Header Ads

Gatíssimo! Lucas Pietro recebe título de Mister Trans Diversidade de Uberlândia


Por Neto Lucon

O mineiro Lucas Pietro, de 24 anos, é o Mister Trans Diversidade de Uberlândia, Minas Gerais. O gato recebeu o título no último fim de semana no salão de festas Liverpool da vereadora travesti Pâmela Volp em parceria com a ong Triângulo Trans.

Beijo duplo após o título
Lucas chegou a exibir traje de gala, desfilou só de sunga e também com a faixa para os presentes. Ele foi bastante aplaudido, elogiado e tietado com muitas fotos durante a noite.

O convite surgiu após mostrar beleza e desenvoltura no programa "Na Cama com Ylana" e pela importância de promover a visibilidade positiva aos homens trans. Até então não havia categoria voltada aos homens trans.

"A importância de participar é termos a mesma visibilidade de todas as letras que compõem o LGBT. E mostrar que existimos e temos o direito de ser quem somos", afirma ao NLUCON.

Ele destaca a necessidade da exposição, uma vez que muitos meninos se sentem mais seguros não falando publicamente sobre a questão trans. "Eu também tenho medo de sofrer preconceito. Mas se queremos visibilidade e direitos, precisamos dar a cara a tapa, precisamos nos expor", frisa.

Agora, ele vai participar da Parada do Orgulho LGBT da cidade e de todos os eventos relacionados à militância LGBT de Uberlândia, levando a visibilidade, a voz e a beleza do homem trans. Vale dizer que Lucas também é empresário e tem a loja de Minoxidil e produtos para barba "HeadEBeard" (Acesse aqui).

Lucas foi uma das pessoas que receberam o título

DE BEM COM O ESPELHO

Ao relembrar da infância e adolescência, Lucas afirma que sempre sonhou ter barba e vestir um terno. Sabia que as questões que envolviam seus sentimentos estavam voltados na questão de gênero e tudo fez sentido quando soube da existência da identidade homem trans e da possibilidade de passar pelo chamado "processo transexualizador". 

"Sempre soube que existia uma diferença, ainda que não soubesse o nome. E quando fiquei sabendo, nem passei pela fase 'bofinho'. Fui rumo ao sonho de ser quem realmente eu sou", conta ele, que foi em busca de mais informações sobre os procedimentos e orientação médica.

Ele conta que passou pela terapia hormonal e há três anos pela mastectomia (a cirurgia que masculiniza o peitoral). Aliás, ao comentar a ausência de cicatrizes vistas nas fotos - resultado comum em muitos homens trans após a cirurgia - ele explica: "Eu tinha pouco peito. Emagreci muito para tentar tirar o máximo de gordura possível, então minha minha mastec foi pela auréola. Foi bem simples. Deu tudo certinho e hoje só tenho as marquinhas de dreno".

Com uma barba cheia e exalando beleza dentro de um terno - ou nas várias fotos sem camisa -  Lucas conta que atualmente está muito satisfeito com o que vê no espelho. "Hoje eu sou o que eu sempre sonhei, tanto por fora quanto por dentro". Motivo ele tem de sobra, né?

 

NÃO SOMOS SAPATÃO MASTER

Há quatro anos podendo vivenciar sua verdadeira identidade, Lucas conta que já enfrentou vários constrangimentos, inclusive em espaços da diversidade e entre LGBT, pelas pessoas ainda desconhecerem o que é um homem trans e por equivocadamente os associarem ao grupo das lésbicas.

"Tive constrangimentos por pensarem que era um tipo de 'sapatão master', como muitos usaram o termo, infelizmente. Então, as pessoas têm que entender que orientação sexual e identidade de gênero são duas coisas diferentes", declara.

Para quem ainda confunde, vale dizer que orientação sexual refere-se ao sentimento AFETIVO/SEXUAL que temos por OUTRA pessoa, podendo ser por pessoas do mesmo gênero (gay, lésbica), por gênero diferente (hetero), por mais de um (bissexual, pansexual), por nenhum (assexual)...

E que identidade de gênero refere-se à PRÓPRIA identificação e pertencimento sobre um GÊNERO, podendo ele ser condizente com o gênero dado no nascimento (cisgênero), ou diferente do que foi designado no nascimento (transgênero) ou por nenhum (não-binário).

No caso, Lucas é um homem trans (identidade de gênero / ele foi designado mulher ao nascer, mas se identifica com o gênero masculino e é um homem) e é heterossexual (orientação sexual / ele se relaciona com mulheres). Ele não pode ser lésbica, porque não é uma mulher. É um homem, entendeu?  E um homão trans da porra!

Veja mais fotos do gato abaixo: 








Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.