Pride

Fórum Paulista TT recebe Secretaria de Mulheres e lança nova campanha; saiba




Por Neto Lucon

O Fórum Paulista de Travestis e Transexuais recebeu na reunião deste domingo (27) a Secretaria de Políticas para Mulheres, no auditório azul do Edifício Martinelli, em São Paulo. O encontro é um passo importante para o reconhecimento da identidade e estreitar parceria com o poder público para a promoção dos direitos de travestis e mulheres transexuais.

+ Caminhada em SP repudia crimes transfóbicos

+ Em debate sobre feminismo, homens trans denunciam violência sexual

Dialogaram com o movimento social, a secretária adjunta Dulce Xavier e a assessora Lucia Udemezue, em nome da secretária Denise Motta Dau.

“A nossa intenção é fortalecer o Fórum, reunir pessoas que estejam realmente engajadas com ele e na promoção dos direitos de mulheres transexuais, travestis e homens trans. E também falar sobre a importância de termos representatividade dentro da secretaria”, declara a militante Fernanda de Moraes, do Fórum.


Ela classifica a reunião como “extremamente importante”, principalmente porque se trata de um diálogo “pioneiro, direto e aberto”. “Mostra que as portas estão abertas e que esta secretaria está começando a nos entender. A gente sabe que é um diálogo novo, mas que as pessoas envolvidas já estão conscientes dessa necessidade e realidade. Além do mais,  é essencial para que a própria sociedade tire a visão de que nós não somos mulheres”.

Segundo a militante, o encontro abordou a presença de mulheres transexuais na 5ª Conferência Municipal de Políticas para Mulheres, que ocorreu neste mês. E disse que as secretárias estão conscientes da importância de levar as demandas do grupo para estes espaços. “Queremos que as travestis também sejam incluídas, pois, apesar de nem todas se verem como mulheres – e isso deve ser respeitado pelo movimento social e pelo poder público – elas estão inseridas dentro deste universo feminino e passam pelo mesmo processo que as mulheres transexuais. Ou seja, lutam pela identidade feminina”.

CAMPANHA

No domingo, ainda foi lançada a campanha “Transfobia não é legal. Transfobia é Uó”, criada pelo Fórum em parceria com o poder público. Ela foi criada pela equipe executiva do Fórum, Alexandre Peixes (Ibrat-SP), Maria Midory, Luciano Palhano (Ibrat-SP), Tiane Miyake, Régis Vascon (Ibrat-SP) e Fernanda de Moraes (Instituto Aphroditte). 

A arte foi feita por Heitor Marconatto e Amanda Palha. Confira abaixo!

A ideia é falar sobre a ilegalidade da transfobia, tanto no sentido dos assassinatos transfóbicos, que colocam o Brasil em primeiro lugar no ranking de assassinatos por transfobia, quanto pelos direitos constantemente negados ao grupo. Já a segunda é referente a uma linguagem que a comunidade LGBT usa para dizer que algo é ruim ou negativo.

“A Secretaria se interessou com o material da campanha e solicitaram o material para que eles usassem em outras secretarias. Em breve ele deve ser divulgado pelo poder público também”, conclui Fernanda.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.