Header Ads

Transserviços

Militante trans Indianara Siqueira e outras nove LGBT denunciam agressão em show no RJ


Por NLUCON

Pelo menos 10 pessoas LGBT denunciam terem sido vítimas de violência LGBTfóbica na madrugada de domingo (02) por seguranças da festa “A Maior do Baile”, organizada pelo curso de Medicina da UFRJ, no Clube Monte Líbano, na Lagoa, Rio de Janeiro.

Entre as agredidas está Indianara Siqueira, militante transvestigenere e vereadora suplente do PSOL. Jobson José dos Santos Júnior e Luciana Vasconcellos chegaram a ser atendidos no hospital Miguel Couto e alegam ter sido vítimas de chutes e socos. Rhariane Maia e Lucas Pinheiro também confirmam a agressão.

No Facebook Jobson escreveu que os integrantes da Casa Nem – espaço que acolhe a população trans em vulnerabilidade social - foram "convidados de honra" na festa que fala sobre diversidade da UFRJ. Porém, ao verem se Indianara poderia subir no palco para representar o coletivo, eles foram recebidos com violência. Indianara chegou a levar um soco no rosto. “Praticamente todos os seguranças da festa vieram nos agredir e tivemos que reagir, declarou.

Para ele, ficou evidente que se tratava de uma agressão LGBTfóbica, uma vez que nada disso ocorreria se fosse um grupo de “meninas cis de classe média e branca”. O grupo prestou queixa na 14ª DP (Leblon) e o caso foi registrado como lesão corporal.



A Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDSRIO), da Prefeitura do Rio, confirmou que recebeu as denúncias e que está acompanhando as investigações da Polícia Civil. Até o momento foram solicitadas as imagens das câmeras de segurança do clube, a lista dos presentes e o depoimento dos seguranças das festas para tentar identificar os autores do crime.

A assessoria da drag queen Pabblo Vitar, que se apresentava na ocasião, afirmou que não presenciou os fatos. E disse que os seguranças acusados eram do evento e não vinculados a artista, que sequer tem equipe de segurança.

"Vamos cobrar e acompanhar uma apuração rígida do caso, e que os culpados sejam punidos", afirmou Nélio Geogini, da CEDSRIO. É aguardar...

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.