Header Ads

Transserviços

Linn da Quebrada prepara 1º álbum, Pajubá, e conta com financiamento coletivo

(crédito foto: Vivi Bacco/ Make: Felipe Ramirez/Ramirona)

A cantora Linn da Quebrada é voz, letra e corpo de resistência, representatividade e terrorismo quando o assunto é normas de gênero. Agora, a artista que nasceu no interior foi para a zona leste de São Paulo se prepara para lançar o primeiro álbum. Mas para ocupar este espaço, ela conta com a ajuda dos fãs para um financiamento coletivo (clique aqui e saiba mais).

O nome não poderia ser melhor – Pajubá – que se refere à linguagem construída a partir de palavras e expressões de origem africanas e ocidentais. “É utilizada principalmente por travestis e por parte da comunidade TLGB”, diz.

A cada contribuição, que é a partir de 10 reais, há recompensas diferentes. Vai desde single, versão física do disco, boneca de pano da cantora (essa eu quero!), camisetas, pochetes, uma noite de karaokê com Linn. E, detalhe, quem puder desembolsar 3 mil estará comprando um show da funkeira. Tá pensando que essa mona tá de equê?

Linn fala sobre ser transviadasapatão, corpo, desejos e afetos e, com todo o seu talento, já é sucesso com as músicas e clipes “Enviadescer”, "Bixa Preta", “Blasfêmea”, dentre outros. . Sua estética não é estática e nem feita para boy dormir, mas para tirá-los do lugar -“principalmente os que acham que podem tudo na glória de Deus e na força da pica” (como diz a música “Talento”, minha preferida). Muitos trechos, arrepiam do cóccix ao pescoço e bota geral para pensar.





“A partir do meu corpo. Dos meus afetos, das minhas relações, dos meus desejos, que sentia que esse era o lugar mais apropriado para se falar. E foi no corpo e pelo corpo que pude encontrar no que era apontado como fragilidade as minhas maiores potências. Como, por exemplo, o feminino. Eu passo a falar a partir desse lugar. Bixa, travesti, preta, da quebrada, filha de empregada doméstica. Aqui encontro a minha potência”, afirma.

Os fãs podem colaborar até junho. “Para mim é muito importante conseguir materializar esse disco, poder reunir nele uma série de ideias. Cada música para mim já é uma ação. O álbum irá reunir trabalhos já lançados e otras músicas inéditas. A ideia é produzir um espaço de intervenção sexual, uma rede de apoio e fortalecimento entre o feminino, independente em que corpo estiver localizado. É por acreditar nessa união que vejo esse álbum como resultado de uma construção coletiva, na qual cada uma, a partir do seu próprio território, ajudará como puder”.

Que o álbum saia logo e seja tão lindo e incrível quanto Linn Da Quebrada. Você pode contribuir clicando aqui. Nós do NLUCON faremos nossa contribuição.


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.