Pop e Art

Fora do script, homens trans pedem direito à fala e ocupam espaço no “Amor e Sexo”


Jordhan Lessa, Kaique Theodoro e Théo Silveira participaram desta quinta-feira (2) do programa “Amor e Sexo”, da TV Globo. Inicialmente, eles foram convidados para uma participação na plateia, com figurino de carnaval, fizeram o ensaio de abertura e ficaram na plateia.

Ao verem mulheres transexuais, travestis, não-binários, drag queens e outras identidades tendo direito a fala, Jordhan desceu da plateia e falou diretamente com a apresentadora Fernanda Lima.

“Durante as gravações, os debates que sugiram foram ótimos e todos – que estavam programados – tiveram espaço de fala. Eu fui ficando incomodado com isso, porque foram citados os homens trans, só estávamos nós três lá e achei injusto não falarmos nada. Abusadamente, desci e falei com a Fernanda. Ela falou com a diretora e autorizou a nossa fala”.

Quando Jordhan contou para o NLUCON sobre a gravação, ela ainda não havia ido ao ar. E estava torcendo para que o momento não fosse cortado. E realmente não foi. Isso reflete que invisibilização de homens trans continua, mesmo em espaços em que se propõe a discutir o assunto, mas que é preciso mostrar que homens trans existem e resistem. 



NO PROGRAMA

O modelo Kaique Theodoro disse que em relação a direitos os homens trans eles ainda estão invisíveis. “A gente está começando a subir pequenos degraus, caminhando muito lentamente”.

O policial Jhordan Lessa, declarou, que chegou a ser “menino de rua, expulso de casa e esteve em um manicômio. Aos 49 anos, é servidor público no Rio de Janeiro e autor de livro. “Então a gente procura levar esta possibilidade de dizer que nós existimos e resistimos para aqueles meninos lá da periferia, que não tem acesso a esses canais que a gente tem”.

Já Theo diz que sente para ele ser reconhecido como homem trans é difícil porque ainda tem os intrusos. Fernanda pergunta o que é intrusos. Ele explica: os seios. E ela ri. “Então eu ainda sou visto como uma mulher lésbica e isso me invisibiliza. Porque o homem trans é visto quando eles já fizeram a cirurgia. Estou passando por todo processo. E estou no caminho”.
Kaique, Jordhan, Jaqueline Gomes de Jesus, Theo e Eduardo Seiblitz

Arrasaram!

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

1 comentários:

Matinhos disse...

Muito importante esse espaço. Foi esclarecedor. Muita gente não sabe de nada é só descrimina. Parabéns.

Tecnologia do Blogger.