Pride

24 personalidades respondem: Por que tenho orgulho de ser LGBT?


No dia 28 de junho de 1969, gays e lésbicas, sobretudo travestis, se concentravam no Stonewall Inn, o maior bar gay de Nova York. Enquanto muitos ainda lamentavam a morte de Judy Garland, ícone gay desde O Mágico de Oz, os policiais – que reprimiam qualquer manifestação LGBT – se preparavam para fazer as tradicionais autuações repressoras.

Porém, para a surpresa de todos, naquela noite os clientes resistiram às prisões e promoveram a Rebelião de Stonewall por dois dias.

A data de ação da comunidade gay contra o preconceito infudado tornou-se o Dia Mundial do Orgulho LGBT, que visa combater aos preconceitos, desigualdades e ressaltar o amor entre iguais. O “orgulho” vem como antônimo da “vergonha”, palavra comumente utilizada para rechaçar e humilhar homossexuais, lésbicas, travestis e transexuais.

Para celebrar a data, o Nlucon foi atrás de 24 personalidades para responder a pergunta: Por que você sente orgulho de ser LGBT?


Andy Wallace Nassar, coordenador de eventos

“Primeiramente, tenho orgulho de ser um GLBT corajoso. Porque no Brasil temos que ser corajosos para ser qualquer coisa que fuja dos ‘padrões’. Tenho orgulho de levantar minha bandeira sem agredir a ninguém. Tenho orgulho de ter conquistado tudo a base de respeito e dignidade. Tenho mais orgulho ainda de lutar junto com meus semelhantes por nossos direitos. E acho que ainda vou me orgulhar muito mais no futuro”.

Isabelita dos Patins, drag queen

“Tenho orgulho de ser o que sou: um ser humano que veio à Terra para fazer o bem. Pois o que a gente faz por nós morre conosco, mas o que a gente faz pelos outros fica para a eternidade. Hoje, é um dia muito especial para mim, pois Erick Barreto, minha eterna Carmem Miranda, estaria completando 50 anos, se estivesse vivo. Viva a diversidade e o amor entre as pessoas. Sucesso sempre e aquele abraço com todo o carinho e ternura”.

José Fernando Martins de Oliveira, jornalista

“Temos que nos orgulhar do que somos, não importa se negro, branco, japonês, anão, índio. O verbo SER é muito mais amplo do que todos imaginam. Ser é viver, transformar, amar, chorar, enfim, uma reunião de sentimentos e ações. Ser LGBT é lutar por todos ao mesmo tempo. Como não se orgulhar disso?”
Carlos Correira Santos, dramaturgo

“Tenho orgulho de ser. Sou um ser, um homem, um ser humano. Com minhas pluralidades e especificidades de sentir. O modo que amo é um detalhe em meio ao universo todo de coisas que sou. E tenho imenso orgulho disso. Nada me tira a alegria e a força de ser um indivíduo senhor de deveres e direitos. Nada. Nem mesmo o tolo preconceito de que não compreende o meu orgulho de ser o que sou”.


Marcinha Máxima, transformista e assessora

“Tenho orgulho de ser LGBT, principalmente por ser honesta comigo mesma, em me assumir perante a sociedade e viver a minha condição sem hipocrisia, sem ter vergonha da minha essência. Tenho orgulho de respeitar e ser respeitada”.

Adriana Suzuki, gogotrans

“Assim como os negros e as mulheres tiveram muitas conquistas, é a nossa vez de sermos reconhecidos legalmente pela sociedade. Não queremos nada além de igualdade. Por incrível que pareça, para muitos ainda somos aberrações, muitos ainda sentem-se ofendidos com a nossa felicidade. Por que um beijo incomoda tanto, sendo que cresci vendo héteros se beijarem em minha frente? Hoje, é só mais um dia para lembrar que devemos lutar para termos os mesmos direitos, o direito de amar, o direito de sermos felizes, o direito da vida!”

Ricardo Nóbrega, jornalista

“Não tenho orgulho ou vergonha. Na verdade, ser gay, bi ou o rótulo que for não me faz ser melhor que outras pessoas, sejam elas héteros ou não. Mas, fazendo uma autoanálise, acho que a condição me tornou uma pessoa mais politizada e com rápido amadurecimento”.

Isabelle Abrego, estudante

“Tenho orgulho por fazer parte do T, esta sigla tão importante da comunidade LGBT.  Tenho orgulho por estar buscando a minha felicidade interna e enfrentar todos os preconceitos diariamente de cabeça erguida. Não é fácil ser trans e as pessoas não entendem isso. Quando se está no padrão é fácil dizer que os problemas são pequenos, que não precisamos enfrentá-los. Mas quando se é LGBT o julgamento vem a todo momento, com ataques e piadinhas constantes”.


