Pop e Art

“Me chamem de Caitlyn”, diz mulher trans da família Kardashian na Vanity Fair

“Me chamem de Caitlyn Jenner. Quando a capa sair, estarei livre”, diz a ex-atleta olímpica que teve todos os holofotes da mídia internacional focados em sua transição de gênero. O interesse sobre ela ocorre há bastante tempo, sobretudo por ser ex-madrasta de Kim Kardashian, mas foi só em abril deste ano, aos 65 anos, que Caitlyn falou sobre o assunto.

Agora, pela primeira vez, ela aparece publicamente com a imagem que se sente confortável. E é capa da revista Vanity Fair.

+ Laverne Cox posa nua em combate ao racismo e transfobia
+ Começamos a sair da utopia quando uma travesti pobre e negra fala em Brasília"


“Estou muito orgulhosa dessa realização, não quero minimizá-la. Esse ensaio é sobre minha vida, sobre quem sou como pessoa. Não é sobre os fãs. Bruce (o antigo nome) sempre teve que falar mentira, teve que guardar segredos. Cailtyn não tem nenhum”, declarou ela, no vídeo da publicação.

Ela já aderiu a uma nova conta no Twitter e comemorou a luta para assumir a sua verdadeira identidade. “Estou muito feliz, após uma longa luta, por estar vivendo meu verdadeiro eu. Bem-vindo ao mundo, Caitlyn. Mal posso esperar para que você me conheça”, declarou. Curiosamente, a conta soma mais de 1 milhão de seguidores! 

A capa e o novo visual foram comparados ao da atriz Jessica Lange, que já venceu dois Oscars e que atualmente fez sucesso com a série The Amerque estrela várias temporadas de American Horror Story. 

SOBRE ELA
Caitlyn e Jessica Lange

Caitlyn, que foi medalha de ouro do decatlo em 1976, foi casada com Kris Jenner e teve a sua família exposta no reality show Keeping Up with the Kardashians.

Aos desavisados, ela já declarou que sua transição de gênero nada tem a ver com a orientação sexual e que ela é uma mulher que gosta de mulheres.

“Eu sou eu, uma pessoa. Este é quem eu sou. Não estou presa no corpo de ninguém (...) Não, eu não sou gay. Eu nunca estive com um homem (...) As pessoas me olham para mim de forma diferente. Elas me veem como um ‘macho’, mas meu coração e minha alma e tudo o que faço na vida é parte de mim. Esse lado feminino é parte de mim. É quem eu sou”.

Veja outras fotos da revista:









About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.