Pride

Miss Mundo T Girl, Rayka Vieira Santos diz que beleza a não livra da transfobia

No segundo concurso que elegeu a miss Mundo T-Girl – página no Facebook que reúne travestis, mulheres transexuais e simpatizantes da causa T – a vencedora foi Rayka Vieira Santos, de 19 anos.

+ Marcela Ohio: "família é determinante na vida de uma trans"

A bela concorreu com outras 10 candidatas e foi eleita pelo voto da maioria das juradas. Dentre elas, Bruna Marx, Aleika Barros, Silvia Portinari e Majorie Marchi.

Em entrevista exclusiva ao NLucon, Rayka – que tem 1,73m e 58kgs - afirma que é a primeira vez que participa de um concurso de beleza. E que está realizada, feliz com o resultado e impulsionada a seguir a carreira de modelo.

“Sempre tive muita vontade de participar de um concurso e muitas pessoas me incentivam a participar. Com este título, fiquei feliz e mais confiante”, afirma a bela, que é de Anápolis, em Goiás.

Sobre o Mundo T, ela afirma que é um excelente canal para aprender um pouco mais sobre a causa. “Faz cinco anos que estou neste universo e considero muito importante a troca de figurinhas. É um meio de conhecer outras pessoas, nos manter informadas, trocar experiências e nos unir”.

O concurso foi realizado pelas moderadoras Sttefany Farias, Kamilla Alves, Danielly Saturno, Lara Tous e Kimberly Luciana Dias. 


INSPIRAÇÃO EM PATRICIA ARAÚJO

Vaidosa, a miss afirma que leva uma rotina marcada por cuidados estéticos. Ela diz que evita tomar sol, usa cremes todas as noites e é adapta da descoloração dos pelos – “gosto dos pelo loirinhos”, diz.

A inspiração da beleza vem de três figuras da mídia: a cantora Nicole Scherzinger, a socialite Kim Kardashian (ambas mulheres cis) e a modelo Patricia Araújo (que é travesti). E não é que ela se parece com elas mesmo?

Ao comentar se a beleza a poupa de sofrer transfobia, Rayka garante que não. “A beleza em si não ajuda a acabar com o preconceito. Sendo bela ou não bela, a transfobia não escolhe a vítima e nem as definições. Seja travesti ou transexual, todas nós corremos riscos”, defende.

PRÓXIMOS PASSOS 


Rayka diz que seu maior objetivo é conseguir um emprego e conseguir conciliar com a carreira de modelo. “Se Deus quiser vou conseguir o meu espaço. Também quero fazer uma faculdade, mas ainda não decidi qual o curso”.

Que tal concorrer ao Miss T Brasil? “Nossa, seria um sonho. Há dois anos várias travestis e transexuais me incentivam a participar. Mas ainda não tive condições financeiras para investir. Quem sabe nos próximos anos”.

Vamos torcer!

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

5 comentários:

TS-Today Transgirls24 disse...

looks sweet

Alex Castro disse...

GATA VC E CAPAZ E BEM MAS CAPAZ DE MUITO MAS ...ERES BELISSIMA ...SEM EXPLICAÇAO PRA TAMANHA BELEZA ...BJS

dionisio ternoski disse...

Linda. Gatissima!!!!

Chrístoffer Rodrigues disse...

Não livra, mas muda a motivação. Nem toda transfobia é igual. Agredir uma trans que é bonita e feminina é sinal de que o homem está se sentindo atraído sexualmente por ela e a agressão é a forma como ele reage a isso. Ele xinga a trans, porque ela é tão linda e tão feminina que faz surgir nele desejos homoeróticos pela trans. Alguns homens ficam com raiva das trans, porque elas são tão lindas e femininas que faz surgir neles desejos que ele considera gays, pela travesti. Ele fica com raiva da travesti, porque ele deseja a travesti e nos valores dele, isso o transformaria num gay. Nem sempre é assim, mas eu acho que talvez uns 80% dos casos de transfobia, ocorra porque o transfóbico está sentindo tesão pela travesti. Porque convenhamos, hoje em dia as travestis já estão mais bonitas e femininas do que a grande maioria das mulheres. Imagine um homem machista vendo uma travesti que é dez vezes mais bonita e feminina do que a namorada dele? Eu acho até natural que o cara fique com raiva. Se eu fosse uma travesti linda como a Raika e um homem machista viesse me ofender, eu iria fingir que fiquei triste com a ofensa e eu diria: então você não me achou bonita. E começaria a chorar. Se isso não despertar no machista o instinto de proteção da fêmea, no mínimo, vai fazer com que ele pare de querer te agredir. Mas eu garanto que em uns 90% dos casos, o machista que te ofendeu, fez isso porque você desperta nele muitos desejos reprimidos. De fato a beleza não livra da transfobia, mas sentir transfobia por uma travesti bonita é sinal de que a travesti abala as estruturas do transfóbico. Podem observar: os que mais xingam as travestis são justamente aqueles que mais estão com vontade de pegar e chupar o pau das travestis.

Sandra disse...

Concordo contigo,Christoffer.Tive duas experiências assim.Uma com um policial, que todas às vezes que me via na rua me agredia verbalmente até que,em uma noite quando eu voltava pra casa,ele me agrediu verbalmente mais uma vez,e exigiu que eu entrasse no PM Box .Quando perguntei porque ele estava fazendo aquilo comigo,ele disse que era porque queria transar comigo.Outra situação, foi quando um cara amigo do meu irmão, começou a me xingar do nada,quando eu voltei pra revidar,ele perguntou se eu estava louca, e se insinuou sexualmente.Ou seja,toda essa forma de ódio é um desejo reprimido.Eles ñ sabem se aproximar e paquerar,por medo de serem vistos como gays.Não sabem lidar com esse desejo e infelizmente acabam agindo da pior maneira possível pra esconder que sentem atração, ou para realizar seu desejo de ficar com uma travesti ou transex.É aquele ditado que diz "quem desdenha quer ".

Tecnologia do Blogger.