Pride

Escolas de São Paulo permitem que 365 estudantes trans usem banheiro de acordo com a identidade de gênero


Cerca de 365 estudantes trans – travestis, mulheres transexuais, homens trans... – usam o nome social nas escolas estaduais de São Paulo. E, segundo o site da Secretaria de Educação, também usam o direito de ir ao banheiro de acordo com a sua identidade de gênero.

O uso do banheiro correspondente ao gênero que se reconhece– ou seja, travestis e mulheres transexuais vão ao banheiro feminino, homens trans no masculino – seguem a lei estadual número 10.948, que versa sobre discriminação em razão de orientação sexual e identidade de gênero.

Para que o respeito funcione e tire dúvidas, a secretaria organizou uma série de documentos orientadores e videoconferências sobre o assuntos, que estão disponíveis para as diretorias regionais de ensino e escolas estaduais.

A Escola Estadual Rodrigues Alves, no centro de São Paulo, por exemplo, tem 21 estudantes trans (o maior número no estado) e todos eles e elas usam o banheiro de acordo com sua identidade de gênero. O professor Donizete Hernardes Leme declara que o respeito é um tema constante nas discussões da escola, bem como o respeito às diferenças.

“Estamos sempre atentos a esta questão. Não posso dizer que foi um trabalho fácil no começo, o convencimento de que o banheiro deve ser utilizado de acordo com a sua identidade, mas tentamos trazer este assunto para reflexão no ambiente escolar. Cada vez mais percebemos que os alunos estão mais confortáveis e respeitosos”, afirmou ele ao site da Secretaria de Educação.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.