Header Ads

Alejandro Iglesias, 1º homem trans que participou do BBB Argentina, revela que apoio familiar o salvou do suicídio


Por NLUCON

Alejandro Iglesias, conhecido mundialmente por ter participado da versão argentina do Big Brother Brasil em 2011, afirmou em nota do site “Primicias Ya” que já cogitou suicídio. Ele frisa que não se entendia homem trans e que este foi um duro processo.

O assunto surgiu porque no fim de 2017 Rocío Gancedo, que competiu ao seu lado no Gran Hermano, nome que levava o reality show, cometeu suicídio aos 29 anos. Para Alejandro, a notícia foi um baldo de água fria e espantosa.

“Passei por situações similares que ela passou, não de abusos ou problemas familiares, o meu era em outro aspecto. Era sobre o tema da transexualidade e o processo que tive que passar, que me fizeram várias vezes ter o desejo de tirar a minha própria vida, essas coisas”, declarou.

Pensamentos suicidas são comuns na população trans. A pesquisa “Os Homens Trans no Brasil: políticas públicas e a luta pela afirmação de suas identidades”, da Faculdade de Psicologia Maurício de Nassau, informa que 66,4% dos homens trans já pensaram em suicídio. O relatório “Transexualidades e Saúde Pública no Brasil”, da Universidade Federal de Minas Gerais, confirma: 85,7% dos homens trans já pensaram em suicídio ou tentaram cometer o ato.

Vale lembrar que especialistas não atribuem à transexualidade o suicídio, mas ao forte preconceito, pressões e opressões que essa população sofre. O debate sobre suicídio, contudo, ainda é tímido e marcado por muito tabu, sobretudo quando acompanhado da população trans.


Alejandro afirmou que superou os pensamentos suicidas graças ao apoio de sua família, que não o deixou passar por esses momentos sozinho e atravessou essa fase ao seu lado. Ele afirma que gostaria de ter tentado fazer alguma coisa para salvar a vida de Rocío e que a tristeza é grande por não poder ter feito nada.

“Espero que as pessoas que passam por uma situação semelhante consigam reverter essa situação. É uma tristeza terrível”, finalizou.

IMPORTANTE: Caso esteja passando por isso e não esteja encontrando apoio necessário para superar, ligue para o Centro de Valorização da Vida, por meio do telefone 188. Você pode também acessar o site: https://www.cvv.org.br.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.