Pop e Art

Peça de teatro em Pernambuco vai trazer elenco formado por atrizes e atores trans



O Teatro de Fronteira em parceria com o Teatro da Universidade Federal de Pernambuco está ensaiando um espetáculo, ainda sem nome divulgado, cujo elenco é formado por pessoas trans – travestis, mulheres transexuais e homens trans.

A intenção é levar para o palco as inquietações e desejos de quem é trans a partir da visão e do talento dela e deles mesmos, a maioria alunos da instituição. A estreia está prevista para este ano.

Dentre as atrizes que integram o elenco está Tanit Rodrigues, de 21 anos, e Verônica Valente, de 27 anos, estudantes do curso de teatro e de psicologia da UFPE, respectivamente. Verônica afirma que trabalha como atriz desde 2009 e que já realizou peças em sua cidade natal, Orobó, no Agreste, e curtas-metragens no Recife.

“No interior, eu percebia que perdia alguns personagens do sexo feminino por ser trans. Em compensação, uma de minhas personagens no teatro foi uma mulher cisgênero e foi muito bom para mim enquanto mulher trans, pois percebi isso como uma conquista. Temos pouco espaço, mas precisamos lutar por representatividade”, declara ao Diário de Pernambuco.

De acordo com o diretor Rodrigo Dourado, professor do departamento de Teatro da UFPE e pesquisador das questões envolvendo gênero, a peça visa falar da violência transfóbica e pretende humanizar as identidades trans.

“Há uma vontade de humanizar a comunidade trans, pois ela só chega para nós por meio do discurso médico, psiquiátrico. Essas pessoas são muito desumanizadas, medicalizadas. Muitos dos alunos começam a transicionar depois de entrar no curso e isso tira do corpo muitas amarras, muita repressão”, afirma.

Para quem defende que artistas cis podem interpretar personagens trans, pois faz parte do ofício do ator, o diretor rebate: “É falsamente simétrica. Diz-se que ser ator ou atriz é algo independente do gênero. No entanto, não é verdade que qualquer ator ou atriz pode interpretar todos os papeis, pois os atores e atrizes trans não têm o mesmo espaço. A comunidade está pleiteando o direito de fazer parte desta cena. Na minha opinião, um ator cis com um mínimo e empatia com a comunidade trans vai dar espaço para que um ator trans interprete um personagem trans”.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.