Pop e Art

Lista: As atrizes travestis e transexuais que driblaram a transfobia e estrelaram novelas


Por Neto Lucon

A busca por representatividade de travestis, mulheres transexuais, homens trans e outras transgeneridades em novelas, séries e filmes brasileiros já virou uma das bandeiras da atual militância trans. Afinal, estes espaços carecem dessa vivência, corpo e realidade de maneira digna e respeitosa.

+ "Ser transexual é apenas outra maneira de ser mulher", diz atriz Leonarda Gluck


Reparem: a maioria dos personagens trans é interpretado por pessoas cis (aquelas que não são trans). Geralmente homens cis, que vestem roupas femininas, exageram nos trejeitos e levam uma imagem caricata que nada ajuda na humanização e na sensibilização ao grupo.

É claro que o ideal é que no mundo das artes todos pudessem interpretar qualquer personagem. Mas não é bem assim que ocorre na vida prática. Atrizes e atores trans dificilmente são chamados para qualquer personagem que seja, mesmo quando ele tem a vivência trans. Um reflexo social da falta de oportunidade no mercado de trabalho, que afeta todas as áreas. 

Além disso, a falta de representatividade – lida por muitas militantes como transfobia institucionalizada - é associada àquilo que ocorria no cinema clássico, quando o racismo era latente e declarado. E quando atores brancos pintavam o rosto (black face) para interpretarem personagens negros, invisibilizando atores negros. Entendeu? 

Com a intenção de mostrar que é possível investir em atrizes e atores trans, o NLUCON procurou na história de novelas e séries aqueles que conseguiram driblar o preconceito e galgaram a tão sonhada representatividade nos folhetins. Confira!


1- Claudia Celeste


Trata-se da primeira travesti a protagonizar uma novela no Brasil. Claudia esteve em 1977 em Espelho Mágico, da TV Globo, num time de coristas mulheres cis. Por conta do regime militar, que até então proibia até travestis famosas a estrelar novelas, teve que sair de fininho. E só retornou aos folhetins 10 anos depois como a travesti Dinorá, de “Olho Por Olho”, em 1988, da TV Manchete. Foi a primeira trans a estar numa trama inteirinha.


2- Rogéria


A “travesti da família brasileira” tem uma coleção de novelas e participações especiais. Iniciou em 1989 no clássico Tieta, como a memorável travesti Ninete. Depois esteve em “Desejos de Mulher” (2002), “Paraíso Tropical” (2007), “Duas Caras” (2008), “Malhação” (2012) e “Babilônia” (2015). Na novela “Lado a Lado”, de 2012, fez história a ser a única travesti a interpretar uma mulher cis, mãe e avó.

Melhor cena: 




3- Maria Clara Spinelli


No meio da novela “Salve Jorge”, da TV Globo, Glória Perez resolveu abordar o tráfico de travestis e mulheres transexuais. Convidou a premiada atriz de cinema e teatro Maria Clara Spinelli para a função. Ela viveu a inocente Anita, que sofreu nas mãos de Russo (Adriano Garib) e se vingou ao fim, dando boas bofetadas no vilão e ficando com o gato, Yuri. Maria Clara volta às telas na série Supermax.


4- Leo Moreira Sá


O ator, que foi premiado no teatro pela peça Lou e Leo, esteve no 12º episódio da série Psi!, da HBO. Em “Quero Ser Quem eu Sou”, Leo Moreira Sá viveu o personagem Renato, um homem trans que lutava pelo direito de mudar o nome e sexo da documentação. A atuação foi muito bem elogiada e um novo personagem, que promete fazer história, está pintando por aí.


5- Roberta Close


Em 1997, a mulher trans mais famosa do país estrelava a sua primeira (e única) personagem em uma novela, Mandacaru, da extinta TV Manchete. No sertão nordestino, Maitê Flores chegou toda donzela, conquistando a todos por seu charme e beleza. Protagonizou uma icônica cena de banheiro nua na cachoeira, mas não beijou nenhum galã. A novela foi reprisada em 2005 pela Band.

Assista a cena da chegada: 




6 – Nany People



Aclamada em shows de stand up, como repórter de TV e humorísticos, Nany teve a oportunidade de estar no sitcom “Partiu Shopping”, do Multishow, em 2015. Ela viveu a vilã e proprietária do shopping Berengária e, como sempre, mostrou o seu bom humor ao lado de Tom Cavalcante e Daniele Winits. Em 2014, participou do especial “É Natal, Mallandro”, do SBT. Pelo talento e tempo de carreira, merecia grandes papeis na TV e muito mais espaço. 


