Pride

Duas estudantes transexuais se formam pela Universidade Estadual de Maringá



.
Duas mulheres transexuais realizaram o sonho do diploma pela Universidade Estadual de Maringá, a UEM. Nos últimos dias 14 e 14, Daniele de Oliveira e Naomi Neri participaram da coleção de grau por pedagogia e biologia, respectivamente, e foram respeitadas em sua identidade de gênero e nome social.

+ Ex-gestora, Ângela Lopes faz duras críticas à militância trans


Em seu Trabalho de Conclusão de Curso, Daniele defendeu o estudo Histórias Orais: Educação Sexual e Informal de Docentes do Curso de Pedagagia da Universidade Estadual de Maringá. Já Naomi defendeu o TCC “Transexualidade e Formação de Professores: como são vistas as/os trans na escola”.

Além dos temas dos trabalhos, as universitárias abriram espaço e fizeram história dentro da UEM, uma vez que foram as primeiras a solicitar o reconhecimento de direitos a essa população. Em agosto de 2010, Daniele entrou com um pedido para que seu nome social fosse adotado na instituição. Em 2013, foi regulamentado e oficializado o direito ao nome social, com sistema de acordo com a solicitação.

Hoje, para a trans que queira usar o nome social, é preciso um requerimento protocolado no setor responsável pelo controle acadêmico da Universidade. Passam a ter o nome social o Registro Acadêmico, as listas de frequência em sala, e os editais de nota. No verso do RA fica grafado o nome social para que a estudante possa utilizá-lo fora da instituição. Vale dizer ainda que o nome civil fica disponível somente na administração da UEM, nunca para alunas, professores e coordenadores.

Parabéns! As informações foram obtidas pela Folha Regional de Cianorte. 

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.