Pop & Art

Marcus Baby exibe LGBTs que transformou em Barbies e diz: 'Retrato quem consegue sair do gueto'

Baby anuncia que próximas bonecas seráo de Miley Cyrus, Dercy Gonçalves e Dita Von Teese

Toda vez que ler uma notícia na mídia brasileira em que uma celebridade foi transformada em boneca, pode ter certeza que se trata de mais um trabalho toy art de sucesso do artista plástico  Marcus Baby, 43. Nascido em Natal, Rio Grande do Norte, o artista tornou-se referência no assunto e, apesar de receber inúmeras encomendas e pedidos – inclusive das celebridades – ele não vende nenhum exemplar. Faz apenas por amor, hobby e, claro, muito talento e sensibilidade.

Mas vale a pena insistir e dar o lance! 

Dentre as 182 bonecas - a maioria elogiada pelo próprio homenageado - Marcus também deu visibilidade para vários boys magias, divas e para as figuras LGBT que , como ele diz, conseguiram “sair do gueto”. Vai dos cantores Freddie Mercury, Boy George, Ana Carolina, passa pela drag Dimmy Kieer até o ex-ator pornô Colton Ford. Recentemente, ele se tornou notícia ao publicar a imagem do boneco de Renato Russo, segurando uma placa contra o presidente da Comissão de Direitos Humanos, Marcos Feliciano.

Gay assumido, ousado e fã incondicional de Baby do Brasil [daí o seu sobrenome artístico], ele conversa com exclusividade com o  NLucon, mostra um ensaio fotográfico de vestidinho [de Dayse Barreto, olha lá em cima], revela detalhes da profissão, contato com os artistas e anuncia que em 2014 trará para a sua coleção a primeira boneca destinada a uma mulher transexual da vida real. Quem será? Confira abaixo: 

NLUCON- Como se deu o fascínio pelas bonecas em uma sociedade em que o brinquedo é visto como “coisa de menina”?

Sempre tive um amor platônico por bonecas e bonecos, mas não era exatamente a vontade de brincar. Era de colecionar. Quando criança, eu tinha vários bonequinhos de personagens de TV, menos a da Emília do "Sítio do Pica-Pau Amarelo", que eu tanto queria, justamente por causa desse lance de "brinquedo de menina". Meus pais nunca me impediram, mas também não estimulavam a ideia. Mesmo assim, no final da década de 70, cheguei a ganhar do meu pai um boneco "Falcon" e ele era meu amigo inseparável. Trocava roupinha, ia para a escola comigo...
Ou seja: eu não podia brincar de boneca, mas brincar com bonecos podia [risos]. Era outra geração, não dá para questionar hoje.

NL- Recorda da primeira boneca que você customizou? E qual delas deu o pontapé inicial para te fazer conhecido?

Quando comecei pensava apenas em fazer a Baby do Brasil e o Pepeu para enfeitar a minha estante e mais nada. Só que durante o processo de execução dessa primeira boneca - dos anos 80, meio punk - aconteceu de eu ir gostando da coisa e continuei criando. O sucesso foi gradativo, aqui acolá os sites e revistas de celebridades foram me descobrindo aos poucos por causa do meu blog. Começaram a dar destaque aos bonecos da Wanessa Camargo, Jesus Luz, Hebe... Aí explodi nacionalmente com a boneca cadeirante inspirada na personagem "Luciana" da Alinne Moraes da novela "Viver A Vida". Projeção internacional foi com a boneca da Presidenta Dilma Rousseff [foto], que ganhou até o apelido gringo de "Barbie Dilma". Foi notícia no mundo inteiro!

Brad Pitt na capa da Rolling Stone, Valéria, Katylene, Gaby Amarantos e Dimmy Kieer

NL- Como é o seu processo de criação?

Para trabalhar tranquilo e no conforto, montei meu ateliê em dois ambientes do meu apartamento. É onde  passo a maior parte do meu tempo quando estou inspirado. Inicialmente, só criava bonecos dos meus ídolos de adolescente, mas hoje ampliei minha coleção para figuras do universo pop e celebridades da moda. 

Mas tem que haver uma química para eu customizar uma réplica em homenagem, sabe? Eu preciso curtir o famoso, dele ter um visual legal, mexer comigo... Senão não rola mesmo!!! Depois, faço uma pesquisa visual para compor o personagem e vou catar em meu estoque o boneco mais apropriado para a customização. 

NL - Ser gay trouxe a preocupação de homenagear algumas personalidades da comunidade LGBT?

Acredito que devido a esse motivo minha visão é mais ampliada dentro desse nicho. Costumo retratar figuras do universo LGBT quando eles saem do limbo, ultrapassam a linha do rótulo e tomam proporções mais amplas, fora do gueto, do círculo fechado, sabe? 

