Pop e Art

Websérie “Jardim do Éden” aposta na visibilidade de cinco atores trans negros

Não é todo dia que produções trazem artistas trans em seu elenco. Tanto que há uma reclamação coletiva que até mesmo quando se trata de personagens com tais características, são os atores cisgêneros (aqueles que não são trans) que são escalados.  Mas uma websérie vem suprir a lacuna e dar o exemplo.

+ "É errado exigir que pessoas trans tenham corpos de pessoas cis", diz Léo Barbosa

Trata-se da produção norte-americana e independente “Edens’ Garden” (ou Jardim do Éden), do escritor e diretor Seven King, que traz cinco homens trans negros de Nova York: King, D’jamel Young, Bryce Richardson Chance Lombardi e Kamar Porter.

A produção, que tem 15 minutos cada um dos 13 episódios (sim, é bem rapidinho), mostra – além da questão racial e de gênero - a pluralidade de orientações sexuais dentro do universo trans. O protagonista, por exemplo, é hétero e forma casal com uma mulher trans. Já outros três homens trans são gays ou bissexuais.

O objetivo, de acordo com o diretor, é explorar vários aspectos do que chama de “trans-realidade”, com pitadas de humor, drama, amor, traição, amizade e temas sensíveis, como o HIV/aids e invisibilidade.

"O conteúdo é como um diário para mim, mas também uma representação da experiência de muitos caras que podem ser trans. A vida de um homem trans é uma experiência diferente de um homem cis de determinadas maneiras. ... Eu queria criar uma série que não só irá educar e defender, mas dar entretenimento de suspense na forma de script”, declarou o diretor.

Assista: 

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.