Mariana Mancini, enfermeira

“Tenho orgulho por entender que posso me expressar da forma que sou, de amar como as outras pessoas e de não me importar com nada além dessa condição. É uma condição que nasceu comigo e que me faz muito feliz”.

Karen Lemos, jornalista

“Na verdade, tenho orgulho de ser quem eu sou, de me assumir como sou e não precisar esconder nada. Sei o quanto é difícil a autoaceitação. Todo lgbt passou ou passará por isso mas, acreditem, depois de vencida essa barreira, tudo fica mais fácil e você passa a ter muito orgulho de si próprio. Com o tempo, mesmo com a falta de sabedoria de algumas pessoas da sociedade, você aprende que amar não é errado, pelo contrário, amar é um dos sentimentos mais nobres que o ser humano pode ter. Poder celebrar o nosso direito de amar não é nenhuma vergonha, é sim um orgulho, portanto, comemorem, saiam às ruas e não se escondam. Somos perfeitos do nosso jeito. Estamos amando, vivendo, sendo humanos...seja do jeito que for”.

Melany Marinho, cantora sertaneja

“Dizem que ter orgulho é uma sentimento ruim e pouco nobre, mas neste caso é uma sensação boa e positiva. Afinal, ter orgulho LGBT é sentir-se bem consigo mesmo e eu me sinto bem por ser uma transexual. Sou uma trans que acredita que pode fazer algo pelo mundo, que vive um sonho bonito sem pisar em cima de ninguém, que crê em um Brasil mais respeitável e digno. Tenho orgulho de saber que o amor e a liberdade são exemplos da diferença e eu sou uma delas”.

Marcelo Gomes de Andrade, editor da Bear Mais Magazine

“Me revelei gay só aos 36 anos, pois na minha juventude tinha receio do preconceito e realmente os anos 80 foi um período difícil. Hoje, ainda não conseguimos todos os direitos, mas fico feliz de ver que os jovens se mostram mais, vão às ruas contra políticos que pensam em voltar ao passado com determinados projetos de leis. Hoje, depois de anos, estou muito mais feliz por revelar quem sou e por batalhar pela comunidade ursina. Tenho orgulho de mostrar aos jovens gordinhos que temos que ter orgulho de nós mesmo, afinal a vida fica mais bela quando assumimos o que somos”.

Kaká Di Polly, drag queen

“Tenho orgulho em poder viver a minha sexualidade de maneira plena, sem nenhuma vergonha de ser gay. Tenho orgulho de dizer que nasci gay e que vou morrer gay. E, para quem não tem essa coragem de se assumir, digo: Orgulhe-se e saia do armário. Não tem nada mais maravilhoso do que viver sendo você mesmo. Enfrente os preconceitos com determinação e honra. Adoro ser gay! Boa vida a todos e todas”.

Eric Santos, funcionário público

“A questão não é orgulho de ser gay, mas de não se considerar diferente dos demais. Ser gay é algo tão natural para mim como respeitar. Sinto orgulho por ter uma mente aberta para me encarar com naturalidade, afinal as pessoas também passam a me encarar assim”

Maurizio Cardinale, estudante de psicologia

“Assumi para o mundo que sou gay com apenas 10 anos. Sofri preconceito de todas as partes. Na escola, todos riam de mim, faziam piadas, isso quando não apelavam para a violência. Meus pais não me aceitavam e me levavam a psicólogos porque achavam que iam me converter. Desenvolvi depressão profunda, vivi uma tormenta. Demoraram mais de 10 anos para que eu ganhasse meu espaço no mundo. Hoje, sou aceito pelos meus pais, pela sociedade, pelos amigos. Lutar pela causa LGBT virou parte essencial na minha vida. Talvez, se eu tivesse sido heterossexual, não desse valor à minha sexualidade como dou. Tenho muito orgulho de ser quem sou porque tive que lutar para chegar onde estou. Não imagino como dever ser a vida dentro do armário, pois nunca estive nele. Só sei que é muito bom levantar o peito e dizer: Eu sou”.

Henrique Benvenutti – cantor

“Antes de ser orgulhoso por ser LGBT, tenho orgulho de ser quem eu sou. Tenho orgulho das minhas raízes, da educação que recebi, do meu emprego, da minha arte. Ser LGBT só é parte daquilo que sou e faz parte da minha essência. Como todos dever ter orgulho do que são, os gays também devem ser felizes e se orgulhar”.

