Pride

Fórum TT do Rio de Janeiro institui 15 de maio o “Dia do Orgulho de Ser Travesti e Transexual”


Andrea Brazil (ASTRARJ), Bruna Benevides (GDN), Bárbara Aires, Wescla Vasconcelos (CasaNem), Jovanna Baby (FONATRANS), Indianara Siqueira (TransRevolução), Angela Lecrely (Instituto Angela Lecrely)

Por Neto Lucon

O Fórum Estadual de Travestis e Transexuais do Rio de Janeiro, que foi fundado em fevereiro de 2017, tem como primeira ação a instituição o Dia Nacional do Orgulho De Ser Travesti e Transexual, que ocorre no dia 15 de maio, com o tema “Rexistir para (Re)existir”.


Arte para o Dia do Orgulho de Ser Trans
A campanha será lançada nesta segunda-feira (08), às 18h, no Facebook e Twitter, com as hashtags #15Maio #DiaDoOrgulhoTrans #OrgulhodeSER #OrgulhoTT #OrgulhoTravesti #OrgulhoTransvesti, e o filtro da data na foto do perfil (clique aqui e faça a mudança).

O Fórum dialogou com a deputada estadual Enfermeira Rejane (PCdoB), que é presidenta da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da ALERJ, para a criação da PL que reconhece a data no calendário oficial do estado do Rio de Janeiro. A PL tramita na Câmara.


O objetivo é atuar no resgate da cidadania plena, inclusão social e enfrentamento da violência cometida pela sociedade em geral contra a população trans. Além da luta pela conscientização e prevenção do HIV/Aids e apoio às pessoas positivas. “Para que a nossa história seja lembrada, fique registrada e conhecida nacionalmente, e para que tenhamos cada vez mais Orgulho de ser quem somos”, diz Bruna Benevides, integrante do Fórum.

A data foi escolhida porque o movimento organizado de travestis e transexuais do Rio surgiu no dia 15 de maio de 1992, por meio do grupo ASTRAL – Associação de Travestis e Liberados, que se tornou a primeira Ong de travestis e transexuais da América Latina. Ela foi idealizada por seis travestis: Jovanna Baby, Jossy Silva, Elza Lobão, Beatriz Senegal, Raquel Barbosa e Munique do Bavier.

PL quer instituir oficialmente a data no calendário do Rio de Janeiro

O Fórum ressalta que a data do Dia do Orgulho Trans não tem a intenção de anular ou contrapor a Data da Visibilidade Trans, no dia 29 de janeiro, já ratificada no Brasil. “Mas vem agregar ainda mais força à nossa comunidade", diz o release enviado para a imprensa.

"
O 15 de maio marca uma data histórica para este segmento no Brasil, pois pela primeira vez essa população estava se organizando de forma política, o que causou visibilidade e repercussão na mídia que publicizavam a ação, dada a importância ao articular essas pessoas em associações para aumentar as forças coletivas e lutar pela existência das pessoas travestis e transexuais”.

O Dia do Orgulho Trans é apoiado pos Intituições Nacionais, Regionais e Estaduais. Entre elas ANTRA - ASTRA - ANTRAFA - IBRAT - FONATRANS - REDE TRANS EDUC - UNALGBT - ABGLT - RENOSP - ABRAF - UNEGRO LGBT - ANOTTRANS - FORUMTT-PI - FORUMTT-ES - CEDS RJ - ATRANSCE.

Fórum de TT do Rio de Janeiro

A fundação do Fórum de Travestis, Mulheres Transexuais e Homens Trans do Estado do Rio de Janeiro (FTTRJ) ocorreu no dia 1 de fevereiro de 2017, com a missão de ter voz e ser referência na luta trans em meio a um cenário político que requer união e estratégias para estabelecer a cidadania das pessoas trans.

Ele conta com nove instituições e militantes independentes, que lutam exclusivamente pelos direitos da população trans. E tem a missão de representar a população de travestis e transexuais do Estado do Rio de Janeiro, em todas as esferas e instâncias do poder público Estadual.

O objetivo principal é de organizar sem qualquer forma de discriminação, o maior número de pessoas para defender a liberdade de gênero, orientação e prática sexual de todo e qualquer indivíduo, prioritariamente travestis, mulheres transexuais e homens Trans, com o objetivo de promoção da cidadania e afirmação de direitos destas pessoas, construção de novos direitos e assessoria direta sobre a cidadania e dos direitos humanos.

About Neto Lucon

Jornalista. É formado pela Puc-Campinas e pós-graduado em Jornalismo Literário pela Academia Brasileira de Jornalismo Literário. Escreveu para os sites CARAS Online, Virgula e Estadão (E+), Yahoo!, Mix Brasil, no jornal O Regional e para a revista Junior. É autor do livro-reportagem "Por um lugar ao Sol", sobre pessoas trans no mercado de trabalho. Tem quatro prêmios de jornalismo, sendo dois voltados para as questões trans, Claudia Wonder e Thelma Lipp

0 comentários:

Tecnologia do Blogger.