Header Ads

Mulher trans que foi internada à força deixa a clínica e é encaminhada a abrigo


Por Neto Lucon

Após 11 dias internada em uma clínica psiquiátrica a pedido da mãe, a mulher trans Bruna Andrade de Cesár, de 23 anos, foi retirada da unidade pela Polícia Civil e encaminhada para um abrigo. A liberação ocorreu depois que a namorada Bianca de Cunha Moura denunciou que ela foi internada à força porque a sogra não aceitava a transexualidade da filha.

+ Denúncia: mulher trans é internada à força em clínica, no RJ


De acordo com a delegada Debora Rodrigues, da Delegacia de Atendimento à Mulher, Bruna afirmou em depoimento que no início não quis ser internada, mas “acabou indo para não aborrecer a mãe”. Ela declarou, todavia, que não deseja voltar a morar no mesmo quintal que Margarida Andrade, pois sente medo de ser internada novamente.

Após deixar a clínica, Bruna foi levada a um abrigo. “Ela precisa ser amparada por uma rede de psicólogos, advogados e voltar para o mercado de trabalho. O abrigo vai fazer parte desse acolhimento”, afirma a delegada.

As internação e as acusações continuam sendo investigadas. Bianca relatou que tanto ela quanto Bruna foram surpreendidas e agredidas no dia 11 ao serem abordadas pelos enfermeiros da clínica Anjos da Vida – Remoções Especializadas - na casa em que moravam em São Gonçalo, Rio de Janeiro. Segundo a namorada, Bruna não tem qualquer tipo de problema mental. E o motivo da internação é que a sogra não aceitava que a filha seja uma mulher trans.

+ Ministério Público e Polícia Civil investigam caso de internação


“A Bruna não era viciada em drogas, não apresentava distúrbios, não tinha surtos, era uma pessoa normal. Foi um sequestro baseado na transfobia e uma internação absolutamente ilegal”, afirma Bianca ao NLUCON.

No sábado (20), testemunhas, o dono da clínica, psicológica, a mãe e um dos enfermeiros que fizeram o transporte prestaram depoimento. Outros depoimentos devem ser solicitados a partir de segunda-feira (22). Vale ressaltar que a Polícia Civil solicitou o laudo e o nome dos médicos responsáveis que atestaram a internação de Bruna. Caso não haja essas provas, o caso pode configurar cárcere privado.

2 comentários

Allan Gomes disse...

Que ótima notícia!! Espero que ela fique bem! Toda a felicidade pra ela e pra namorada!

Valeria Vital disse...

Finalmente um pouco de justiça !

Tecnologia do Blogger.