Os que criei em bonecos foram exatamente os que atravessaram essa fronteira, tipo o Dicesar, Colton Ford, Boy George, Serginho, Freddie Mercury, George Michael ou simpatizantes como Madonna, Cyndi Lauper e Lady Gaga. A minha meta é não cair no óbvio com a minha arte e todas essas figuras fazem parte dos "requisitos" que institui do não-preconceito que pode ser a condição sexual, raça, religião, diferenças em geral.

Serginho Orgastic, Boy George, Freddie Mercury, Colton Ford e Ana Carolina

NL- Já fez alguma drag queen ou trans? Que tal a Lea T?

Fiz a Dimmy Kieer e a Katylene, personagem virtual do Daniel Correa. Gosto também de fazer homens masculinos vestidos de mulher e, por isso, criei uma versão do Brad Pitt estilo a capa de uma edição da Rolling Stone gringa, em que ele usa um vestidinho de lantejoulas! A Gaby Amarantos é quase uma drag, né? [risos]. Penso em fazer o Alexandre Frota vestido de noiva igual a um ensaio dele para a G Magazine. Já a boneca da Lea T rolará em 2014, está na pauta.

NL- Pensa em usar o seu trabalho como uma ferramenta para a quebra de preconceitos? Lembro que você fez o Renato Russo seguindo uma placa #Fora Feliciano...

Também. A minha maior meta como artista plástico é não ter correntes, é não ter vínculos, é surpreender. O lance do boneco do Renato Russo segurando a placa foi até ao acaso: estávamos fotografando o boneco para lançar, e na televisão bombava as manifestações pelo Brasil, o povo na rua protestando, uma loucura! 

Aí apareceu a jornalista falando desse caso do Marcos Feliciano e toda a equipe ficou travada na frente da TV... Foi quando peguei umas canetinhas hidrocor, fiz a plaquinha e coloquei nas mãos do boneco do Renato Russo. Continuamos a fotografar e em seguida liberei a imagem no Instagram. A galera curtiu e eu senti ter cumprido minha missão como figura pública naquele momento. Considero isso como responsabilidade social, todos nós temos obrigação de ter.

NL - Os seus namorados gostam das bonecas que você faz ou há quem implique com você?

[risos] Adoro!  Depois que fiquei conhecido pelos bonecos, só arrumo ficantes porque eles dão menos trabalho. Tem um que esquece de mim quando entra no ateliê e fica encantado com os bonecos. Esquece de mim, mesmo, e aí já viu, né?!? [risos]. Mas meu ex-companheiro me dá a maior força, dá sugestões, critica, só não curte. Não dá para juntar namoro com vida artística, infelizmente.

NL - As divas também estão em peso na sua coleção. Customizar uma boneca em diva é mais fácil pela fácil imagem ou complicado pela riqueza de detalhes?

Pelo simples fato de ser uma diva já torna o trabalho bem mais difícil porque seu fã-clube geralmente fica ali na cola, observando, controlando e cobrando bem mais do que qualquer um outro famoso. Pra mim, quanto mais detalhes, maior o desafio, melhor. Amo a Cyndi Lauper, Beyoncé, Elba Ramalho, Nina Hagen, Christina Aguilera, Britney... 

Estou nesse momento, por exemplo, construindo uma boneca da Miley Cyrus e já estou sendo pressionado porque ela, mesmo mudando radicalmente o rumo de sua carreira, continua sendo uma diva! Quanto à Madonna, quem não ama né? Ela é o símbolo máximo da liberdade de expressão e suas camaleonices é uma fonte inesgotável de inspiração para todos os que mexem com artes, seja de que categoria for!

Rihanna, Wanessa, Lady Gaga, Madonna, Preta Gil, Beyoncé

NL- Dei uma olhada e não encontrei a boneca da Cher. Não é tão fã da cantora?

É porque já existe uma versão da Mattel e exatamente como eu queria fazer a minha... Daí eu travo, demoro mais. Mas eu gosto sim da Cher, apesar dela não ser da minha geração. Gosto mais dela como atriz, chorei rios com um filme em que ela tinha um filho com elefantíase. Farei sim uma boneca dela mais pra frente, não agora.

NL - Sei que sua diva mesmo é a Baby do Brasil. Como se deu essa paixão? O que acha dessa nova fase dela?

É paixão de adolescente, daquelas de comprar todos os discos, seguir ela nos hotéis, fazer fã-clube... Sempre me identifiquei com seu visual, suas letras, a forma suave de cantar, o bom humor... Até fui vegetariano por anos por causa dela, acredita? Aí com o tempo a gente vai percebendo que o ídolo é uma pessoa de carne e osso igual a todo mundo, e a magia meio que desaparece, fica só o carinho.

