Realidade

Abandono e preconceito em asilos obrigam idosos gays a voltarem para o armário


Neto Lucon (revista Junior/13)

“No asilo não tem nenhum gay, querido. É só velho, mesmo”. “Não, não trabalhamos com homossexuais”. “São senhoras muito religiosas, nenhuma lésbica, muito menos bissexual”. “Se tem algum gay aqui, ninguém nunca falou nada”. “Homossexual? Não temos, ok? Tchau”.

Foram mais de 100 ligações telefônicas e doze visitas a 40 asilos, casas de apoio, repouso, albergues e abrigos de São Paulo na busca por um gay idoso, foco desta reportagem. Apenas um abrigo declarou que um gay morava lá. Outro disse que um homossexual morador precisou voltar ao armário por sofrer preconceito de outros moradores.

Muitas atendentes, secretárias e responsáveis por serviços assistenciais, durante o contato, deram a entender que a procura era avaliada com desconforto, trote e até chacota. Como se idosos não pudessem ser gays. Como se gays não ficassem velhos. E como se idosos não sentissem desejo sexual. Puro preconceito.

AO ARMÁRIO AGAIN


Nascemos, nos descobrimos, vivemos e gozamos da juventude. Corpos rígidos, olhos atentos, raciocínio rápido e  hormônios a flor da pele. Com o tempo, os braços e pernas tornam-se flácidos, as rugas se espalham como raízes pelo rosto, as atividades inevitavelmente mudam e a experiência pode ser interpretada como ponto forte. Não adianta nem tentar escapar: todo mundo fica velho.

A nova geração é de fato mais assumida e com consciência de seus direitos, graças ao relaxamento das tensões e respeito das diferenças sexuais, conquistado ao longo dos anos. Mas por onde andam os homossexuais que se assumiram há 40, 50, 60 anos?

Uma reportagem do “New York Times”, escrita por Janet Gross e Dan Frosch, revela que, para alguns deles, o tão perturbador armário volta a ser um dilema na terceira idade. Dentro de asilos, eles são obrigados a esconder a orientação sexual por medo da homofobia de seus companheiros de quarto, sala e fisioterapia.

A experiência de Glória Donadello, 81 anos, que participava do centro de vida assistida em Santa Fé, Novo México, diz por si o panorama dos idosos gays. Durante uma reunião, ela se incomodou com comentários homofóbicos e pediu para seus amigos pararem. “Por favor, não façam isso, porque sou gay”, disse. Depois da indagação, cheia de sinceridade,  “todos olharam horrorizados”, relembra ela.

Desde então, Glória não foi mais bem-vinda nas conversas, refeições e caiu em depressão. Por sorte, conseguiu sobreviver quando se mudou para uma comunidade próxima, que atendia especialmente gays e lésbicas. “Foi uma questão de vida ou morte”, dispara.

Outro caso mais trágico, também abordado na reportagem, aconteceu com um senhor gay de 79 anos, que freqüentava o asilo da Costa Leste estadunidense. Ele foi transferido de seu andar por conta de protestos de moradores que não aceitavam sua orientação sexual. Bastante triste com a reação, o senhor não resistiu a pressão e se enforcou.

No Brasil, a situação não é diferente. Pior: por aqui não existe nenhum asilo voltado para LGBTs. A coordenadora do Albergue Esperança, Alice Aparecida de Alencar, reconhece o problema: “Idosos homossexuais sofrem muito preconceito de outros idosos. É por isso que não se assumem. Quando revelam, surgem vários problemas”.

Um deles aconteceu com Claudio, homossexual de 66 anos, que não admitia que fizessem piadas sobre sua sexualidade.



Reportagem ganhou 4 páginas na revista Junior/13
Quando fazia, ele pulava, agarrava o órgão sexual de outro morador e não soltava mais. Chegava a tirar sangue”, conta ela. Problemas relacionados ao banheiro também eram constantes. “Quando os héteros tomavam banho, ninguém admitia que ele entrasse no banheiro. Ele ficava bastante nervoso e era aquela confusão”, salienta.

Atualmente , Claudio não integra mais o albergue. Os motivos são óbvios.

AVERSÃO DE QUEM CUIDA

Ao contrário de Berlim, Argentina, Lisboa e Boston, não existem  serviços voltados a idosos gays no Brasil. O estilista Ronaldo Ésper, que tem 65 anos, contou que planeja criar a primeira “casa aberta” para atender esse público. “Não dá para o homossexual ficar em asilo. Além dele se sentir deslocado, sentir vergonha de falar que é gay, ele pode movimentar muito o lugar”, defende.

