Header Ads

Júri popular absolve acusado de matar Makelly Castro por transfobia no PI; promotor recorre


Por NLUCON

O acusado de assassinar Makelly Castro por transfobia em julho de 2014 foi absolvido nessa quinta-feira (5) pelo tribunal júri popular no Piauí. Mesmo com o Conselho de Sentença reconhecendo que ele seja o autor do crime, a maioria dos votos foi para que o acusado fosse solto.

Presidido pela juíza Maria Zilnar Coutinho, o júri popular minimizou o assassinato e concedeu quatro votos pela absolvição contra três pela condenação de Luís Augusto Nunes. Foi a primeira vez que um crime é julgado com a motivação transfóbica reconhecida no estado.

O promotor Ubiraci Rocha ficou chocado com a decisão. “O Conselho de Sentença reconheceu o acusado como autor do delito, mas mesmo assim resolveu absolvê-lo da prática de homicídio qualificado. Isso demonstra infelizmente o preconceito à condição da vítima por ser travesti”, declarou.

Ubiraci recorreu para que o acusado seja julgado novamente por homicídio qualificado por emprego de meio cruel. “O Ministério Público recorreu por decisão contrária à prova dos autos e incompatibilidade na resposta aos quesitos, por reconhecer a autoria e absolver da prática do crime”, declarou.

O CRIME

Makelly foi encontrada morta em julho de 2014, com sinais de enforcamento e seminua no Distrito Industrial, Teresina. De acordo com o IML, a causa da morte foi asfixia.


O acusado foi identificado depois que colegas informaram que a vítima havia sido vista pela última vez entrando em um veículo Palio de cor vermelha. Uma delas chegou a anotar a placa, levando até o suspeito. E outras travestis foram abordadas por ele com o mesmo veículo após o assassinato.

Algo que chamou atenção foi que acusado tinha várias postagens contra a homofobia e a transfobia e até tinha uma postagem sobre o crime de Makelly, com uma ilustração de como ela ficou, dizendo estar indignado com os assassinatos de travestis e com a falta de respeito da segurança pública.

Ele também é acusado de agredir a mulher transexual Brenda Vitória em julho de 2014.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.