Realidade

Manoel Zanini, ex-diretor da Associação da Parada de SP, morre aos 66 anos


Por Neto Lucon

Morreu aos 66 anos
Manoel Antônio Balester Zanini, produtor cultural, militante histórico e ex-diretor financeiro da Associação da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Na quarta-feira (02), ele foi vítima de um infarto fulminante em seu apartamento em São Paulo e não resistiu.

Zanini atuou como diretor financeiro da Parada de 2008 a 2010 e foi muito importante na história da manifestação em São Paulo. Sobretudo no primeiro ano, quando conseguiu captar verba e viabilizar a manifestação.

Em entrevistas, ele defendia a importância da Parada na visibilidade da comunidade LGBT na política e rebatia quem a desmerecesse pelo clima de festa. "O caráter lúdico da Parada faz parte da cultura brasileira, e não é nossa intenção distanciarmos isso. Pedir para que as pessoas marchassem no estilo militar seria terrível. Nossa forma de protestar é indo para a rua, dançando, cantando e celebrando".

Em conversa com o NLUCON
o ex-presidente da APOGLBT Alexandre Peixe dos Santos afirma que Zanini foi importante na Parada. E que perdeu um grande professor e um grande amigo. "Aprendi muito, levei muitas broncas. Ele me deu o livro ‘A arte da Guerra’ e disse para ler sempre, pois a cada lida seria interpretada diferente Vou sentir muita falta dos nossos papos, dos nossos cafés. Descanse em paz, meu querido mestre”, diz.
Foto da Parada do Orgulho LGBT de 2008

Nas redes sociais, diversos amigos, familiares e militantes lamentaram a morte. Todd Tomorow declarou que ele “contribuiu por um mundo mais igualitário e seguro para todas e todos”. O presidente do GGB Luiz Mott destacou que Zanini era “gentil e bem humorado”, tendo opiniões críticas sobre o movimento e política. Já a drag Ioio Vieira de Carvalho afirmou estar triste com a partida “de um cara que já fez muito pela comunidade gay”.

Zanini é natural de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, morou no Recife e passou os últimos anos de sua vida em São Paulo. Além da Parada, ele estava sempre envolvido na produção de projetos culturais. Segundo pessoas próximas, cogitava uma orquestra no Largo do Arouche para os LGBT.

O corpo foi velado na quinta-feira (3) na Vila Mariana, em São Paulo. E às 11h desta sexta-feira (4) seguiu para o crematório da Vila Alpina, Av. Francisco Falconi, 837.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.