Realidade

Após declarações transfóbicas, delegado é afastado das investigações do assassinato de Jenni Celia

Ênio Matos (à esquerda) disse que Jenni (ao centro) e Eduardo Mattos

O delegado Ênio Matos foi afastado nesta semana das investigações do assassinato da mulher transexual Jennifer Celila Henrique, de 37 anos, na madrugada do dia 10, em Florianópolis. Ele havia dado declarações consideradas transfóbicas.

Pouco depois de encontrar o corpo, Ênio descartou se tratar de um crime de transfobia, disse que o homicídio era motivado por uma “transa mal acertada” e frisou que Jenni “não era mulher, era homem” e que este era apenas o seu “nome de guerra”.

As declarações geraram revolta na manifestação que ocorreu sábado (11) em repúdio ao assassinato. 
Agora, o crime será investigado pelo delegado Eduardo Mattos, da 8ª Delegacia de Polícia, que cobre o norte da Ilha.

Porém, o comando da Polícia Civil da Região Metropolitana de Florianópolis não diz que a mudança ocorreu devido as declarações de Ênio, mas porque Eduardo já investiga outros homicídios ocorridos no norte da Ilha em uma força-tarefa desde janeiro.

“Desde o início do ano, o delegado Eduardo está com os casos do norte da Ilha. Sobre o crime, hoje ainda é prematuro dizer qual a motivação. A Polícia Civil está toda empenhada em resolver essa situação, mas a gente não descarta nada, nem a questão de gênero, nem passional, motivo torpe...”, declarou o delegado Verdi Furlanetto, diretor de Polícia da Grande Florianópolis ao DC.

Ele salienta que a opinião de Ênio não reflete a opinião da Policia Civil.

Jennifer Celia Henrique tinha 37 anos, era vendedora de cosméticos e foi encontrada em um terreno de Florianópolis, Santa Catarina. Ela apresentava lesões na cabeça, que segundo amigos foram motivadas por pauladas que ela teria levado. Até o momento ninguém foi preso.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.