Header Ads

Transserviços

Advogada travesti Márcia Rocha é capa da revista “Época Negócios”


Por Neto Lucon

A próxima edição da revista “Época Negócios”, que chega às bancas na próxima semana, fala a inclusão da diversidade sexual, de gênero, identidade de gênero e raça em grandes empresas. E traz advogada travesti Márcia Rocha – a primeira a ter o nome social no registo da Ordem dos Advogados do Brasil - na capa.

+ Advogada escreve livro ao lado de João Nery e T. Brant


“Uma boa visibilidade é fundamental para romper com estigmas e preconceitos. Dá para imaginar os preconceituosos e fundamentalistas vendo essa revista?”, comemorou a advogada, que está em viagem internacional de férias, ao NLUCON.

Na capa, Márcia aparece com um vestido cinza, blazer, meia calça e fica posicionada em posição semelhante à da atriz trans Laverne Cox na histórica capa da revista Time em 2014. Segundo ela, foram três horas fotografando. “Se tem alguma influência da capa da Laverne, não me disseram. Só dei a entrevista e fiz as poses (risos)”.

Com a chamada “Vamos falar de Diversidade?”, a publicação diz no título: “Grandes empresas como Carrefour, Monsanto, Bayer, IBM e Microsoft já perceberam que dar mais espaço a transgêneros, gays, negros e mulheres aumenta a produtividade e acelera a inovação. A lógica é simples: equipes diversas, soluções variadas”.

A advogada é uma das fundadoras do site TransEmpregos, cuja plataforma oferece vagas de empregos destinadas às travestis, mulheres transexuais, homens tras, pessoas não-binárias e outras transgeneridades, com a finalidade de incluir essa população, que enfrenta transfobia e carece de oportunidades, no mercado formal de trabalho. De acordo com a ANTRA, mais de 90% está inserida na profissão do sexo, muitas por imposição social. 

Em sua rede social, é possível ver o agradecimento de uma das beneficiadas, Marianne Clemente, à Márcia: “Gostaria de agradecer imensamente ao Transempregos, pois graças a vaga disponibilizada a nós mulheres trans e travestis, pude me recolocar no mercado de trabalho formal. E gostaria de dizer às meninas que em nenhuma hipótese desistam. Vai ter trans no escritório no Morumbi, sim”.



ADVOGADA E TRAVESTI

Ela afirma que ainda não leu a publicação, que deve chegar às bancas na próxima semana. Mas afirma que cada vez mais está vendo pessoas trans trabalhando, tendo orgulho de si mesmas e erguendo a cabeça. Dentre elas, está outra advogada trans, Gisele Alexandra Schimidt, que nesta semana fez sua primeira sustentação oral no Supremo Tribunal Federal. 

"E isso muda o mundo. O objetivo maior do Transempregos é não precisar mais existir”, defende. 

Márcia diz que aprendeu ao longo dos anos como profissional e militante que é preciso focar no bom, no justo e no eficaz, e fazer o que tem que fazer, sem ligar para intrigas, invejas e opositores. “Às vezes perdemos muito tempo e energia brigando entre nós ou dando ibope para inimigo. Mas eles acabam passando ao largo”.

Ao comentar os sabores e dissabores de ser uma advogada que se identifica como travesti, Márcia diz que é lidar com os olhares e o julgamento constante de todos, além da responsabilidade de estar representando todo um grupo de pessoas. "A beleza é ver as coisas mudando e saber que faço parte disso”, finalizou.

"Se teve alguma influência não sei. Só dei entrevista e fiz as poses", diz Márcia, que divou na capa assim como Laverne Cox

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.