Pride

Candidata trans é a primeira a ser eleita e assumir cargo de prefeita na Índia

Um grande passo para a comunidade de hijras (nome dado às pessoas transgêneros na Índia) foi dado. Madhu Kinnar foi eleita prefeita de Raigarh, a 300km da fronteira da Índia com Bangladesh.

+ O que significa o reconhecimento do terceiro gênero na Índia

A política trans de 35 anos era afiliada a um partido independente e logo na primeira tentativa foi eleita com diferença de 4.537 votos do segundo candidato.

Ela comemorou a vitória agradecendo o apoio que recebeu da própria população. 
"Considero estava vitória uma forma de amor e bençãos das pessoas por mim. Foi o apoio do povo que me incentivou a entrar na luta da eleição pela primeira vez e foi por causa deste apoio que saí vitoriosa", declarou ela, que trabalhava como cantora e dançarina em trens.

Nas promessas de campanha, ela declarou que pretende construir sistemas de esgosto e estabelecer política de cartões de alimentação para os cidadãos.

Em 1999 e 2000, outras transgêneros foram eleitas, mas deixaram o cargo devido ao preconceito.

Em setembro, uma hijra tornou-se âncora de um telejornal do canal Lotus News, exibido às 19h. O presidente do canal afirmou que deu a oportunidade para Padmin Prakash porque ela é "muito batalhadora" e nos testes que passou mostrou potencial para ser uma "excelente âncora de notícias".

Porém, apesar dos avanços, nem todas as pessoas transgêneros do local são respeitadas e têm uma vida como qualquer outra pessoa cisgênero. Muitas ainda estão fadadas à prostituição e à miséria. Além disso, a homossexualidade - categoria de orientação sexual - ainda é condenada pelo país.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.