Header Ads

Travesti levanta a perna, deixa 'arara azul' escapar no carnaval do Rio e provoca a ira de conservadores


Uma travesti desfila de topless e é destaque de um carro da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel. Na tela da TV Globo, é elogiada pela beleza e até recebe um repeteco entre as musas mais belas da escola. Porém, no flagra do paparazzo, estrategicamente localizado abaixo do carro, uma ligeira e pequena escapadela do genital é motivo suficiente para a mídia fiscalizar o membro, "sensacionalizar" o flagra, e consequentemente, inflamar os ânimos de quem estava pré-disposto a criticar. "Oh, meu Deus, ela deixou escapar o pênis! Que descarada! Nem para prender direito, um abuso. Que absurdo", disseram aos montes nas redes sociais, sobretudo membros da comunidade trans. 

A travesti em questão é Patricia Araújo, atriz que esteve na novela Salve Jorge, da TV Globo, e que voltava ao carnaval depois de uma temporada na Europa. Sem querer falar da invasão dos detalhes e da hiper exploração dos corpos que ocorre nesta época – afinal, as pessoas se expõem nesta festa porque querem e como querem - prefiro falar sobre o foco desta polêmica. Ou seja, o espanto descabido do público ao ver algo natural no corpo de alguém que é trans

Não é óbvio que dentro da calcinha daquela mulher havia um falo? Principalmente no caso de uma personalidade pública que já falou inúmeras vezes que não passou pela redesignação sexual? A artista Iara Delacruz disponibilizou ao NLucon a tirinha  em que questiona em tom de humor a polêmica: "É claro que apareceu uma parte do corpo, o que mais poderíamos esperar? Uma arara azul protegida pelo Ibama?”. Em outra arte que circulou na rede, o recado é dado: “Passa a vida esperneando pra invalidar o gênero de pessoas trans pelo que elas têm no meio das pernas. Age como se tivesse visto um avestruz verde-limão quando vê o que uma pessoa trans tem no meio das pernas”.

Neste caso, só não é tão óbvio que a pessoa em questão esteja tão à vontade e confortável com o próprio corpo, que não se viu obrigada a prendê-lo, “aquendá-lo” ou a escondê-lo. E muito menos que se incomode com um flagra, com a crítica sobre alguns detalhes e com uma polêmica fajuta. Afinal, essa pressão para que a estética do genital "não marque", que fique esmagado e que seja idêntico à das mulheres cis [ou redesignadas] nada mais é que um pré-formato, um modelo de mulher [e com tal genital] valorizado, cultivado e embutido inconscientemente na cabeça das pessoas. E embora a genitália geralmente seja o foco, essa estética também se estende para outras partes do corpo, sempre com a finalidade de validar o código de mulher de tal indivíduo.

Explico-me: para a mídia e para os críticos de plantão, não basta ter seios, pernas e bumbum. Só é mulher de verdade ou digna de valorização[e isso se aplica às cis também] quem tiver determinado TIPO de seios, determinado tipo de bumbum e determinado tipo de beleza” – e por consequência uma vagina adequada [agora virou moda dar um reparo estético por meio de cirurgia na dita cuja, vide Geisy Arruda]. É por esse motivo que ainda fico surpreso quando vejo pessoas trans – que teoricamente seriam transgressoras por natureza e que já sofrem tais cobranças - criticarem corpos alheios, cobrarem o padrão cis, "perfeito", de outras meninas trans e também se prenderem a algo que, para essas figuras em questão, não é um problema.

Perdoem-me o pitaco, mas talvez as araras azuis [se assim quiserem] pudessem mesmo ser mais livres, confortáveis e felizes. Afinal, nada mais natural que encarar com naturalidade um corpo com todas as suas possibilidades, transformações e belezas. "Ok, ok, mesmo assim é um exagero e um desrespeito mostrar demais no carnaval", dirão. Bom, quanto a isso poderia dar mil exemplos de mulheres cis que expõem os seus corpos com minúsculos tapa-sexos, exibem os seus bumbuns gigantescos nus, outros flagras e nem por isso são julgadas. E se escapou, meus caros e caras, sinto informar-lhes, este é o Brasil, a mídia e o carnaval que temos para hoje...

Algumas chamadas que saíram na mídia sobre Patricia no carnaval

Um comentário

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Tecnologia do Blogger.