Ainda não tive a oportunidade de falar com ela pessoalmente, é meu sonho de criança apesar dela saber da minha existência. Sobre a sua fase religiosa acho um saco, mas respeito. A Baby não é o tipo chato de evangélico que fica a viva força tentando arrebanhar todo mundo e só isso pra mim já é mais que o suficiente para manter meu amor por ela. E ela ter voltado a mídia cantando em dupla com o filho Pedro Baby me deixa feliz, traz minha adolescência de volta a tona. Como a própria diz, é tudo "matrix"!

- Falando dos galãs, você já criou alguns boys magia... Eles também são os seus preferidos?  Já fez algumas brincadeiras envolvendo os famosos, do tipo colocar o Bruno Gagliasso de casal com o Cauã Reymond [risos]?

[Risos] Já fiz um projeto chamado "MEN" que seguia quase esse raciocínio, mas criei bonecos exclusivos para dançar em pole-dance, sensualizar, essas coisas (clique aqui) até para evitar problemas futuros com os lindos! Dos boys magia que fiz, amo os bonecos do Kadu Parga, Fernando Fernandes, Claudio Heinrich, do Jesus Luz como também seus "musos-inspiradores". 

Aliás, todos eles sabem que eu os adoro, que eu os acho lindos! Brincar mesmo, no sentido da palavra, só na hora do ensaio fotográfico porque aí tem que dar vida aos bonecos. Já os do Bruno, Cauã e outros, geralmente estão caracterizados nos seus personagens, ficam desprovidos de seu charme, aí eu não os enquadro nesse "tema" [risos]... O Jesus Luz, falei pra ele, quanto mais lindo for ficando, mais novas versões de bonecos meus vai se transformar! Já são dois.

- Uma curiosidade: É mais fácil trabalhar em cima de um modelo da Barbie ou da Suzy?

Prefiro trabalhar com a Barbie, porque seu material é de primeira qualidade e dá para experimentar e criar muito em cima dela. Ela é ideal para trabalhar rostos mais detalhados e o corpo permite poses, modificações, sem danificar o plástico. A Suzy é muito boa para criar mulheres tipo "gostosona" por causa do corpo mais "nutrido", e sua cabeça é perfeita para rostinhos adolescentes ou gordinhos. 

O novo boneco do Jesus Luz, fugindo totalmente da regra, eu usei a cabeça da Suzy por causa dos olhos expressivos e masculinizei todo o resto que pude. O Ken é melhor para construir homens medianos, rapazes e galã de novela. O corpo do Max Steels só serve para fazer homens sarados, boy magia. Mas existem outros estilos de bonecos não tão famosos que trazem corpos magérrimos ou de alturas diferentes, pontos de movimento, que eu também costumo trabalhar.

Kadu Parga, Caio Castro, Jesus Luz, Cauã Reymond, Fernando Fernandes, Dave Navarro, Lenny Kravitz

- Você tem 182 de bonecas criadas e expostas na web. Onde elas ficam?

Todas ficam no meu ateliê divididas em dois ambientes: uma sala de exposição exclusiva para receber jornalistas, fotógrafos, fãs, e, a minha oficina de trabalho. A arrumação e distribuição depende muito de quem vou receber para visita do meu "santuário". As criações mais novas geralmente ficam na oficina onde tem o micro-estúdio de fotografia e se tornam mais visíveis. Na sala de exposição, ficam o restante onde eu distribuo de acordo com o pedido da emissora de TV ou fã-clube que vem ao meu ateliê.

Eles pedem para dar mais destaque a uns e "esconder" outros e por esse motivo elas nunca estão numa arrumação fixa. Mas tem também aquelas unânimes como a da Hebe Camargo, do Roberto Carlos e alguns cantores gringos que possui lugar cativo de destaque permanente num mesmo cantinho.

-  Os artistas também aprovam as customizações? Qual foi o elogio que mais te surpreendeu?

Oficialmente eles gostam das suas réplicas, o resultado é positivo e é o que me motiva. É como se o boneco fosse um troféu exclusivo, a coroação da carreira. Todos os elogios sempre me comovem, mas o que mais me surpreendeu até hoje foi o da Ana Hickmann, que nem piscava os olhos admirando a boneca dela. Eu presenciei a cena e fiquei muito feliz. Aí falei: "Ana, posso depois fazer uma foto com você?" e ela respondeu "Meninoooo, nós - ela, o Britto Jr. e a Ticiane Pinheiro - é que queremos fazer um foto com você!”. Quase morri! Também teve o guitarrista Dave Navarro, ex Red Hot Chilli Peppers, que quando soube do seu boneco, brincou, postou a foto no Twitter, em seu site oficial.

- Já recebeu crítica de algum?

