Header Ads

(+18) Mulher trans Pamela Belli posa nua para ensaio e diz: “Ser mulher é mais que genital”


Por Neto Lucon

“Não nasci no corpo errado, nasci na sociedade errada”, diz o cartaz que a cam girl Pamela Belli, uma mulher trans carioca de 22 anos, segurou para uma sessão de fotos. Ela combatia as pressões sociais para se encaixar num modelo e provar o que sempre foi. Uma mulher.

Corpo tá certíssimo!
Sim, uma mulher, independente do corpo ou do fato de ter um pênis ou uma vagina. Ou de ter nascido com um pênis ou uma vagina. Mensagens que passou por meio de um ensaio para o fotógrafo Marco Perna. Em fotos realizadas ao ar livre e também em estúdio.

“Quis mostrar que mulher trans são mulheres sim, independente da cirurgia ou não. Muitas sofrem e não se aceitam porque os outros não a aceitam. Mas não há nada de errado conosco”, diz.

Pamela admite que durante muito tempo também cogitou passar pela cirurgia de readequação genital, mas percebeu que era mais uma tentativa de ser aceita. “Quando falamos que somos mulheres trans, a primeira pergunta que fazem é ‘mas você é operada, né?’, ‘nossa, você é linda, tem que tirar isso para virar uma mulher perfeita’. E não é bem assim. Isso é algo pessoal, não imposto”.








Para ela, ser mulher está na forma como se vê, se reconhece e se identifica – e também descobriu que é estar na luta diária contra o machismo e a misoginia. “Sinto-me completa hoje em dia e sinto que posso empoderar outras meninas que rejeitam seu pênis por pressão da sociedade, que dizem que para ser mulher tem que ser operada”, afirma. "Ser mulher é muito mais que genital".

NÃO COLOQUE ROUPA DE MULHER


Pamela é aquela garota que pode estudar ao seu lado, ser sua amiga e ser homenageada no Dia Internacional das Mulheres. Mas que descobriu desde cedo que a sociedade cisnormativa não aprovaria sua identidade de gênero e que seria alvo de um preconceito pouco abordado pela mídia, mas muito presente no cotidiano: a transfobia. 

"Podem falar o que quiser. Só
não garanto abaixar a cabeça"
A começar dentro de casa. “Minha mãe disse: ‘Pode ser o que quiser, mas não coloque roupa de mulher’”. Ela já era uma e aos 14 anos enfrentou a família e teve que sair de casa. Ser excluída da família foi o pior preconceito que poderia sofrer e, então, estava preparada para tudo.

“Cai para pista e aprendi que aquela foi a transfobia que mais me doeu e o que viesse depois eu levaria de boa. Não me matando e não me levando presa por ser quem eu sou, podem falar o que quiser. Só não garanto abaixar minha cabeça por isso”.

Ela não só vestiu “roupa de mulher”, como começou a fazer o tratamento hormonal, que lhe deram o belo par de seios. “Muitos comentam pelo fato de ser ‘naturais’”. “Tenho silicone no bumbum, coloquei muito nova, hoje em dia não colocaria”, pontua.




Nas ruas, aprendeu de tudo, as coisas certas e erradas. Rodou de casa em casa – inclusive de cafetinas que aceitavam menores. E sempre procurou ser uma pessoa traquila para se livrar de problemas e confusões.

NÃO ABAIXO A CABEÇA PARA HOMEM

“Quando conheci meu ex, com 17 anos, pude sair um pouco das ruas e continuar meus estudos me afastando das ruas”, afirma.

"Não estou para aturar certas
coisas de homem nenhum"
Hoje, se diz "encalhada", muito por não abaixar a cabeça para homem. Sobretudo os ciumentos e que acham que a mulher é mais uma posse dele.

“Meu último relacionamento foi com um homem trans machista, que queria me controlar. Chegou até a jogar bebida em uma balada com ciúmes. Não estou para aturar certas coisas de homem nenhum, sendo cis ou trans”.

MULHERES TRANS NO PODER

Quando era mais nova, Pamela era encantada por Patricia Araújo, travesti que faz participações especiais e que chegou a desfilar no Fashion Rio e a estrelar a novela Salve Jorge, da TV Globo. Era a sua musa de beleza.

Hoje, ela se inspira em mulheres trans da moda, como Lea T, Carol Marra e Valentijn de Hinh. E também nas manas do funk, como MC Xuxu e Mulher Pepita. “Você já foi no show dessa mulher? Xuxu manda muito bem nas letras".

"Quando crescer quero ser igual a elas. Representatividade total”, continua a carioca, bastante empolgada.

Pamela afirma que embora se identifique como mulher trans, não se incomoda de ser tratada ou falar que é travesti para levantar bandeira. “Somos todas mulheres, né? E queremos ser tratadas dentro do gênero feminino”. 


 


Hoje, ela mora no Rio de Janeiro, trabalha como modelo fotográfica (e nossa página é a primeira traz nudez frontal, sim, entrou para a história do NLUCON) e em sites de strip tease virtual.

“O meu sonho é ter uma vida estável, tranquila, e que eu passe das estatísticas de vida de mulheres trans no Brasil, que é de 35 anos. Isso me assusta muito”, finaliza ela, lembrando que o Brasil é o país que mais mata travestis e mulheres e homens trans no mundo.

Que você tenha muito sucesso, motivos para sorrir, histórias de conquistas, anos de vida. E que continue sendo essa mulher incrível e cheia de garra, levando a sua mensagem de empoderamento e representatividade para mais mulheres. 


3 comentários

Wilde carla disse...

A filha mais linda

Nay Luna disse...

A luta continua mana! Força, amor e sucesso! <3

Fabiana Silva disse...

Mulher de pênis?? No mínimo é travesti.

Tecnologia do Blogger.