Pop e Art

Após viver transexual dos anos 20, Eddie Redmayne destaca atual violência transfóbica


.
O britânico Eddie Redmayne, que interpreta uma mulher transexual dos anos 20 no filme A Garota Dinamarquesa, procurou falar sobre a violência que assola ainda hoje as pessoas trans (travestis, mulheres transexuais, homens trans e outras transgeneridades) em entrevista à Sky News.

+ Maria Clara Spinelli defende Oscar de Jared Leto por papel trans


O ator disse que, apesar dos progressos nos últimos anos, a discriminação e a violência contra as e os transgêneros continua gigantesca. E que há um longo caminho para se alcançar a igualdade.

O que fico surpreso é que quase 100 anos depois da história de Lili e Gerda ainda há um longo caminho para o progresso ser feito. Há uma enorme discriminação e violência contra pessoas trans. Ainda há um longo caminho a percorrer para a igualdade”, declarou ele.

O filme é baseado na história real de Lili Elbe, uma mulher transexual nos anos 30 que passou por uma série de operações pioneiras referentes à redesignação sexual (popularmente conhecida como mudança de sexo). Para o ator, ela é um ícone do século 20 e “uma mulher extraordinária, corajosa e brilhante”.

Redmayne disse ainda que o filme traz um conteúdo informativo e educacional maravilhoso, que pode ajudar no combate à transfobia. E salientou que fez amizades maravilhosas com membros da comunidade trans.

ATOR CIS/ PERSONAGEM TRANS


O diretor Tom Hooper justificou o fato de escalar um homem cis (aquele que não é trans) para um papel de uma mulher transexual, indo contra o que grupos de militância T pedem: que tais personagens sejam feitos por pessoas trans.

"Há uma enorme gama de atrizes e atores trans talentosos, mas o acesso é limitado. Eu premiaria qualquer mudança em que a indústria poderia avançar e acolher atores trans em papéis trans ou cisgênero, e também encorajar cineastas trans", declarou.

Ao explicar por qual motivo considerou Eddie ideal para o papel, ele disse: "Vou dizer algo que seria mais fácil falar se ele não estivesse ao meu lado agora, mas eu acho que há algo nele que é muito feminino".

O filme estreia nos cinemas brasileiros em 25 de fevereiro. 

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.