Pride

Jovem revela que descobriu gravidez pouco depois de se declarar homem trans



.
Henrý Steinn
é um jovem de 19 anos que pouco depois de se declarar homem trans teve uma grande surpresa: estava grávido. E que, caso quisesse vivenciar esta paternidade, precisaria interromper temporariamente o tratamento hormonal com testosterona.

+ Modelos mostram em ensaio que homens trans podem ser gays

Embora a gestação de homens trans ainda hoje seja tabu e a vontade de passar pela transição de gênero era grande, Henrý se empolgou com a oportunidade de ter seu próprio filho. Ele já havia sido incentivado por seu psiquiatra a pensar a respeito no formato de família que queria.

“Foi um pouco chocante quando comecei a desconfiar da gravidez, mas logo comecei a ver como uma oportunidade de ter o meu próprio bebê”, declarou ao site internacional Gay Iceland. 


Foi assim que
o bebê, fruto do relacionamento do jovem com o namorado do jovem, Thorir Leó Pétursson, chegou ao mundo no dia 13 de abril. E é a mais nova alegria na vida de Henrý.

Durante a gestação, ele declara que percebeu um aumento de hormônios femininos no início. Mas garante que após a amamentação pretende iniciar finalmente o tratamento com hormônios masculinos. “Me sinto muito melhor deste lado do espectro masculino e vou continuar com o tratamento logo que eu puder”, declarou.

Parabéns, papai!

Tome nota! Sim, ao contrário do que sugerem comentários transfóbicos publicados nas redes sociais, Henry também é o PAI da criança e vivencia a PATERNIDADE. Afinal o fato de engravidar, gestar e dar à luz - características socialmente e comumente atribuídas à mulher cis - não tira dele a identidade de homem trans.

Em pesquisa chamada "Corpos Ressignificados", o militante brasileiro Leonardo Peçanha, do Ibrat, diz que o corpo do homem grávido é um corpo ressignificado duplamente, por ser trans e por estar grávido. "E esta é apenas uma condição biológica e fisiológica que o corpo do homem trans permite".

"Homens grávidos começam a ser realidade nem todo o Mundo. É mais difícil para um homem trans engravidar, porque socialmente quem engravida é a mulher. Só que entendo que quem engravida é o corpo. E que ser homem ou mulher não está ligado na questão do genital e nem do fisiológico, está ligado à identidade. Portanto, o fato de um homem trans engravidar não vai fazê-lo deixar de ser homem por causa disso. Ao contrário, precisa ser muito homem para engravidar", declarou.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.