Header Ads

“Ele tentou matar a travesti e matou o meu pai", diz filho de vendedor atropelado


Auricélio Lima Vieira, de 55 anos, estava indo entregar tapiocas de moto no dia 7 de abril quando foi atropelado e morto por um carro que trafegava na contramão em uma rua do Bairro Joaquim Távora, em Fortaleza. O motorista tentava jogar o veículo contra uma travesti quando atingiu o senhor, que morreu no local.

A colisão foi filmada por câmeras de segurança e as imagens foram repassadas nesta semana pela família para o 4º Distrito Policial, que investiga o caso e que já tem um principal suspeito: Vitor Carvalho Alves, de 29 anos. 

Nas imagens, é possível ver uma travesti correndo pela rua e o motorista tentando jogar o carro contra ela. Ele entra na contramão e acaba atingindo fortemente o vendedor em sua moto, que é arremessado para longe. O motorista não presta socorro e foge com o carro quebrado, deixando-o estacionado em um supermercado.

Célio Leitão, filho do vendedor, afirmou em entrevista ao G1 que espera que a Justiça seja feita. “Ele invadiu a contramão e as imagens podem comprovar isso. Eu contratei um perito, que foi ao local e comprovou que o carro estava a mais de 80 km/h. Ou seja, é quase o dobro do limite permitido. Para mim, foi um homicídio doloso. Ele tentou matar a travesti e matou o meu pai", disse.

A família afirma que um boletim de ocorrência foi registado no 4º Distrito Policial, no Jaquim Távoa, que contratou um advogado para acompanhar o caso e que sabe o nome do suspeito, porém não recebeu respostas da polícia.
Outra câmera mostra a travesti fugindo e, depois, tentando acertar uma pedra no veículo

Segundo o delegado Munguba Neto, responsável pela investigação, o motorista foi identificado após se apresentar na delegacia dois dias após o ocorrido e alegou que estava fugindo de um assalto. “Ele apresentou a versão de que estava voltando da Praia de Iracema e quando chegou naquela altura foi abordado por assaltantes. Ele disse que estava fugindo e chegou a colher o motorista. Por isso, ele não foi preso em flagrante. Estamos finalizando o inquérito para remeter o caso à Justiça”, disse ao G1.


O suspeito pode responder por homicídio qualificado, de acordo com o artigo 121 do Código Penal, que prevê prisão de seis a 20 anos ou pelo artigo 312 do Código de Trânsito Brasileiro, que prevê detenção de seis meses a um ano ou multa.

A vítima tinha quatro filhos de dois casamentos, dois têm 11 e 13 anos e passam por dificuldades financeiras. Célio desabafa: “Não quero dinheiro, não quero nada. Só quero que ele seja preso e que a Justiça seja feita, porque estou cansado de acontecer certas coisas nesse país e não acontece nada”.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.