Teve há pouco tempo a reação maluca do ator pornô François Sagat, que me bloqueou no Instagram quando viu uma foto onde eu segurava a cabeça do boneco dele [risos]. Deve ter pensado que eu era um bruxo e aquilo era uma sessão de vodoo... Mas deixou a foto linkada lá no perfil dele! Com as críticas eu lido assim: Quando são construtivas, ouço todas, assimilo tudo. Quando são destrutivas, faço o possível para não tomar conhecimento. Aliás, as destrutivas, até agora, só vierem de blogueiros "personagens" que se escondem na zona de conforto do anonimato. Portanto...

Elza Soares, Daniela Mercury e Baby do Brasil

- Todos os bonecos são lindos, mas achei bem originais os bonecos do Fernando Fernandes, Dona Redonda, Hebe Camargo, Pinah, Valéria, Baby do Brasil grávida... Eles foram os que deram mais trabalho?

É muito relativo porque cada boneco possui sempre um roteiro exclusivo e um grau de dificuldade inesperado. Na maioria das vezes, os mais difíceis são os que não aparentam. As bonecas da Mulata Globeleza, por exemplo, foram bem mais complicadas que a da Valéria Vasquez ou a da Pinah. A da Baby grávida e da Dona Redonda foram relativamente mais fáceis em relação às outras, apesar do volume corporal delas. O do Fernando Fernandes seguiu a mesma técnica da usada na da Alinne Moraes, daí ficou mais simples, apenas adaptei o roteiro. Agora, deixar o boneco do Supla mostrando o dedo e colocar a boneca da Anitta naquela pose de "ba-ban-do" foi quase um parto!

- Se tivesse que escolher 5 bonecas preferidas, quais seriam elas?

Poxa! É muito complicado e essa lista vai sempre mudar! Mas exatamente hoje seria a seguinte: Supla, Dave Navarro, Dimmy Kieer, Billy Idol e a da Marina Ruy Barbosa como "Nicole".

- Qual é o seu grande sonho?

Conseguir um depoimento da Baby do Brasil sobre as bonecas que fiz dela, uma palavrinha, um video de celular, qualquer coisa do gênero. Os outros sonhos eu já realizei (ou estou realizando) todos.

- Se suas bonecas fazem tanto sucesso, por que não comercializar o trabalho?

Elas só fazem sucesso porque eu não as vendo, porque eu crio para minha coleção particular. Agora, nada me impede de assinar um projeto de bonecas para uma empresa de brinquedos, por exemplo, sem precisar vender as minhas! Até já fui contatado para isso algumas vezes. Acho engraçado porque eu sou artista plástico, mexo com várias mídias, sou videomaker, produtor, desenho, pinto, escrevo, crio remixes, fiz até comercial de TV para o GACC, mas a galera só me vê como artesão na hora de ganhar dinheiro [risos]... Vender meus bonecos, nããããããão, sem cogitação!

Favoritos: Supla, Marina Ruy Barbosa em 'Amor à Vida' e Billy Idol

- O que já ofereceram por uma boneca sua? E qual foi ela? É verdade que a Elza Soares quis a sua boneca?

O Otávio Mesquita ofereceu 5 mil pela minha boneca da Hebe Camargo, passou 40 minutos no telefone tentando me convencer, mas não adiantou nada... A da Elza Soares, dizem que ela estava na internet e descobriu por acaso uma foto da boneca dela e pirou! Aí a assessora dela me pediu e tal... Também não adiantou nada. Paulo Ricardo (RPM), Bruno Gagliasso e Regina Duarte, que colecionam bonecos, também já pediram os seus e... Nada! [risos] Os muitos programas de TV que eu não fui foi porque me recusei a dar a boneca ao apresentador. Aí, eles me vetam por completo.

- Que tal me dar um boneco [risos]?

 Quando você vier a Natal e visitar meu ateliê, deixo você fotografar com todos, filmar, pegar, mas sem levar nenhum, pode ser? É a minha regra, [risos].

- Ok, ok... Então me responde qual é o seu próximo boneco?

Serão os bonecos da Miley Cyrus, Rafinha Bastos, Dercy Gonçalves, Dita Von Teese, não necessariamente nessa ordem. Tem também um lançamento surpresa do quarteto de um programa de TV ainda para esse ano

- Conta o que é a série Eu até mataria por um boneco do Baby?

 É uma websérie/reality onde eu ensino de maneira divertida e não convencional dicas de como fazer bonecos customizados iguais aos meus enquanto meu "aluno" (o tatuador Diego Rodrigues) tenta me desestabilizar o tempo inteiro com perguntas inusitadas e zombarias. É quase um programa de humor! A direção é do Wlademir Martins (da Rede Record de Natal), a primeira temporada já foi ao ar pela net (veja no hot-site clicando aqui) e em breve será exibida numa famosa TV paga. A segunda temporada já está garantida para 2014 e eu estou ansioso para retomarmos as gravações. Foi uma experiência incrível!

- Marcus, parabéns pelo seu belo trabalho e ficamos de olho nas novidades! 



About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp
Tecnologia do Blogger.