Header Ads

Beijos protagonizados por mulheres trans em novelas (ainda) incomodam muita gente


Por NLUCON

Comemora-se no dia 6 de julho o Dia do Beijo. E pensando nessa data decidimos relembrar uma polêmica de cunho nacional – e envolvendo o beijo em uma mulher transexual - que ocorreu nos anos 90.

Em 1997 e 1998, a atriz e modelo Roberta Close vivia a vedete Maitê Flores na novela “Mandacaru”, exibida pela TV Manchete. O simples beijo na atriz foi tema dos noticiários e divergência entre artistas.

Tudo porque a personagem de Roberta na trama era mulher cis, sedutora e que se envolvia logo de cara com Agenor, personagem de Alby Ramos. De acordo com a revista Amiga, rola um beijo logo na primeira cena gravada.

Alguns atores fizeram questão de dizer que, caso rolasse uma cena de beijo com a atriz, eles simplesmente não fariam. O motivo é o desrespeito a identidade de gênero de Roberta, a transfobia e o medo de serem vistos em um beijo gay e serem apontados como homossexuais (o que na prática nem seria, uma vez que Roberta é uma mulher).

“Na época, os atores queriam ser os bonitões, mas sem exercer a função na história. Ele disse: eu sou contra (beijar), pois vai depor contra a minha conduta de galã”, disse em entrevista ao Gugu, em 2015.


Revista "Amiga"  chegou a fazer a enquete "Quem beijaria Roberta Close na boca em uma cena?"

Roberta, que havia acabado de conseguir o seu registro de atriz no Sindicato dos Artistas, se sentiu muito constrangida diante de várias pessoas cochichando nos bastidores que não a beijaria em cena. E chegou ameaçar que processaria quem a desrespeitasse. “Fui chamada para interpretar a Maitê Flores, um papel feminino”, frisou ela, que foi convidada por Walter Avancini.

Na extinta revista Amiga, diversos artistas considerados galãs chegaram a opinar. Victor Fasano declarou que nunca o convidaram para fazer um beijo homossexual, demonstrando não entender que se trata de uma mulher. “Teria que pensar (se beijaria). Se o papel fosse bom...”. Gerson Brenner disse que a ameaça de processo era um exagero, que ela estava se autodiscriminando e afirmou: “Se Roberta Close é mulher? Não, ela é Roberta Close”.

Roberta Close em cena de Mandacaru
Vários outros demonstraram, por sua vez, estar longe de qualquer tipo de preconceito. Jandir Ferrari disse que, como seu personagem é um mulherengo na trama, certamente vai se envolver com Maitê Flores, logo é “claro que vou beijá-la e não vejo nenhum problema nisso. Sou um ator, estou a serviço do personagem”.

Concordaram ainda os atores Alexandre Borges, Antônio Grassi e Ângelo Paes Leme. “No mundo das artes o preconceito não pode existir. Um artista preconceituoso pode até perder uma grande cena”, afirmou Borges.

Alguns anos depois, a polêmica do beijo continua atual - muito pela falta de personagens trans e de atrizes trans que fazem tais papeis. Em 2004, o beijo do ator cis Alle Manas e da atriz travesti Bianca Soares em uma das cenas do reality show Protagonistas de Novela foi cortado pelo SBT. Na época, a revista TiTiTi chegou a noticiar: "Bomba! Bianca é travesti - alguém precisa avisar o Alle". 

Em 2015, a atriz transexual Carol Marra até chegou a ter uma cena de beijo com o ator Paulo Verling na série Espinosa, do GNT. Mas em um canal fechado, pouco repercutiu além de alguns sites de celebridades. Podemos dizer que ainda assim a vida amorosa de pessoas trans, com direito a beijos e amassos, bem como ocorre com outros casais heterossexuais cisgêneros, ainda está longe de ser retratada de maneira fiel pela arte.

Carol Marra e Paulo Verling na série Espinosa, da GNT

Vale dizer que outras personagens trans vividas por atrizes cis chegaram a ter cenas de beijo - como Ramona em "As Filhas da Mãe", exibida pela TV Globo. Porém, apesar da trajetória trans da personagem, essa possibilidade certamente foi dada pelo fato de os telespectadores não esquecerem que Claudia Raia é uma mulher cis fora da trama e que, sendo assim, está dentro dos relacionamentos heterocisnormativos. 

Tanto que o mesmo não ocorre quando a personagem é vivida por um homem cis, que rompe com esse padrão associativo na vida real (ou seja, as pessoas sabem que se trata de um homem). Ou com as mulheres trans e travestis, que continuam sendo desrespeitadas em suas identidades de gênero e que ainda são rotuladas como homens - logo, estão inseridas em relacionamentos que precisam ser evitados na TV. 

Ou seja, lá nos anos 90 Close abriu portas para que artistas trans interpretassem personagens cis em telenovelas, ascendeu o debate sobre beijo e até mostrou o seu corpo nu em plena rede nacional, tomando um banho de cachoeira completamente nua. Curiosamente, foi a primeira e única novela estrelada por Roberta, deixando uma lacuna e um conservadorismo que se perpetua até hoje. 

Sim, beijos protagonizados por mulheres trans e travestis (ainda) incomodam.  E olha que eles também podem ser dados em outras mulheres cis, trans ou travesti (caso a personagem for lésbica), em homem cis ou trans (caso a personagem for hétero), dentre outras possibilidades. 

Atores opinando se beijaria Roberta/ Mas, e Roberta, será que beijaria algum deles?

Um comentário

Anônimo disse...

Victor Fasano, gay e transfobico.. aff

Tecnologia do Blogger.