LifeStyle

'MMA não vai prejudicar a minha imagem', diz Bruno do KLB

Por Neto Lucon (CARAS Online)
Embora esteja inserido nas artes marciais há mais de oito anos, o cantor e baixista Bruno Scornavacca (28) – do grupo KLB – pegou a família e os irmãos, Kiko (33) e Leandro (31), de surpresa. Sem comunicar os familiares e amigos, ele resolveu entrar para o MMA profissional e fazer sua estreia em dezembro deste ano.
A primeira luta está marcada para o dia 16 do próximo mês e o adversário do artista será o jovem atleta Diego Ramones (21). Mesmo com a família dividida com a nova empreitada, Bruno está empenhado em sua estreia no “Fair Fight MMA”, em São Paulo. Ele treina três vezes por dia com Diego Lima (mesmo técnico do lutador do UFC Felipe Sertanejo), da Chute Boxe, e afirma que sua intenção é o nocaute.
“Estou com sangue nos olhos. Minha estratégia é nocautear, mas se for levado para o chão vou surpreender e tentar finalizar. Vou partir para cima para nocautear”, prometeu. 
Em entrevista exclusiva à CARAS Online, o cantor-atleta afirma que não vai abandonar a carreira musical e que seu objetivo é incentivar a prática do esporte. Ele também comentou sobre as declarações provocativas de seu adversário, que afirmou que o confronto será do pop contra o rock. “Faz parte do show”.
- Conhecido pela carreira musical, você entrou agora para o MMA. Como sua família e seus irmãos, que trabalham com você, receberam essa notícia?
A minha família não foi a favor e eles só descobriram quando eu já tinha fechado tudo. Quem me apoiou foi o Leandro, com quem eu treino boxe. Ele falou: ‘Está certo, tem mais é que ir para cima, fazer o que gosta’. Mas o mais legal é que estes treinamentos estão mudando totalmente a minha vida. Estou gostando muito.
- Mudou sua vida em qual sentido?
Mudou completamente, principalmente pelo fato de estar acordando cedo. Antes, com os shows, você acaba sempre dormindo tarde, mal. Mas, hoje, eu levo  a vida de um empresário que tem que estar às 8h da manhã no escritório. Totalmente regrada, saudável, na correria. Está sendo muito bom para mim. Para você ter ideia, eu fiquei mais magro, dei uma secada, até nos próprios músculos. Estava com 92kg, fui para 83 e tenho que estar com 77kg no dia.
.

- Quantos treinos está fazendo por dia?
São três treinos por dia, de 1h ou 2h de duração cada um, com a melhor equipe de São Paulo. São amigos pessoais, que dão gás para a minha estreia. Quando não estamos treinando, estamos conversando, falando de luta, falando sobre os treinos, no que posso melhorar. Tudo isso vai aperfeiçoando, vai me deixando mais confiante. Mas é aquela coisa: luta é luta e tudo pode acontecer. Até o dia, quero estar 100% preparado.
- Tem se inspirado em alguém?
Existem várias pessoas que eu gosto e tenho como referência. Procuro olhar e pegar algumas coisas de vários lutadores. Tem o Wanderlei Silva, o Anderson Silva, o Felipe Sertanejo, que treina comigo. Gosto também do Chuck Liddell.
- Por ser um artista conhecido, enfrenta algum preconceito ou resistência dos adversários?
Eu não ligo para essas coisas e não quero nem olhar para isso. Sei que tem gente que fala demais sem conhecer, sem saber da minha história no esporte, na luta... Não vejo e não procuro saber nada , não porque acho que possa mexer com o psicológico, mas porque estou focando no que é mais importante: incentivar o esporte, mostrar como ele é de verdade.
.

- E você tem uma relação bastante próxima com as lutas, né?
Pois é!  Só o MMA treino há 8 anos, tenho cinco anos no judô, fui para a capoeira, kicking boxe, muay thai... Sempre tive vontade e hoje me sinto preparado com esta equipe.
- O seu adversário, Diego, disse que será um embate do pop contra o rock. O que acha dessas declarações?
O que eu acho mais bacana é isso. O esporte dá a oportunidade de ter esse lance: é o show! O que estou gostando bastante é o respeito de ambas as partes. Da minha, por saber que ele tem várias lutas em Itu. E dele, que sabe que eu treino há bastante tempo. Ele está me respeitando nesta minha estreia e eu estou curtindo isso. Se vai ser um embate do pop contra o rock... É legal fazer essas torcidas, chamar o público para assistir, torcer, fazer esse embate. 
- Muitas fãs estão com medo de que você sofra algum ferimento. Já pensou em como uma lesão grave pode atrapalhar a sua carreira musical?
Não penso nisso, quero ganhar de nocaute, mas é claro que a gente está sujeito a se machucar. Se levar algum, ah, acontece! Mas acho que não vai passar de um roxo, um inchaço, nada que vai prejudicar a minha carreira e a imagem. Estou treinando bastante para não levar nada, nenhum.
.
Com os irmãos do KLB
- E existe a possibilidade de você parar de cantar para se dedicar unicamente ao esporte?
De jeito nenhum. O que eu faço é música e é o que eu amo fazer. O MMA está apenas sendo colocado em prática, pois eu sempre fiz. Apesar da paixão pelo esporte, nunca deixaria de lado a minha carreira musical. Fãs, podem ficar sossegadas (risos). 
- E o que podemos esperar de você nesta luta?
Olha, vou entrar para mostrar o que eu aprendi durante esses anos todos. Vou para cima, com sangue nos olhos (risos), sempre respeitando o meu adversário. Mas adianto que não vou dar moleza não, não tem como. Me propus a fazer o show e é o que vou fazer.
Assista abaixo o vídeo com as expectativas de Bruno para a luta: 

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.