Pitacos

Tom Daley dá salto histórico ao comunicar namoro com garoto e tornar-se exemplo para atletas LGBT

"Muitos queriam que eu ficasse quieto, mas eu não queria que minhas palavras fossem distorcidas"

Astro dos saltos ornamentais, o britânico Tom Daley, de 19 anos, está namorando e, pela primeira vez, veio a publico avisar que se eu par atual é... Um rapaz. O comunicado foi feito por meio de um vídeo postado no Youtube, em que Tom – o queridinho de mulheres e homens, eleito o homem mais sexy do ano por publicações femininas e gays – admite com a própria voz que está mais feliz do que nunca pelo romance. O jovem frisa que, embora muita gente tenha sido contra o anúncio, ele quis evitar que o relacionamento se transformasse em novos boatos ou que sua vida amorosa fosse encarada e repassada como errada ou negativa pela mídia e pelo público. 

Promovendo um show de sinceridade, honestidade [consigo mesmo] e maturidade, ele disse: “Na primavera deste ano, a minha vida mudou totalmente. Conheci alguém e ele me fez sentir tão feliz e seguro que tudo ficou tão bom. Esse alguém é um garoto. Muitos queriam que eu ficasse quieto, mas eu não queria que minhas palavras fossem distorcidas e quis colocar um fim a todos os rumores. Meus amigos e a minha família estão sempre aqui para me apoiar. Ainda aprecio garotas, mas estou namorando um cara e não poderia estar mais feliz”, disse o atleta para a surpresa [ou não] dos admiradores.

Muita gente minimizou, argumentando que já sabia ou que a informação não fazia diferença... Porém, mais que um comunicado sobre a vida privada, trata-se de um dos mais importantes saltos ornamentais de um jovem atleta aos olhos do público. Com palavras positivas sobre o relacionamento, ele marca um momento histórico para o esporte e principalmente para os esportistas LGBTs, que no decorrer da história estiveram fadados ao tortuoso armário e que se anularam como pessoa para poderem exercer a profissão, com o receio de a qualquer momento serem penalizados, perderem patrocínios ou serem limados do cargo. 

Não é segredo para ninguém que as marcas de preconceitos percorrem as várias modalidades dos esportes de todo o Mundo, inclusive no Brasil, o país da maior Parada do Orgulho LGBT, que ainda se surpreende com um mísero selinho entre amigos. Vale lembrar que o próprio Tom já foi alvo de bullying nas Olimpíadas de Londres 2012, quando foi hostilizado e chamado de “soropositivo” pelo jogador galês Daniel Thomas. Mas o atleta não se entregou às intimidações e viu que a melhor maneira de evitá-las é demonstrando que não vê problemas e nem considera ofensa ser gay, bissexual ou hétero... Tanto que nem retrucou a tentativa de agressão e o próprio clube do atleta preconceituoso, Port Talbot Town, decidiu afastá-lo das competições. 

Mais consciente e em uma fase feliz, Tom confiou no valor e na autenticidade do seu sentimento, e na sensatez da humanidade - leia-se dos patrocinadores, colegas de profissão, outros atletas, mídia e público. Pois tem a consciência de que o namoro só veio para agregar em sua vida pessoal – “é algo que me faz feliz e é simplesmente certo” - e que obviamente não interferirá em seus objetivos como atleta. “Sou o mesmo Tom. Quero ganhar um ouro nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 para a Grã-Bretanha”, ressaltou. Confiou sobretudo na qualidade de seu trabalho, em sua capacidade profissional, na dedicação que leva a carreira e na popularidade e carinho que conquistou com muito afinco desde os 14 anos. Não se trata de um mero anúncio depois de uma carreira consolidada, como geralmente é visto. 

Foi um verdadeiro show de coragem, honestidade e cidadania de um experiente jovem de 19 anos, com muitos saltos pela frente. Um jovem que tornou-se uma referência positiva para todos os atletas, sobretudo os da nova geração. E que, se conseguir reverter a informação à seu favor, com patrocínios, suplementos e mídias, merece colher todos os louros.

PRECURSOR GAY DOS SALTOS ORNAMENTAIS PARABENIZA

Após o vídeo ser divulgado, Ricky Martin, o ex-jogador de rugby Ben Cohen, o jornalista Piers Morgan, o ator Stephen Fry e outras personalidades parabenizaram o comunicado. “Estou muito feliz por você”, escreveu o cantor latino em seu Twitter. E, entre os comentários está o do estadunidense Greg Louganis, 54, considerado o maior saltador ornamental de todos os tempos e destaque absoluto nas olimpíadas dos anos 70 e 80. Curiosamente um icônico ex-atleta gay.

Greg Lougan elogiou o comunicado de Tom Daley
Vencedor de cinco medalhas olímpicas, Greg comemorou a possibilidade de Tom poder dizer que é gay o grande público, pois enfrentou um contexto político ainda mais sufocante, com a invisibilidade de referências LGBTs positivas e por ter passado parte da carreira escondendo a homossexualidade, mantendo uma briga incompreendida com o pai [e com os próprios anseios] e sendo incentivado a evitar que a vida amorosa caísse nos ouvidos do público. Apesar de a vida profissional ser garantida, o processo acarretou desconforto e experiências dolorosas na vida afetiva, na familiar e até na financeira.  

O veterano envolveu-se sem saber com um garoto de programa, que se tornou seu empresário, que lhe sugou amizades, que o explorou e que ainda lhe transmitiu aids. Por conta de todas as pressões, só conseguiu falar sobre a própria sexualidade e história em 1994, quando já havia parado de saltar. Mesmo assim, pôde respirar aliviado e passar a levar o seu nome no combate ao preconceito. Em 1997, aceitou ser tema principal do tocante e necessário filme Breaking The Surface [Rompendo Barreiras, 1997], protagonizado pelo galã Mario Lopez.

Depois de Louganis, o próximo saltador ornamental a ter se declarado gay foi o australiano Matthew Mitcham, de 25 anos. O anúncio foi feito durante os Jogos de Verão de 2008, quando escreviam o perfil dos atletas australianos com chances de medalhas.

Para Greg, em texto publicado na revista gay Out, o que tem de mais verdadeiro e importante na declaração de Tom é a honestidade consigo mesmo. “A honestidade de não querer uma vida com um segredo atrás do véu e ter coragem de ser quem Deus fez, pois ser gay não é uma escolha [...] Não somos líderes mundiais, mas à nossa maneira, tentamos fazer deste mundo melhor, com mais aceitação e compreensão [...]. Tom, eu te amo como meu irmão mais novo e, agora, segue o meu conselho como um ‘tutor’: Hora de concentrar em seu mergulho e se manter saudável”. 

Em seu Facebook, Tom agradeceu: "Obrigado pelo apoio. Indo para o Rio 2016. O que eu sou e quem eu namoro não importa".  Que os saltos sejam ainda maiores, mais lindos e mais dignos de medalhas de ouro. E que atletas e patrocinadores se inspirem nesta jovial e necessária referência.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.