Pop & Art

Ken humano brasileiro, Celso Santebañes fala sobre narcisismo e diz: ‘Os héteros ficam mexendo comigo’

"Me espelho na estética do boneco. Sou perfeccionista". 

Num mundo em que tantos querem ser mais humanos, há pessoas que veem nos bonecos de brinquedo uma verdadeira fonte de inspiração para ser e existir. Pelo menos em se tratando de aparência. Tais figuras intituladas “bonecos e bonecas humanas” ganham espaço na mídia mundial, atraem olhares e apelam para inúmeros tratamentos estéticos [e também para a edição de imagens]. No Brasil, um paulistano de 20 anos acaba de ser considerado o primeiro “Ken humano” brasileiro. Título inusitado que recebeu após a participação no programa “Balanço Geral”, da TV Record, e que já é motivo de orgulho.

O Ken brazuca chama-se Celso Santebañes, um rapaz bonito, alto, assumidamente narcisista e que leva nas mãos um boneco que mais parece a sua miniatura - ou seria o contrário? Em entrevista exclusiva ao NLucon, ele afirma que a ideia de se tornar um “boneco humano” começou há quatro anos, quando várias pessoas passaram a chamá-lo de bonequinho. “Eu achava um máximo, até que certo dia, me olhando no espelho, percebi que eu era igual ao boneco Ken da minha prima. Desde aí começou essa obsessão por ser um boneco”.

Entre os tratamentos de beleza, que já custaram mais de R$ 20 mil, colocou prótese de silicone masculina no peito, fez rinoplastia, almeja fazer lipoaspiração e lixar a testa. 
Celso afirma que não vê problemas na sua ficção pela aparência, mas revela que já deixou de sair de casa para ficar se olhando no espelho. “Minha família não aprova muito, porque acabo chamando muita atenção. Meus amigos acham o máximo”, conta ele, que passou a ter seguidores no Facebook e Twitter e a ser reconhecido na rua.

A vaidade é tamanha que Celso desdenha do antecessor, a versão norte-americana do boneco humano Ken,
 Justin Jedlica, que se submeteu a mais de 90 cirurgias. “Ele está mais para um E.T., lembra o Clodovil com os seus 30 e poucos anos. Na boa, sem querer me achar, mas sou mil vezes eu”. Pelo menos na enquete do site do Balanço Geral, Celso vence a preferência do público com 89,42% dos votos contra 10,58% do norte-americano.

Celso com o boneco Ken e ao lado do apresentador Luiz Bacchi.

Ao comentar os rumores de que o boneco da ficção seja gay, ele nega. “Não é, o Ken é casado com a Barbie”. Mas ao falar sobre a própria sexualidade, o jovem despista: “Não falo sobre a minha sexualidade e nada da minha vida pessoal”. O que o “boneco humano” entrega é que depois da exposição o assédio passou a vir de homens heterossexuais. “O assédio aumentou e os héteros ficam meio na dúvida quando me veem [risos]. Eu mexo com eles, com a sexualidade deles e já recebi cantadas do tipo: ‘Nossa, nunca senti atração por homem, mas sua beleza é incrível e eu ficaria com você ‘ [risos]”, diz o belo, que está solteiro.

“Sou tão vaidoso que namoro comigo mesmo”.

Mas, afinal, embora cada pessoa deva ter a liberdade sobre o próprio corpo, qual é o sentido de ser um Pinocchio às avessas, ou seja, um boneco humano? “Não é bem assim. Eu não quero ser um boneco, quero ser um humano quase perfeito. E a Barbie e o Ken contemplam esse desejo de beleza perfeita. Não sou louco, não sou de plástico, me espelho é na estética do boneco”, explica ele, que também se inspira na beleza do ex-BBB Jonas Sulzbach. “Cuido da alimentação, uso cremes para a pele, vou a academia e faço diversos tratamentos estéticos. Não vou ficar artificial, ao contrário, sou perfeccionista”.

Atualmente, o Brasil faz 900 mil cirurgias plásticas por ano [Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética]. Vale lembrar que as medidas de Ken e Barbie são bem distantes das apresentadas pelas mulheres e homens medianos, e são alvos de críticas pela ideia de um corpo impossível de ser alcançado, que pode criar a obsessão. 

Os próximos passos de Celso é encontrar a ucraniana Valeria Lukyanova [a Barbie humana mais famosa do mundo], conseguir ser escalado para o reality show A Fazenda, da Record, e se lançar como cantor de música eletrônica. “Estamos preparando a gravação em breve e já estou sendo sondado para um reality show. Mas aproveito para mandar um super beijo para todos que torcem por mim e que aguardam novidades. Para quem duvida da minha capacidade, só digo uma coisa: beijo no ombro [risos]”. 

Realmente, um Ken made in Brasil em tempos de bonecos humanos. 

 Confira outros "bonecos humanos": 

A 'Barbie' ucraniana Valeria Lukyanova, o 'Ken' norte-americano Justin Jedlica e a transexual Katella Dash
Andressa Damiani,  Anashtasiya Shpagina e a americana Blondie Bennett, que faz hipnose para ficar burra

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

3 comentários:

Ricardo Aguieiras disse...

Claro que, como bem já ressalta o Neto Lucon, cada um ou uma faz o que quiser com o próprio corpo e ninguém tem nada a ver com isso, não cabem críticas, aqui. Cabe, talvez, apenas uma tentativa desesperada para entender. Como é que alguém, o que ele viveu, qual foi o seu meio ambiente e Educação que o fizeram colocar toda a sua autoestima na sua aparência, somente? Não atino. Por que imagino que no íntimo isso não traz felicidade. Ou será que traz e é preconceito meu? Sim, faz tempo que estamos vivendo apenas uma imagem, que bem ou mal cultivamos. E, se um dia, tanto pelo envelhecimento ou infelizmente um acidente, minha aparência mudar? O que sobra da vida? Lendo este provocante artigo de hoje no blog do Lucon reflito sobre as nossas buscas, reflito que os meus valores podem estar todos ultrapassados e que eu envelheci. Leio que "a americana Blondie Bennett, que faz hipnose para ficar burra". Ou seja: sabedoria e inteligência não são mais parâmetros para a felicidade pessoal. Coitado daquele filósofo que falava que Conhecimento é Poder... qual conhecimento seria poder?
Ricardo Aguieiras
aguieiras2002@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Lendo as matérias deste rapaz tão lindo , só tá na cara o que ele precisa!
Levar muita pirocada nesta cara de boneca, muito tapa nesta bunda que ele vai ficar louca

Anônimo disse...

Este VIADO Celso Santebanes, boneca Ken . Tem que segurar e neter muito na boca dessa bicha boneca !

Tecnologia do Blogger.