Header Ads

Transserviços

“Não é um documentário”, diz Gloria Perez sobre dar papel de homem trans a atriz cis


A autora Gloria Perez, que está no ar com a novela A Força do Querer, falou mais uma vez em entrevista ao jornal O Dia sobre ter escolhido uma atriz cis, Carol Duarte, em detrimento de um ator trans para dar vida a um personagem trans, chamado até o momento de Ivana.

Segundo a autora, o que ela está fazendo é dramaturgia e não um documentário – reafirmando que “ser trans não é sinônimo de ter talento para representar uma trans”. Anteriormente, ela justificou sobre a dificuldade de caracterização de um homem trans já hormonizado.

“Não estou fazendo documentário! Estou fazendo dramaturgia e dramaturgia se faz com atores (...) Imagine se em O Poderoso Chefão tivesse aberto mão de Marlon Brando para contratar um mafioso de verdade? Se em Dupla Identidade eu tivesse que abrir mão do Bruno Gagliasso para importar um serial Killer do corredor da morte? Estaria extinta a profissão de ator”.

Gloria só esqueceu de que a busca por representatividade trans em obras artísticas, feita pelo movimento Diga não ao TransFake,  não sugere que se coloque “qualquer pessoa trans” para interpretar qualquer personagem que seja. Mas que haja espaço (e emprego) para atrizes e atores, que são travestis, mulheres transexuais e homens trans, e que inclusive estão no teatro, curtas e filmes. Saiba mais sobre o movimento de representatividade clicando aqui


De qualquer maneira, após todo o debate sobre a escalação, ela vai trazer a atriz Maria Clara Spinelli, que é uma mulher transexual, na pele de uma vilã cisgênera. A escalação de Maria Clara já estava dada como certa, mas a divulgação de detalhes da personagem só foi dada após a polêmica.

Gloria diz na entrevista que busca sempre “tocar no humano”. “O humano sempre foi a paisagem de todas as minhas histórias, não importa que tipo de vestimenta as personagens usem que língua falem. Conto histórias de gente. Não quero chegar às pessoas através de discursos nem argumentos. O público simplesmente vai compartilhar do cotidiano da personagem trans seus sonhos, suas frustrações, suas vistorias, suas angustias. E isso é tudo”.

Talvez apenas mostrar o lado do personagem seja uma boa estratégia, porque se for esperar pelos argumentos e comparações dado à imprensa em geral...

Saiba mais sobre o assunto:


+ "Falta força do querer", diz atrizes sobre exclusão de artistas trans em novelas
+ Sucesso no teatro e na TV paga, ator trans revela por que não está na TV aberta

+ "A arte imita a vida, não é uma reprodução fiel", diz Maria Clara Spinelli

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.