Header Ads

LGBTs se reúnem para arte e militância na 17ª Feirinha Cultural em São Paulo

Rafaelly Domingues posa em uma das barracas da Feirinha Cultural LGBT

Por Neto Lucon

Diversas artistas, militantes, ativistas e pessoas LGBT participaram nesta quinta-feira (15) da tradicional Feira Cultural LGBT, que ocorreu no Vale do Anhangabaú, centro de São Paulo. Em sua 17ª edição, a feira trouxe 60 tendas e muitas atrações.

Várias delas traziam produtos destinados à população LGBT, oficinas culturais, praça de alimentação, carro para teste rápido para hiv e a divulgação do trabalho de algumas ONGs. As que trabalham voltadas para a população de travestis e mulheres transexuais eram a Rede Nacional de Pessoas Trans do Brasil (RedeTrans) e a ong Séfora’s de São Paulo.

A Rede Trans divulgou a "ação TRANSada" - "A Parada close é respeitar a identidade de gênero de pessoas trans". No stand, Sayonara Nogueira, Gretta Brunett, Thatiane Araújo, Cristiany Beatriz, dentre outras e outros militantes de vários estados, receberam o público, tiraram dúvidas, falaram sobre a programação especial para Parada e distribuíram panfletos informativos.
Jacque contou que ministério
se tornou ong

Jacque Channel, do Séfora’s, informou que o projeto deixou de ser ministério religioso para se tornar uma ong. A missão é a “inclusão radical de travestis e transexuais”. 

Ela continua com jantares todas as quarta-feiras às 19h, no CRD (Rua: Major Sertório: 292, centro- metrô república), além de roda de conversa, acolhimento psicológico, performances e encaminhamento.

Outras militantes trans também marcaram presença como Fernanda de Moraes, Janaina Lima, Alexandre Peixe dos Santos, Nicolle Mahier, Aline Marques, Marcia Lima, Paula Beatriz de Souza, Mirian Queiroz, Ariel Nobre, Rafaelly Domingues e Amandra Marfree...


No palco principal, que contou com a forte presença do público, se apresentaram artistas como Athena Joy, Gretta Star, Paulette Pink, Layla Ken, Divinas Divas, Safira Bengell, Leonora Áquilla e muito mais! Elas tiveram a direção artística de Heitor Werneck. 

Dentre os produtos vendidos nas barracas, havia DVDs de séries e filmes temáticos – como Transparente, Sense8 e RuPaul's Drag Race. E livros como Eu, Trans, de Jordhan Lessa, Transfeminismo, de Jacqueline Gomes de Jesus e colaboradores, e Uma Questão de Gênero, de Kamilla Oliveira


Também havia bandeiras LGBT, trans, camisetas, vestidos, bermudas, bonés, pulseira, perucas, santos e canecas temáticas.


O militante Léo Barbosa afirmou que levou uma canequinha trans no stand das Mães Pela Diversidade. Muita gente aproveitou a oportunidade para adquirir obras temáticas e colocar em dia a leitura, as produções LGBTs e preparar o figurino para Parada do Orgulho LGBT, que ocorre no domingo (18). Pelo jeito a Parada promete!

Uma publicação compartilhada por NLucon (@nlucon_oficial) em

Vale ressaltar que a Feira Cultural LGBT faz parte do calendário do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo e é organizada pela Associação da Parada. O patrocínio foi da Skol, Uber e Doritos. O Apoio Institucional foi do Governo do Estado de São Paulo, com palco iluminação e som, e do Accor Hotels. 

Confira mais fotos no Instagram do NLUCON clicando aqui

Um comentário

kadu disse...

Ola, Neto! Me chamou atenção a presença grande de igrejas evangélicas "inclusivas" e movimentos de LGBTs religiosas. Ainda não sei como reagir e gostaria de uma perspectiva nova sobre o assunto, mas seu artigo não citou isso. O que você pensa?

Tecnologia do Blogger.