Pride

Casa nas cores da bandeira trans resiste em frente de igreja fundamentalista


Por Neto Lucon

Em uma dessas buscas de imagens sobre a população no Google, me deparei com uma casa pintada nas cores da bandeira trans – azul, rosa e branco – e cliquei na matéria para saber do que se tratava. E, sim, é uma daquelas histórias de amor e resistência.

A casa foi construída e pintada há quase quatro anos na cidade de Topeka, estado de Kansas, nos Estados Unidos pela organização sem fins lucrativos Planting Peace. E foi localizada exatamente... em frente da Igreja Batista de Wetboro, que é conhecida por lutar contra os direitos LGBT.

A igreja chegou a carregar faixar LGBTfóbicas, comemorar e a tentar atrapalhar o velório de uma das vítimas de Orlando.

Um dos fundadores da casa Aaron Jackson declarou que o espaço é aberto aos visitantes (150 por dia) e utilizado para eventos voltados para o movimento LGBT. E, detalhe, ela fica ao lado de outra casa com as cores da bandeira do arco-íris, destinada a toda a comunidade LGBT, que foi construída primeiro. 

Desta maneira, as duas se fortalecem e criam um espaço de resistência.





Martin Duun, chefe de uma empresa de imóveis, foi responsável pela compra da nova resistência assim que soube que a ong estava interessada. “Eu tenho três filhos e se um deles fosse transgênero, gostaria que houvesse um lugar que o aceitasse e celebrasse”, disse ao Huffington Post. “Vivo em uma vizinha progressista e meus filhos vão a uma escola acolhedora a estudantes transgêneros, mas sei que essa não é uma realidade”.

No período, Avery Jackson (a garotinha que está na capa da National Geographic) visitou a casa e disse: “Achava que uma casa transgênera seria só um sonho, mas agora é realidade. Eu amo a bandeira trans. É linda e me faz sorrir. Estou feliz que nós temos uma casa como bandeira, para mostrar que pessoas trans são lindas e isso as fará sorrir”, declarou ao Daily News.

Aaron Jackson também destacou que a Casa é importante porque pessoas trans comumente tentam suicídio, tem direitos violados, são desvalorizadas e sofrem ataques. “Estamos pintando (voluntariamente) essa casa hoje como um lembrete permanente de nossa mensagem à nossa família trans: vocês são amadas, valorizadas, apoiadas e lindas. Não há nada errado com vocês e nós vamos apoiá-las”, afirmou ao Huffington Post.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.