Header Ads

Em espetáculo, Leona Jhovs vive mulher trans de 2084 num Brasil dominado pelas mulheres


Por Neto Lucon

O Brasil de 2084 é governado por mulheres em suas pluralidades e que gozam de todos os seus direitos há quase 70 anos. Elas são empoderadas, curadas da dor do patriarcado, do machismo, da misoginia e da transfobia por meio do óleo da cannabis, produzidos dentro da Casa Cannabis, de Redução de Danos.

Este é o cenário da ficção científica teatral “Curare”, escrita e dirigida por Paulo Faria e encenada pelo Pessoal do Faroeste, todos os sábados (20h e 22h30) e domingos (19) até o dia 8 de outubro, na sede da Cia Pessoal do Faroeste, em São Paulo.

Dentre as quatro Amazonas do Apocalipse, está Luzia – personagem interpretada pela atriz Leona Jhovs. Conhecida como Peste (ainda tem a Fome, a Guerra e a Morte, vividas pela Carolina Nagayoshi, Cris Lozano e Cris Rocha, respectivamente), ela cuida das flores da Casa, a principal matéria prima para o óleo da cura, e vive o empoderamento de seu corpo. Assim como Leona, Luzia é uma mulher trans ou travesti.

“Está sendo maravilhoso interpretar uma personagem em que posso trazer as minhas verdades, no sentido de levar uma mulher trans travesti para a cena. Reforçamos para a sociedade os lugares onde nós, mulheres trans travestis, podemos estar além da marginalidade. Além disso, tive a liberdade de construir algumas poesias. Fiz algumas menções e trago nas flores algumas mulheres trans e travestis que quero homenagear”, declarou ao NLUCON

Dentre os nomes está o de Dandara dos Santos – travesti de 42 anos que foi brutalmente agredida, ofendida e assassinada em fevereiro deste ano em Fortaleza, Ceará. Dandara foi violentada em plena rua por diversos homens, colocada em uma carriola e levada para outro espaço, onde levou tiros na cabeça. Dada a insensibilidade, um dos acusados gravou o momento e ainda colocou nas redes sociais. O caso teve repercussão mundial.




DONA DO SEU SEXO

Com 70 minutos de duração, a trama é inspirada no conto O Alienista, de Machado de Assis, com a licença poética de transformar o médico Simão em Dr. Joana Bacamarte. Vivida por Thais Dias, ela é uma médica que se une às quatro Amazonas para curar todas as mulheres do mundo. Ao fim dos 70 anos, todas são libertadas da Casa e o Brasil é o maior exportador de cannabis e petróleo do mundo. 

Leona diz que a construção de Luzia está marcada pela referência de diversas mulheres – sejam elas cis ou trans. Desde que entrou na  companhia, a atriz passou por um processo de construção e desconstrução ao conhecer os relatos das meninas da Daspu e ao participar de um bate-papo com Amara Moira (travesti doutoranda e profissional do sexo), Erika Hilton (militante travesti) e Laerte Coutinho (cartunista transgênera). 

“Trouxe para o palco uma mulher que está livre, que é dona do seu sexo, que não tem amarras com o seu corpo, que não é necessariamente uma profissional do sexo, mas que não teria tabus ou não faria por imposição caso quisesse ser. É uma mulher que pode usar as roupas que ela quiser, que ela pode falar de sexo, pode amar várias pessoas, longe de ser recatada e do lar, a não ser que ela queira”, frisou.

A obra, que aborda outros assuntos, tem como fio condutor o feminino. Em sua cena, Leona canta a música "Uma Canção pra Você", dAs Bahias e a Cozinha Mineira, e é acompanhada pelos músicos Pedro Bezerra ( teclado), Victor Gennari (violão) e Eduardo Fonseca (voz e Cajon). “Estou em cima de uma mesa de bilhar e faço um show em cima dessa música. É uma alegria imensa”, disse.




ESPAÇO PARA FALAR DO FEMININO E POLÍTICA

Leona revela que até o momento não teve a oportunidade de receber muitas manas trans e travestis, mas alega que elas começam a vir. “Estamos ocupando um espaço muito legal para falar do feminino e deste momento atual da política”.

Além disso, é uma excelente oportunidade de prestigiar uma atriz que é mulher trans ou travesti que está há quatro anos na Companhia Pessoal do Faroeste. 


Gostou? Então venha conferir “Curare”, todos os sábados (às 20h e às 22h30) e aos domingos (às 19h) até o dia 8 de outubro, na Sede da Cia Pessoal do Faroeste (Rua do Triunfo, 301, Luz, São Paulo, Metrô Luz). Telefone para maiores informações (11) 33628883. 

Preço? Funciona no sistema de “pague quanto puder”.

Assista a um trecho de Luzia (Leona) na peça:




FICHA TÉCNICA:

Texto e direção: Paulo Faria
Elenco: Cris Rocha, Cris Lozano, Carolina Nagayoshi, Leona Jhovs e Thais Dias
Coro: Eduardo Fonseca, Karvalho Filho, Leandro Gomes, Nélio Reis, Paulo Carriel, Pedro Balmant, Tasso Corrêa
Musicista: Katia Baroni, Lucas Melo
Diretor assistente e preparador de elenco: Angelo Flávio Zuahale
Direção técnica: David Guimarães
Direção de vídeo: Dário José
Vídeo Mapping: Luciana Ramin
Captação e Operação de vídeo: Tayná Chagas
Técnicos de Som e músicos: Víctor Gennari e Pedro Bezerra
Figurino: Thais Dias e Paulo Faria
Costureira: Cida De Nini Benevenuto
Confecção das saias: Olga Riveiro
Cenário: Paulo Faria
Lambes: Paulestinos – Átila Fragozo e Renoir Santos
Visagismo: C. Kamura
Cabelo Bacamarte: Karina Creoleza
Stylist acessórios de cabeças: Davi Ramos
Cenotécnico: Marcos Freitas
Pinturas, objetos e execução de arte: Josiane Souza, Carolina Gracinda e Lucas Cardoso
Iluminação: Paulo Faria
Montagem de Luz: Tomate Saraiva e Aline Almeida, Aline Almeida
Operação de Luz: Fábio Cabral
Assistente de iluminação: Cícero Lucaro
Preparação e vocal e direção musical: Bel Borges
Canção: letra – Paulo Faria, Música: Rodrigo Zanettini
Preparação percussiva e sonoplastia: Jorge Peña
Preparação Corporal e desenho de movimento: Diogo Granato
Preparação de pole dance: Flá Monteiro
Assistentes de direção 1ª fase: Pablo Ginevro, 2ª fase: William Simplício, 3ª fase: Angelo Flávio Zuahale
Manutenção do espaço: Fredo Peixoto
Camareira e limpeza: Luzia Sotero, Teresinha
Alimentação: Natália Ferraz
Produção Executiva: Ana Flávia Varjão e Melissa Rudalov
Produção Administrativa: Mônica Azevedo
Produção de Montagem: Stella Marini
Produção de Comunicação: Brunner Macedo
Assistência de produção: Nalu Liraci, Henrique Schlickmann
Direção de produção: Gabriela Caetano
Fotos: Paulo Brazyl
Assessoria de imprensa: Adriana Monteiro - Ofício das Letras

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.