Pride

Ato em memória de Laura Vermont em Centro LGBT repudia crimes de transfobia


Por Neto Lucon

Um ato em memória da travesti Laura Vermont – que foi brutalmente assassinada no último ano - foi realizado na quarta-feira (09), às 14h, no Centro de Cidadania LGBT Laura Vermont, localizado na zona leste de São Paulo. E repudiou os crimes de transfobia.


Durante a manifestação, que fez parte do Festival do Livro de São Miguel, familiares, amigos e militantes LGBT receberam uma oficina de lambes com o coletivo Lambidas Periféricas. E deixaram as paredes marcadas com várias mensagens contra o preconceito.

"Todos contra a transfobia", "Somos todos Laura Vermont", "- Repressão, + Lacração", "Não me negue o direito de ser quem sou", "Tô com elas", "Respeite as mona", "menos preconceito", "transfobia mata", foram algumas das frases pintadas. Uma imagem de Laura também foi fixada.

Uma apresentação do coletivo Bichx Soltx – Homens de Saia – também foi dedicada à Laura. Os pais da jovem, Jackson de Araújo e Zilda Vermont, estiveram presentes e participaram de toda a homenagem, bem como outros familiares, amigos próximos e militantes.

"Queremos justiça e que os assassinos sejam presos. Laura faz muita falta, éramos muito unidas. Ela era o meu dodói e era a alegria da família Jamais pensamos que o preconceito fosse tão grande a esse ponto", declarou a irmã Rejane Laurentino de Araújo.


Veja fotos:
Amanda Marfree, que trabalha no Centro de Referência LGBT Laura Vermont
Os pais de Laura, Jackson Araújo e Zilda Vermont
 
A irmã Rejane Laurentino de Araújo

Apresentação do coletivo Bichx Soltx - Homens de Saia

O CRIME

A Laura foi assassinada em 20 de junho de 2015, após ser brutalmente agredida por cinco transfóbicos e receber um tiro dos policiais que deveriam socorrê-la. Os PMs mentiram em depoimento e chegaram a ser presos, mas foram liberados após pagar fiança.

Laura Vermont
O IML diz que Laura morreu vítima de traumatismo craniano causado por agente contundente.

Os cinco réus Van Basten Bizarrias de Deus, Iago Bizarrias de Deus, Jefferson Rodrigues Paulo, Bruno Rodrigues de Oliveira e Wilson de Jesus Marcolino respondem em liberdade por homicídio doloso – ou seja, quando há a intenção de matar.

No dia 28 de novembro de 2016, vai acontecer às 12h40, a 2ª audiência no Fórum Criminalista da Barra Funda. A família pede a presença de todos para uma manifestação em prol de justiça.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.