E, diante do crítico quadro, gays idosos assumidos são quase nulos em asilos e serviços assistenciais. “É tão difícil quanto encontrar orientais que necessitem desses cuidados”, compara Nanci Paulino Bernardo, gestora do “Pró + Vida”, instituto que atende senhores de risco e exclusão. “Confesso que nunca ouvi falar de um gay que estivesse por aqui. Talvez eles vivam no armário pelo medo de serem tratados com preconceito”, diz.

A educadora social Amanda de Oliveira Posanello afirma que é mais comum idosos revelarem  tranquilamente a orientação sexual quando conquistam sua aposentadoria e levam uma vida independente. “É que, daí, eles não têm mais nada a perder, nem a quem dar explicações. Vivem plenamente uma vida assumida. Mas quando necessitam de abrigos, eles sentem medo do preconceito até dos funcionários”.

Amanda diz que o receio dos gays tem fundamento, uma vez que já conheceu enfermeiros que não gostavam de atender homossexuais idosos. “Muita gente ainda não está preparada. Já cheguei a trabalhar em um lugar em que enfermeiros e outros profissionais não aceitavam homossexuais, onde o próprio funcionário alegava que não sabia lidar. Então, preferiam evitar o contato”, frisa.

A CHACOTA QUE INTIMIDA

Seu Antonio, 65 anos, integra uma instituição que ampara pessoas sujeitas à vulnerabilidade social. Magro, pequeno, tímido e de cabelos brancos, ele não gosta de falar que é gay, muito menos publicamente. Quando foi abordado por mim, ele desconversou e se retirou. Tanto que um dia após ter sido convidado para participar desta reportagem, ao contrário de sua rotina, ele saiu do abrigo bem cedo, mesmo com dificuldades para caminhar, com a finalidade de evitar novas declarações..
.
Funcionários dizem que no início do atendimento Seu Antônio não era tão fechado assim. Ao contrário, era considerado alegre e até flertava outros homens tranquilamente. Foi depois de ouvir constantes piadinhas e ser alvo de comentários homofóbicos de outros morados que ele começou a se entristecer.

“Hoje ele vive silencioso e prefere a companhia apenas dos funcionários. São raras as vezes em que ele é visto conversando com outros moradores, a não ser para serviços. Devido à habilidade de lavar e passar roupas, ele consegue ter uma renda”, diz um funcionário. 

Pela manhã, Antônio lava e passa as peças. Pela tarde, consegue fazer outro bico em uma casa de família. “Todo mundo gosta do trabalho dele, que é uma tarefa feminina, né? Mas ninguém faz mais piadas. Todos sabem de sua sexualidade, mas ela não é mais motivo de gozação”, diz a educadora social Amanda. 

Mesmo assim, quando é flagrado olhando para outros homens, seu semblante é bastante diferente: abaixa a cabeça e se envergonha. Seu passado, possíveis namoros e casamentos ainda são uma incógnita para todos. Estão muito bem guardados. Talvez leve consigo para sempre.

MEU NOME É XUXA

O estereotipo da solidão, armário e tristeza, porém, não é uma regra. Ernani Pereira Candido ou, como ele prefere ser chamado, Xuxa, é um senhor gay extremamente assumido, aceito e feliz. 

Segundo ele, a convivência com funcionários e moradores do Albergue Boracea e da Casa Geração, ao lado do Parque da Luz, em São Paulo, é de muita conversa, cumplicidade e brincadeiras.

Em uma tarde de quinta-feira, Xuxa me aguardava com seus encantadores olhos azuis esverdeados. Ao lado de dois amigos, ele participava da comemoração de aniversário de um garotinho de 10 anos. O clima era de descontração e brincadeiras: “Não adianta vir com entrevista. Aqui não tem homossexual”, soltou um morador. Até que Xuxa retrucou: “Não sou homossexual, mesmo, meu amor. Sou hermafrodita”, arrancando gargalhada de todos. 

A boa convivência com o grupo predominantemente heterossexual é explicada pela espontaneidade e jogo de cintura de Xuxa. “Sou muito carismático, brincalhão e procuro conversar com todo mundo - de igual para igual, sem crise. Por isso nunca tive problemas”, diz. 

