Pop e Art

Exposição "Flores Para Tita" ganha doc. e traz vivências de pessoas trans



.
O sucesso da exposição Flores Para Tita, de Andréa Magnoni, inspirou a produção de um documentário homônimo, que tem previsão para setembro. Ele está sendo gravado em Salvador e conta com entrevistas de diversas pessoas trans.

+ LGBTs são transformados em Mona Lisa em exposição fotográfica


A produção é encabeçada por Susan Kalik, que faz a sua estreia e procura humanizar e trazer histórias de pessoas que se descobriram trans. Ou seja, travestis, mulheres transexuais, homens trans e outras transgeneridades.

Uma das 15 entrevistadas, por exemplo, é Sofia Favero – conhecida como a Travesti Reflexiva, página no Facebook, que reúne mais de 200 mil pessoas. Ela, que é estudante de psicologia, participou do ensaio fotográfico e também do documentário.

“Elas deram depoimentos sobre suas vidas. Contaram, por exemplo, como se descobriram transgêneras, relataram momentos de luta, de preconceito, de felicidade”, diz a diretora ao Correio 24 Horas. “Ele terá também uma carga política. Queremos discutir o que se entende, hoje, por feminino e masculino”.




.
A trilha sonora original é assinada pelo músico Peter Marques, filho de Susan. O marido da cineasta, Thiago Gomes, é diretor-assistente e editor.

Vale lembrar que "Flores Para Tita" foi inspirada na história do tio trans de Andréa que viveu nos anos 70 em Terra Roxa, interior do Paraná. Ele era visto como uma mulher lésbica e cometeu suicídio, depois de sofrer um estupro e ter engravidado. Ele deixou uma carta para a família, pedindo para que fosse enterrado com roupas de sua identidade masculina, mas conforme mandava a tradição, ele foi enterrado vestido de noiva. A família deixou as roupas masculinas ao lado do corpo.

“Vinte anos depois, ao fazerem a exumação do corpo, não restava nada do vestido e ao lado da ossada foram encontradas as roupas pretas, intactas. Mistério pelo qual a família nunca teve explicação”, diz Andréa.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.