Marcelo Gil – consultor de políticas públicas e ações afirmativas LGBT

“Tenho orgulho de ser brasileiro, orgulho de ser gay, lésbica, bissexual, travesti, transexual, tenho orgulho de dizer que a maior doença neste país é a homofobia. Tenho orgulho de ser LGBT porque todos vivemos a mesma situação no enfrentamento da homofobia. Hoje, digo com orgulho que sou LGBT porque acordo dia a dia, sol a sol, como ativista e militante. Isso vai além da causa, vai além da vida, vai além da justiça. Afinal, como nossa divina Gloria Gaynor cantou para nós “I Will Survive”, nós sobreviveremos seja o Governo que tiver, que vier, seja o que for...”

Josi Geller, produtora executiva

"Porque sou livre para viver da maneira que quiser, para me vestir como quiser, para pensar e agir sem me preocupar com as regras que a sociedade héteronormativa impõe. Posso amar como quiser e quem eu quiser!"
Deejay Miller

“A questão é que sou feliz assim e ninguém paga as minhas contas por ser LGBT. Ser gay não é crime, não é doença, não faz mal. Ao contrário, estou até fazendo bem ao próximo. Existe preconceito em todo Brasil e até entre nós mesmos, mas quando você faz bem ao próximo é motivo de orgulho. Sou DJ e gosto de ver a energia do público LGBT em seu espaço, em seu momento, em seu mundo. Quem dera este espaço e este mundo fosse lá fora também. Mas isso está mudando e vai mudar".

Giuliana Zambotto Furlan – empresária

“Tenho orgulho de pertencer a um grupo de pessoas que não se renderam ao conformismo, às migalhas de aceitação de uma sociedade engessada por ideias infundadas, tendo coragem de serem simplesmente o que são. Tenho orgulho por ter a resiliência dos heróis, afinal somos mais que uma minoria, somos iguais”.

Valter Fragoso, assessor de imprensa

“Temos orgulho de quase tudo: de ser LGBT, de ter uma família que nos apoie, de poder ser o que somos onde bem entendermos... Estou receoso apenas de não sentir mais orgulho de ser LGBT no Brasil, um país que está regredindo em suas conquistas. Tudo bem que já podemos nos casar em alguns estados e municípios, mas não podemos casar no Brasil inteiro. Às vezes nem dá para andar na rua com tranquilidade. Quem sabe ano que vem eu volte aqui para dizer de peito aberto que tenho, não só orgulho de ser LGBT, como tenho muito orgulho de morar em um país livre de preconceito”.

Ronaldo Ruiz – jornalista da agencia LGBT

“Ser LGBT é um orgulho para mim, pois quando você assume ser o que é, a vida acontece com mais naturalidade. Não precisamos nos esconder entre máscaras para mostrar o que não somos. Cada ser humano é único e deve ser como é. A imposição de uma sociedade desqualificada em querer castrar o ser humano é um câncer que tem que ser exterminado. Tenho orgulho de ser LGBT, pois tenho amor em minha vida”.

Vinícius Lima – agente de viagens

“Já senti medo, vergonha e até raiva, mas descobri que era da raça humana e não por ser gay. Afinal, estamos vivendo um tempo em que precisamos aprender o que é amor e respeito. Aprendi que tudo o que gosto, como vivo e com quem me relaciono é o que eu realmente sou. Tenho um bom emprego, grandes amigos, um grande namorado, pessoas queridas ao meu redor que não se importam com a minha orientação sexual e, sim, com os meus valores e caráter. Além do mais, DJs, estilistas, pensadores e grandes políticos são/foram gays. Respeite, pois não vou mudar, tenho orgulho de ser quem sou”


Ricardo Rocha Aguieiras, militante

Eu tenho um imenso orgulho de ser LGBT. Ser gay, me abriu inúmeras portas para a vida, o viver e o entendimento, arrisco a dizer que , se eu não fosse gay, eu seria um hétero conformista e preconceituoso pela educação que tive. Além de ter aprendido que minha forma de amar está acima de todas as outras coisas, aprendi a ter empatia pelo meu próximo, pelos que sofrem e aprendi também a dividir alegrias e conhecimento. Não consigo conceber a vida sem lutas, e através delas conheci pessoas que muito me honram. É a mais pura alegria ser LGBT! Dói demais os preconceitos, mas vencê-los traz felicidades imensas."

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

1 comentários:

DIÁRIO DE BORDO disse...

Quem sao e de onde vieram essas personalidades?

Tecnologia do Blogger.