saber tudo?, mas tenho vos a dizer uma novidade só por vaçes nao serem bissexuais não quer dizer que O Gustavo não é, e para além disso, para quê existirem definições dobre a orientação sexual das pessoas?, são só palavras, não significam nada,, afinal somos livres ou não? Rui por gostares de mulheres ou essika becker ou qualquer dos anónimos acima, por gostar de uma parte do mundo nunca tiveram curiosidade de experimentar a outra? pois perdem muito e esse é o vosso problema nao o meu nem do Gustavo Lira.

Tecnologia do Blogger.