7- Patricia Araújo



Também conhecida pela beleza e sensualidade, a travesti pôde ser admirada na novela “Luz do Sol”, em 2007, da TV Record. E também na novela “Salve Jorge”, da TV Globo, em 2012, quando interpretou a traficada Priscila. Na série “A Lei e o Crime” (Record), em 2009, viveu a personagem Michela, uma profissional do sexo que é assassinada logo após ser abordada por um famoso ator. O episódio todo gira em torno de sua personagem. 


8- Jane Di Castro



Diva dos palcos, a artista já fez presenças mais que especiais na TV. Chegou a cantar “Exagerado”, de Cazuza, na novela “Salve Jorge”, da TV Globo, e também fazer uma participação na novela “Explode Coração” (1995), “Paraíso Tropical” (2007). Em séries, esteve em “Faça a sua História” (2008) e também em Pé na Cova (2013), dentre outras.

Assista a uma das cenas:




9 - Fabianna Brazil




A novela do SBT “Vende-se um Véu de Noiva”, escrita por Íris Abravanel, contou com a presença de Fabianna Brazil. Ela interpretou Andressa Carla, uma mulher transexual que tem como objetivo desmascarar o vilão Homero (Marcos Winter). Na época, declarou: “Se eu tenho talento, se tenho condições de atuar, quero ter oportunidades de mostrar. Sou formada pela Uni Rio e espero que este trabalho abram outras portas”.


10- Bianca Soares



Conhecida como a “travesti da Casa dos Artistas”, Bianca esteve na série Mandrake, da HBO, em 2005. Ela interpretou a profissional do sexo Viveca no episódio “Dia dos Namorados”. Após uma confusão com um cliente, Viveca é abordada pelo advogado criminalista Mandrake (Marcos Palmeira) e faz de tudo para convencê-lo de que é inocente. O texto não é dos melhores, mas Bianca manda muito bem em sua primeira atuação na TV. Assista aqui


11- Carol Marra



Após despontar como modelo, Carol Marra tem feito vários trabalhos na TV. Recentemente, esteve na série Psi!, da HBO, e na série “Romance Policial – Espinoza”, da GNT. No ano passado, fez uma participação rápida em Boogie Oogie, da TV Globo, em um baile de carnaval. E promete muito mais!


12 - Bruna Bee



A figurinista entrou no finalzinho da novela “Amor à Vida”, da TV Globo, em 2014, com uma missão nada difícil: formar par romântico com o mecânico Juscelino (Werles Pajjero). A cena de Bruna ocorre no bar de Denizard (Fúlvio Stefanini), quando Juscelino apresenta a namorada aos amigos e ela faz questão de dizer que é trans. “Apesar de ser um papel pequeno, é bom ver que estão abrindo espaço”, declarou.


OUTRAS REPRESENTATIVIDADES


- Antes de dizer ser um homem trans, Thammy Miranda (foto) estrelou a novela “Salve Jorge”, da TV Globo, em 2012, na pele da policial Jô. Foi até então a sua única novela.

- Muitos shows! Striperella (Melissa Alonso) e Mariana Molina também estiveram em “Salve Jorge”, fazendo performances artísticas na boate onde ficam as traficadas. Foi a Blue Space na Turquia.

- A novela “Viver a Vida”, de 2009, trouxe ao fim do folhetim vários relatos veríditos de travestis e mulheres transexuais. Dentre elas, estiveram Maite Schneider, Laysa Machado, Chopelly e Marina Reidel. Assista:



- A cantora Divina Valéria, uma das grandes artistas trans, também fez algumas pontas em novelas. Como em Explode Coração, 1995, em que incomoda o casal Lucineide (Regina Dourado) e Salgadinho (Rogério Cardoso).

- A cantora Mel Gonçalves, a Candy Mel da "Banda Uó", esteve cantando "Pula a Catraca Que a Festa Tá liberada" em um episódio de I love Paraisópolis, em 2015. 


Sabe de mais? Deixe o seu comentário que acrescentamos!

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

1 comentários:

thamiresgarcia disse...

Melhor. Trexo de Tieta com rogeria , ainda bem que estão abrindo as portas por ai centro oeste , sudeste que aqui no norte ta cada vês pior bjsss

Tecnologia do Blogger.