Pop e Art

Agência inclui casal LGBT e emociona em vídeo sobre Natal 2015; assista!



Por Neto Lucon

Muita gente quando questionada sobre a importância do Natal destaca a união da família. E num país onde as famílias LGBT são colocadas em xeque a todo momento e onde conservadores tentam o retrocesso por meio de projetos como Estatuto da Família – que visa considerar família apenas casais formados por homem e mulher, e filhos - a agência de atores e modelos infantis Désir decidiu dar um passo em prol do Natal de todas as famílias.

+ Edith modesto cria Grupo de pais de Trans


No vídeo, oito famílias plurais – dentre elas a de Vanessa e Priscilla, que são mães de Kamilly Santos - respondem “o que pedir ao Papai Noel?” e “O que dariam de presente?”. E os discursos dos pais, mães, avós e crianças destaca a relação das pessoas – sejam eles por laços sanguíneos ou afetivos.


Inicialmente, ao serem perguntadas sobre o que gostariam de ganhar do Papai Noel, as crianças revelam desejos do mercado: televisores, games... Mas quando são questionadas sobre o que dariam para os pais, principalmente se não tivessem dinheiro, elas emocionam e surpreendem. Kamilly, por exemplo, relembrou uma história que a mãe contou da infância e disse que cortaria um cacho do seu cabelo e daria de presente em um saquinho.


Responsável pelo vídeo, o professor de interpretação e diretor Alex Tietre revela ao NLUCON que a ideia surgiu depois de ter sofrido um traumático assalto e uma conversa com a chefe. “Estava e ainda estou muito sensível e foi muito importante falar sobre família, cuidado e amor, me ajudou. Minha chefe estava cuidando de mim e eu disse a ela que queria fazer uma campanha sobre família e que fazia questão de uma família LGBT. Ela adorou a ideia e sugeriu o casal, que eu não conhecia”.



Segundo Alex, todas as respostas foram espontâneas e o emocionaram ainda nas gravações. “Queria tocar as pessoas e mostrar que não importa como é a família, todas querem paz e saúde. Mas na verdade não sabia se daria certo, pois dependia das famílias e principalmente das crianças. E eu não influenciei e nem manipulei nenhuma resposta. Foi fácil por um lado porque as crianças já me conhecem e gostam de mim, mas foi difícil porque eu chorava muito (risos)”.

A resposta que mais o surpreendeu foi justamente referente à família: “Em nenhum momento as crianças se limitaram em responder ‘família é pai e mãe’. Elas disseram que família é quem cuida, que família é amor... Acho que a mensagem é esta: que o melhor presente é aquele que não precisamos comprar, é estar com a família. E que esta família pode ser de qualquer forma. Percebi isso ainda mais depois do assalto e de achar que fosse morrer. Estive ao lado de pessoas que amam, que cuidam e que não precisam ser necessariamente pai e mãe”.


Assista: 


About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.