Comendo bolo de chocolate e guaraná, ele afirma nunca ter sofrido preconceito no abrigo e nem na casa de apoio. “Aqui todo mundo é igual. Todos, inclusive os fundadores e funcionários, sentam no mesmo espaço, conversam, interagem, sem fazer distinção. Nunca sofri preconceito de ninguém. E, se sofri, nunca percebi nada”, defendeu.
.
Ele explica sua rotina: “Temos o momento de oração às 8h. Depois, participo das oficinas que vai até às 16h30. Todos os dias”. Enquanto ele explica suas atividades, me puxa pelo braço e me apresenta um quadro que pintou. “É um cometa, cheio de raios de luz. Tem uma estrela na ponta, olha. E tem o rabo bem luminoso aqui”, descreve orgulhoso pela obra estar exposta no espaço. .

Xuxa começa a arrumar seus materiais e diz que não se sente velho, muito menos acha que já viveu tudo na vida. “Desfruto cada segundo do meu dia, pois a cada momento algo novo surge. Para mim, cada dia é uma vida diferente. Hoje estou aqui com você. Amanhã você vai estar com outra pessoa e, depois, não sabemos. É por isso que devemos viver com intensidade, aproveitar ao máximo o outro, como se fosse o último momento”.

.
Vindo de uma família circense, Ernani diz que foi criado por outra família, após a separação dos pais biológicos, aos 4 anos. E diz que sempre teve medo de assumir a homossexualidade: “Os tempos eram outros e eu amava muito a minha mãe de criação. Tinha medo de que ela se machucasse por saber de mim. Até que um dia ela chegou e perguntou. Eu me assumi e, para minha surpresa, ela disse que me amaria ainda mais, pois eu precisaria desse amor. Neste dia saiu um peso das minhas costas”, confessa.
.
Em um período difícil, Xuxa perdeu o pouco que tinha e, sem os pais e emprego fixo, se viu obrigado ir para as ruas. “Já passei por muita coisa no passado, experiências que você nem imagina. Já pedi dinheiro, já comi alimento do lixo, já dormi na rua. O mais difícil deles? Ah, é enfrentar as primeiras fomes, a primeira vez que precisei pedir dinheiro. A primeira vez sempre marca, né, depois você se acostuma”. 
.
Hoje, necessitando de serviços assistenciais, ele não reclama da vida que leva: “Um prato de arroz é um banquete, para mim. Quem passou fome sabe disso: nem precisa de mistura”, frisa ele, que já se casou com um homem do albergue. “Conheci um rapaz de olhos negros lindos. Ele vinha sempre bater na minha perna durante a noite”, conta. “Namoramos, nos casamos e ele foi a grande paixão da minha vida”, lembra com os olhos marejados. Ele evita falar sobre o término.
.
Enquanto volta ao abrigo Boracea, na Barra Funda, o senhor diz que nunca pensou em voltar para o armário, como outros idosos homossexuais, os quais me referi no início da reportagem: “Esconder de novo? Para quê? Não tenho vergonha de nada, nada. Temos que ser o que somos, independente da idade e do lugar. Minha vida sexual é muito ativa, te garanto, e tenho muito orgulho da minha história. Jamais mudaria meu jeito por alguém”, defendeu. 
.
"Mas não quero mais relembrar o passado. A vida passa, os ponteiros não param e eu ainda tenho muito o que viver, a cada dia, entendeu?”.

Entendi. // Que todos tenham um pouquinho da consciência e do jogo de cintura de Xuxa, mas que principalmente tenham o direito de envelhecer e gozar de sua sexualidade com liberdade, dignidade e respeito.  

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

13 comentários:

O VIADO E A TRANSGRESSÃO POÉTICA disse...

Tanta dor e tristeza, mas eu já sabia disso tudo... só fiquei ainda mais triste ao perceber que nada mudou de 2004 para cá, quando iniciei essa luta, também... E a minha briga sempre foi pelo direito à libido, por notarmos que corpos envelhecidos também são belos e não são, jamais, como nenhum corpo, algo abjeto. Isso me gera muita dor... eu ainda tenho muita força de luta e ainda bem que tenho recursos intelectuais. Mas e outros e outras, tão sós e que foram boicotados em seus discernimentos??? Odeio a imagem do velho como um anjinho, de cabelos brancos e sentado numa cadeira de balanço... bem como de idosas fazendo crochê, surrupiadas socialmente do direito ao desejo e à libido, que,, felizmente, dura até o fim das nossas vidas.... esse retrato é um retrato de terror, será que não percebem que temos que mudar isso já????? somos 200 milhões de habitantes, no Brasil... então, só de LGBT's, 20 milhões, consenso mundial nos 10%... É tamanho o paradoxo que, se a medicina evoluiu e se hoje vivemos muito mais e se isso também são conquistas provocadas por lutas, como se pode negar a sexualidade dos idos@s??? Como??? miséria humana, sexual, miséria amorosa, é isso que nos resta?
Tragicamente real,
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

K.I.M.B.E.R.L.Y disse...

