Pride

Estudante trans de 18 anos é mestre de cerimônias em Seminário LGBT na Câmara



.
Durante o 12º Seminário LGBT, que ocorreu na quarta e quinta-feira (20 e 21), na Câmara dos Deputados, em Brasília, Bernardo Mota foi o mestre de cerimônias. Nada seria diferente se o estudante da UnB e militante não fosse um homem trans, o primeiro a assumir o cargo durante o Seminário. 

+ Em Brasília, militantes trans cobram respeito pela identidade de gênero

+ Artista trans emociona ao recitar poema sobre caminhos e escolhas

Aos 18 anos, o estudante foi responsável pelas aberturas das mesas e plenárias, e teve a intenção de dar visibilidade à existência de homens trans e pessoas T (travestis, mulheres transexuais e outras transgeneridades) no espaço.


Em conversa com o NLUCON, Bernardo afirmou que o convite veio da organização do PSOL e que o discurso foi escrito por ele e pela organização do seminário. Ele abriu o Seminário, se apresentou como homem trans e falou sobre as dificuldades de pessoas trans ter acesso a direitos.

Com Maria Clara Araújo, que
também participou do Seminário

“Falei sobre a despatologização das indentidades trans, das discriminações em casa, no âmbito escolar. Pontuei a necessidade de mais ambulatórios que acompanham as pessoas trans, para que se dê fim às homonizações clandestinas. Falei também sobre o Brasil ser um dos países que mais matam travestis e pessoas trans e que algo precisaria ser feito, mesmo em tempos difíceis, como (o atual presidente da Câmara) Eduardo Cunha e sua turma”, contou.

De acordo com o estudante, a receptividade do público foi absolutamente positiva, haja vista que o tema do seminário é a empatia. “Sabemos que a comunidade trans é invisibilizada e muitas vezes ridicularizada. Os homens trans são ainda mais invisibilizados! Mas no início do ano tivemos o primeiro encontro de homens trans, o Ibrat tem crescido, homens trans estão se empoderando, cada vez mais ocupando espaços de militância e se fazendo presente na luta por direitos”.

No segundo dia do Seminário, foram tidas mesas sobre ódios nas redes, LGBTs na escolas. Os destaques são as participações de muitas mulheres e, dentre elas, mulheres trans e travestis. “Isso é um sinal de que estamos avançando e temos força para avançar ainda mais”, declarou.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

2 comentários:

Anônimo disse...

bernardo <3

Unknown disse...

Meus parabéns. .. Orgulhosa de vc.

Tecnologia do Blogger.