Pride

Quer anunciar ou contratar serviços sem transfobia? Site brasileiro te dá opções




.
Por Neto Lucon

Não é raro encontrar relatos de pessoas trans que sentiram transfobia ao solicitar algum serviço. Foi pensando nisso que foi criado recentemente o TranServiços, uma página em que reúne profissionais que trabalham sem transfobia. E que abre espaço para pessoas trans disponibilizarem aquilo que sabem fazer em seus trabalhos autônomos.

A ideia foi do ativista trans e artista plástico Paulo Bevilacqua em parceria com a transfeminista e especialista em tecnologia da informação Daniela Andrade e a empresa Thoughtworks, consultoria que cria e entrega softwares. E tem duas premissas: divulgar profissionais trans-friendly (que não sejam transfóbicos) e também abrir oportunidade para pessoas trans e travestis que não têm oportunidade no mercado formal de trabalho divulgarem seus serviços.

De fácil acesso, a ferramenta permite que qualquer pessoa (cis ou trans) possa se inscrever e ofertar os seus serviços. Ou então contratar tais serviços. “Não há distinção, pois no final das contas o que nos interessa é que a população tanto possa obter serviços que não as discrimine, como ofertar seus serviços, sem qualquer discriminação ou distinção em função de sua identidade de gênero”, diz Daniela. 

Ao comentar as diferenças do TranServiços com outra iniciativa, o TransEmpregos, que visa oferecer vagas de emprego para pessoas trans, Paulo explica: “Vimos que apenas anunciar vagas de empresa que se dispõem a ser transinclusivas não seria suficiente para ajudar todo tipo de pessoa trans ou travesti, porque algumas simplesmente estão bem trabalhando apenas para si mesmas. Além do fato de que é muito importante se criar uma rede de profissionais que tenham alguma experiência com a questão trans, especialmente médicos e advogados”.

Para quem não sabe, 82% das travestis e mulheres transexuais abandonam o ensino médio por causa da discriminação (segundo dados da RedeTrans). E 90% do grupo trabalha como profissional do sexo (de acordo com a Antra), sendo que parte dessa população está inserida devido a falta de oportunidade. Desta forma, é fundamental que haja medidas de apoio voluntário como esta. 

EXPECTATIVAS 

Daniela explica que a criação do site contou com a participação e opinião de diversas pessoas trans e travestis desde o piloto. “Achamos importante essa interação, afinal o site é criado principalmente para auxiliar esta população, de forma que pensamos em continuar a atualização, transformando as opiniões pertinentes e que sejam possíveis de realizar em novas implementações”.
Home do site TranServiços


.
Ela defende que o site tem tudo para não ser apenas uma “boa ideia” por ser uma ferramenta que poderá ser alimentada pelas próprias pessoas interessadas em divulgar os serviços ou que procura os serviços. E que independe de grandes investimentos, enorme mobilização ou boa vontade de corporações inteiras.

Paulo diz que a expectativa é de que o site cresça ao ponto de incluir cadastros de outros países e que as avaliações possam ajudar quem procura profissionais. “É importante lembrar que nem tudo que se diz inclusivo para LGB necessariamente contempla pessoas trans e travestis”, pontua.

Você pode conhecer a página – e dar preferência para profissionais trans ou trans-friendly - clicando aqui.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.