Realidade

Esfaqueada por quatro, mulher transexual Natylla Mota volta a ser agredida em hospital



.
Por Neto Lucon

Uma mulher transexual foi agredida e esfaqueada por quatro pessoas – um home cis e três mulheres cis. No hospital, ela volta a ser agredida e agoniza esperando atendimento no chão. A cena absurda que caiu em vídeo na internet é revoltante, mas corriqueira para quem faz parte de um grupo que sofre violência transfóbica e institucionalizada diariamente.

Natylla Mota, de 21 anos, estava no dia 2 de outubro em uma comemoração política na cidade de Maiquinique, no centro sul da Bahia, quando começou a ser alvo de chacota de um casal – um homem e uma mulher cisgêneros. Ela se defendeu da violência verbal, continuou na comemoração, mas não tinha ideia do que aconteceria depois.

Após sair da festividade e caminhar para a sua casa, ela foi novamente abordada pelo casal, que estava acompanhado de outras duas mulheres cisgêneros, que seriam da família do casal. Eles deram socos, pontapés em Natylla, que não conseguiu se defender. Em dado momento, os agressores deram sete facadas na jovem com uma peixeira.

Caso só se tornou público após vídeo vazar no Facebook
Natyla foi encaminhada para o Hospital Cristo Redentor, na cidade Itapetinga, mas os agressores a acompanharam. Ensanguentada, ela agonizava enquanto continuava a sofrer tapas no rosto e novas agressões verbais. Para piorar, os funcionários de saúde do hospital demoraram a prestar socorro e a fizeram esperar no chão.

“Alguém, por favor”, gritava ela, segurando o lugar onde foi esfaqueada.


VÍDEO NA INTERNET

Apesar da forte violência, o caso só teve repercussão – e causou comoção – porque um vídeo de Natylla foi publicado no Facebook e se tornou público. Nele, a vítima aparece sendo agredida por uma mulher cis no chão do hospital e um rapaz corre de um lado para o outro pedindo ajuda. Uma profissional de saúde se aproxima, olha e sai. Até o fim, Natylla não é socorrida.

Na sexta-feira (14), ou seja, 12 dias após o ocorrido, o delegado titular Irineu Alves Andrade (foto abaixo) esteve no hospital onde a vítima continua internada para colher depoimento. Foi registado um boletim de ocorrência contra os agressores e também contra o hospital por omissão de socorro. E iniciaram as investigações.




.
N
inguém foi identificado ou preso até o momento.

Os coletivos da Diversidade Sexual de Vitória da Conquista e Transfinas irão acompanhar o caso. E fazer manifestações contra o caso envolvendo Natylla quanto todas as demais violências transfóbicas contra travestis, mulheres transexuais e outras identidades trans.

Natylla se recupera no Hospital Cristo Redentor, tem o estado de saúde estável. Segundo amigos, apesar de bastante machucada, ela não corre risco de morte. Que se recupere logo, consiga se livrar do trauma dessa violência e que seus agressores sejam punidos.

Assista ao vídeo publicado.
(alerta: imagens são fortes)


About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.