Prefiro viver o hoje sem pensar de mim no amanha ...

cindy nilseen disse...

gente não acho que as pessoas gays ou não sejam só seres do sexo .,eu fiz programas por 12 anos e tinha vários orgasmos todos os dias .,sexualmente falando foi uma época muito feliz ., mas hoje tenho outras idéias e valores .,não acho que o sexo seja a coisa mais importante da minha vida. até por que sexo por sexo uma masturbação resolve ., acho que nossos conflitos estão relacionados a aceitação social .mas cada um deve procurar enfrentar com coragem a realidade imposta a nossa condição "gay".

BEAR BLOGMAGAZINE disse...

Muito bom o contexto da reportagem, vi que não mudou em nada o respeito quem passou da terceira idade. Preconceito ainda é forte, quando mais velho é algo que não podemos aceitar, pois são pessoas que precisam de atenção. Todo mundo que paga seus impostos merece ser feliz nos seus últimos anos. Triste sabe que não é aceito pelas pessoas que estão na mesma condições de estar lá.
Adorei e merece parabéns, Neto! Sempre batalho para que a sociedade LGBT tenha respeito em todos os lugares! Estou esperando a segunda parte....beijos!

Alexandre Montenegro disse...

Olá Neto. Parabéns por levantar essa questão, pelo ótimo texto, e pela repercussão que ele está tendo na rede. Fiquei curioso em ler também a reportagem do New York Times. Daria pra vc indicar o link? Abraço

Diogo Filippo disse...

Acho que se contextualizar que os idosos de hoje são aqueles que viveram nas décadas de 50, 40, ou até antes, isso é meio que esperado. A pessoas mais fovens tem certa liberdade a respeito da expressão da sua orientação sexual devido a luta dessa minoria que começou a algumas décadas. E mesmo assim essa liberdade é claramente restrita se vc for analisar os fatos e a sociedade. Agora se formos pensar na comunidade da década de 50 pra antes, onde a sociedade era conservadora ao extremo e a homossexualidade ainda era considerada uma patologia (Só deixou de ser oficialmente desconsiderada como uma patologia em 1973, no entanto várias pessoas ainda insistem em vê-la como algum tipo de anomalia), fica claro porque tal preconceito em asilos é tão vasto. Infelizmente, devo dizer...

Cesar disse...

Fantástico como sempre!!! Isso é mto vívido!!! vida, luz e seguir!!! Mto bom!!!

Anônimo disse...

muito bom, sr neto lucon

Anônimo disse...

Olá querida Cindy,
Conheçi vc. pessoalmente, e guardo com o maior carinho a tua lembrança sempre comigo...gostaria de reencontrá-la...beijo carinhoso pra ti!!!
Ricardoashler@yahoo.com.br

ernani sebatian disse...

eu ernani vulgo xuxa gostei muito da reportagem sobre mim na edição 13 em 2009,mais gostaria de receber um exemplar da revista pra ver toda reportagem nas 4 paginas da revista.

Anônimo disse...

Acho que o mais inportante nâo foi dito na reportagem, o preconceito pior está entre os propios gays....se vc tem mais de 25 anos ja é velho...se vc nâo tem corpo sarado é escluido..e por ai vai.

wanderley barbosa disse...

Achei a matéria extremamente importante. Muitos homossexuais pensam que sempre serão jovens, e poucos refletem sobre a sua própria velhice. Em verdade o ocidente, e atualmente também o oriente ocidentalizado, ou em processo de ocidentalização, não sabe como lidar com a velhice que com o avanço da medicina está cada vez mais presente no nosso dia a dia. Em tratando-se de homossexualidade essa realidade natural é ainda mais problemática pois nenhum movimento GLBT existe em prol dos nossos homossexuais idosos, que teen muito a nos contar. Mas sou otimista, com o tempo surgirá essa consciência.

Dj ale disse...

Me leva junto gata

Tecnologia do Blogger.